Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CINE PALACE


Ai, como dói sentar nestas cadeiras num ambiente até acolhedor, mas nostálgico. As pessoas sentadas ao meu redor redor provavelmente nem percebem minha nostalgia e nem imaginariam os seus motivos.

O hall onde estão as cadeiras, à época do Cine Palace, era um recinto aconchegante onde os cartazes dos próximos filmes prometiam ineditismos emocionantes e superlativos. Lá dentro, na sala de projeções, uma tela recurvada, palco de O Rei dos reis, Os dez mandamentos, Spartacus, Moisés, Bem-Hur, O milagre, Candelabro italiano; Tarzan, o rei das selvas, O último pôr-do-sol, Dançando na chuva, Sete noivas para sete irmãos, A noviça rebelde, Helena de Tróia, Dio, come ti amo, Sartana, O dólar furado.

O lugar era pura magia ao som da voz sensual de Elvis Presley cantando Love me tender, The Beatles ateando fogo com I wanna hold your hands e Roberto Carlos enamorando-se do Calhambeque.

O ambiente seleto, distinto. A juventude, duplamente privilegiada, comprava ingressos e chocolates. Flirts, paqueras, namoros, noivados e casamentos tiveram ali os seus princípios.

Antes de iniciar a primeira sessão (Eram quatro sessões aos domingos. A primeira, a mais- mais), havia uma batalha de bolinhas de papel acompanhada de uma “revoada” de aviõezinhos, alguns realizavam pousos forçados nos coques mais salientes.

Quem não tinha namorado aproveitava o corredor iluminado entre as duas alas de poltronas para ensaiar um desfile. As adolescentes movimentavam-se numa repetida troca de lugares. Os rapazes escolhiam_ como em bandejas de aniversário_ esnobavam, faziam-se e julgavam-se mais atraentes do que James Dean.

O jogo de luzes era acionado junto com uma música pausada, forte. Alternavam-se as cores: amarelo, azul, verde, vermelho; a música, o silêncio; o silêncio, a música. E o suspense. De repente, a vaia. Que vaia! Quantas vaias! Assobios. Mais papéis voando, mais aviõezinhos. Em preto-e-branco Herbert Richers e o futebol. Que bonito é! Lá lá ri lá laiá... Thrillers e... o rei leão balançava a nobre juba na Metro Goldwin Mayer e espantava a Condor Films. Começou o filme e mais uns assobiozinhos não faziam mal a ninguém.

Nas poltronas alguns olhavam ao contrário da direção da tela, encantados com as janelitas projetoras e com o rastro de luz criador de maravilhas, guerras, cavalos, índios, cow-boys, bandidos, sallons, tiros, emoções e beijos. Principalmente beijos. Os beijos de Elvis em Priscila. A boca de Marlon Brando, os olhos de Paul Newman, a cara máscula de Steeve Mc Queen, o porte de Charlton Heston, o rosto pacífico de Omar Sharif, a pose de Giuliano Gemma, o selo de garantia de um bom western de John Wayne e a atração fatal personificada em Kirk Douglas e Sean Conery.

As fantasias masculinas correriam por conta do não-siliconado busto de Jane Mansifield, dos lábios carnudos de Brigitte Bardot; do corpo perfeito de Marilin Monroe; da doçura de Gigliola Cinquetti e de Suzane Pleshette e do misterioso olhar de Elizabeth Taylor.

No plano abaixo, o da realidade, casais atravessavam a fronteira que divide a vida comum da ficção. Os corações se agitavam, as bocas se colavam, as mãos se endedavam, o fogo subia, o tempo passava. Quem viu o filme?

THE END


                                                     05/05/2005
TÂNIAMENESES
Enviado por TÂNIAMENESES em 10/11/2007
Código do texto: T732044
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
TÂNIAMENESES
Aracaju - Sergipe - Brasil, 69 anos
1682 textos (175271 leituras)
1 áudios (102 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/08/17 14:39)
TÂNIAMENESES