Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PRESÍDIO, MEU LOCAL DE TRABALHO.

Mais um dia de trabalho.em uma linda manhã de domingo. Caminho em direção do presídio, sim, é o meu local de trabalho, é o local, onde a sociedade quer esquecer e ficar bem longe. Até o próprio Dostoiewsky intitula a prisão como “ casa dos Mortos” em seu livro “A Recordação da Casa dos Mortos”, porém discordo com esta afirmação. O presídio é o mundo de vivos, com seres humanos com sentimentos (bons e ruins), e que construiram a sua sociedade – uma sociedade bem estrutura e com regras e leis próprias e que devem ser obedecidas a rigor.

Observo, ao aproximar do portão, uma fila enorme, como de costume, formada na sua maioria por mulheres - já que trabalho num presídio exclusivamente para homens. Pode-se notar nos semblantes destas pessoas a angustia, a tristeza, os desabores, a resignação, a alegria, enfim, carregadas de sentimentos que só elas podem descrever.

Atravesso aqueles grandes portões,austeros preparados para o confinamento de milhares de sentenciados, que por algum motivo ou sem motivo romperam com as regras e as leis impostas pela sociedade, aprisionando os seus corpos, seus sonhos, suas violências, suas maldades, seus amores, seu ódio, seus medos, com a intenção de torná-los mais dóceis para o seu retorno à sociedade.

Continuei o meu caminho e pensei: Qual seria a emoção do dia?

Em todo o meu percurso olho com atenção o carregamento pesado trazido por elas, para os seus companheiros, seus esposos, seus amantes, seus filhos, pais...

Ao iniciar os trabalhos, algo me chamou atenção – era uma senhora com pouco menos de 40 anos, com um olhar tão amargurado , causando-me uma grande inquietação. Estava de cabeça baixa, como se aquele ambiente fosse o pior lugar do mundo e se aproximou. Antes de dar o prosseguimento aos trabalhos lhe fiz uma pergunta:

- A senhora esta triste? – Ela me fitou com um olhar vazio, então pude notar que lágrimas saltavam do seu rosto, doídas e nada me respondeu e continuei:

- Por que está chorando? Então me respondeu com uma tristeza enorme e toda ressabiada, que até hoje não consigo esquecer.

- Eu sou a mulher mais infeliz do mundo, pois venho visitar em uma cadeia o meu único filho querido, que de acordo às minhas possibilidades dei a melhor educação e eis onde me encontro.

Naquele momento, fiquei sem palavras, tamanha emoção daquela sofrida mulher e comovida lhe respondi:

- Todos nós temos as nossas histórias, umas boas, outras ruim e algumas razoáveis, quantas mães hoje estão sem esperança por seus filhos estarem no leito de morte e a senhora tem a esperança do recomeço. Ela me olhou e saiu em silêncio e não a atirei mais dos meus pensamentos – pois a sua amargura e a sua dor nunca esquecerei.

Ufa! de volta para casa. Meu filho veio ao meu encontro, beijou-me, então eu vim entender aquela mulher.
Naná
Enviado por Naná em 06/11/2007
Reeditado em 17/05/2008
Código do texto: T726217
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Naná
Salvador - Bahia - Brasil
220 textos (57884 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/10/17 23:29)
Naná