Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Bochechinha ou Zé da Barba

BOCHECHINHA OU ZÉ DA BARBA?

      Bochechinha, uma menina muito loira e de pele branca, com olhos azuis bastante vivos, irradiava alegria incontida porque vivia fazendo estripulias saudáveis, próprias das crianças que esbanjam saúde. Seu apelido originou-se das bochechas que estavam sempre muito vermelhas e suadas. Porém, toda vez que ela se deparava com o Zé da Barba, um cidadão comum, de parcos recursos, que perambulava pelas ruas do bairro onde morava, ficava atemorizada, devido à sua aparência rude, pouco trato, a barba serrada e de voz grossa e rouca, além de muito falador. Nesses dias, Bochechinha era uma outra menina, recolhia-se em sua casa e passava o dia lendo estórias infantis.
      Na cabeça da menina criavam-se cenas envolvendo como ator principal o Zé da Barba, logicamente essas criações, invariavelmente faziam do ator um homem mau, que pegava crianças, castigava os seus companheiros e não hesitava em afasta-los do seu convívio, caso fosse contrariado ou desobedecido.
      O seu José, dono da padaria que fica na esquina da rua aonde ela mora, tentava tirar essa cisma de Bochechinha explicando-lhe que o homem era bom, gostava de criança e não castigava os seus companheiros, conforme vivia imaginando. Mas tudo era em vão, a menina não escutava ninguém, nem mesmo as justificativas dadas por sua própria mãe. Bastava o homem aparecer que ela saía voada da rua.
      O tempo passa e as circunstâncias mudam. Assim como nas árvores que frutificam, seus frutos amadurecem e depois apodrecem, se não forem conservados, também as pessoas enfrentam as mesmas situações, razão porque necessitam de conduta equilibrada, honestidade e principalmente respeito para com os preceitos, deveres e direitos dos demais pares da sociedade onde vive.
      A vida continuou e foi trazendo suas novidades: Bochechinha cresceu e tornou-se uma bela moça, corajosa, formada em filosofia e pós-graduada em psicologia, é uma das mais respeitadas personalidades daquela comunidade; o seu José da padaria faleceu aos oitenta anos sem conseguir fazer com que a menina aceitasse o Zé da Barba; a mãe de Bochechina, envelhecida, porém madura como os frutos das árvores,  não  mais  tenta  explicar  para  a  filha quem é aquele
homem que ela tanto temia porque, agora todos já o conhecem sobejamente.
      Assim a vida vai pregando suas peças, ora agradáveis ou por vezes desagradáveis, mas todos temos que aceita-las e corrigi-las quando possível. Aquelas que estiverem fora do nosso alcance, terão que ser deglutidas, queira-se ou não.
      Para surpresa maior, Zé da Barba conseguiu um emprego na fábrica da cidade e por suas características fortes, passou a liderar seus companheiros, conforme já fazia quando estava a perambular pelas ruas, tornando-se ponto de referência da classe. Ficou muito conhecido e todos acreditavam nas suas proposições, tanto que acabou por alcançar grandes cargos e chegou a ser o líder maior de toda a região. A seguir alçou vôos ainda maiores destacando-se a nível nacional, devido suas propostas e promessas, feitas para tantos quantos o ouviam.
      Bochechinha continua morando na mesma casa onde cresceu, ao lado de sua mãe. Por ter perdido seu pai aos dois anos de idade e vivido a sua infância nas pacatas ruas do bairro, os moradores tornaram-se seus tios, fazendo com que ela tenha agora, a maior família daquela cidade. Porém, aquela doce menina de olhos azuis que com sua imaginação, colocou uma máscara aterrorizante na figura popular de Zé da Barba, permanece irredutível quanto às suas opiniões sobre ele, apesar de toda a sua formação cultural. Parece obcecada ou mesmo traumatizada por seu passado.
      Zé da Barba está no topo da mídia, vive momentos de glória e leva consigo seguidores quase fanáticos. Veste uma máscara, logicamente no sentido figurado, das mais simpáticas e desejadas pela comunidade em geral e, aos poucos, começa a impor algumas de suas posições, às quais particularmente acredita que sejam as melhores. Mas há de se perguntar: - Estará ele de posse da verdade, tem todo o preparo necessário capaz de possibilita-lo a fazer vistas grossas ou mesmo não se importar, com os criteriosos julgamentos de seus opositores?
      Quem sabe a verdade esteja na manga de um dos vestidos da Bochechinha?
      Teremos que aguardar porque, somente o tempo poderá nos esclarecer quais são as reais intenções de Zé da Barba. Se realmente procura junto com seus companheiros o melhor para toda a comunidade ou levado pela saga dos que, parcialmente agraciados pelo reconhecimento popular, acredita ser um marco histórico, imagina perpetuar-se ao longo dos anos decidindo os destinos de todos e acaba, como tantos outros, vencido por seu próprio egocentrismo e irônicos ideais ou até mesmo aterrorizantes, como os imaginados por Bochechinha?
      Infelizmente, não poderemos deixar impressões a favor ou contra nenhum de nossos artífices ou quem sabe atores, porque ambos estão iniciando seus escritos de vida, nas suas novas atividades, inerentes ao cargo que ocupam no momento e, é óbvio que a prudência será o melhor caminho para poder-se deslindar o mistério presente.
      Omissão nunca, prudência sempre! Com essas duas armas da verdade, haveremos de vencer qualquer inimigo que esteja escondido nas trincheiras da ilusão, farsa ou deslealdade.
      Usar o tempo como aliado é ter a certeza de que serão superados todos os obstáculos presentes e futuros, com ciência e consciência.
      Bochechinha e Zé da Barba, certamente terão que dar feição à máscara que, sendo apenas uma, está em disputa pela primazia de estampar apenas a verdade.
      A nós, cabe a espera e esperança de que essa máscara traga estampado o semblante alegre da vitória, não de Bochechinha ou Zé da Barba, mas de todo o povo brasileiro.
     

     
     

         

Condorcet Aranha
Enviado por Condorcet Aranha em 18/11/2005
Código do texto: T73311

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Condorcet Aranha
Joinville - Santa Catarina - Brasil, 76 anos
106 textos (14597 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 02:08)
Condorcet Aranha