Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

25 de DEZEMBRO

Anita, ali entre os manequins da vitrine de uma butique no shopping, imitava os gestos da personagem do filme que acabara de assistir, graças ao lucrinho dos vales-transporte que vendera durante a semana.

Para aquela noite programara presentear a si mesma. Em seu casebre pendurado numa encosta da casa de detenção da cidade, não havia presentes, ceia, família reunida. Ouvia-se por ali as sirenes dos carros de polícia e das ambulâncias.

A festa de fim de ano ficava invariavelmente adiada para o próximo. Anita via mais uma vez as famílias seguirem para suas casas, apartamentos, mansões. Alguns dirigiam-se para vermelhos restaurantes onde havia árvores iluminadas e sorrisos especiais guardados cuidadosamente durante mais de trezentos dias. Tudo igualzinho às revistas. Sinos tocando, aliás, bimbalhando enquanto apresentava-se a peça ensaiada _ agora em efeitos de fazer inveja a Spielberg.

A praça de alimentação vazia exalava um aroma azedo de vômito. Sobre o vidro suado da estufa de salgadinhos, uma velha barata passava, mole de gorda. Nas lojas os manequins sorriam dementes para o hall abandonado. King-Kong, fora da tela, realizava suas fantasias eróticas e selvagens _ um pouco ccontrariado e mais violento porque achava a loura da produção anterior mais sensual.

Murchos pacotes de chocolates. Os aparelhos de TV apresentavam telas escuras como um céu de tempestade. O automóvel exposto na plataforma dormia de cara feia, sonhando com o asfalto onde poderia correr desembestado em sua potência.

Cada papai noel ficara paralisado no exato gesto de estátua. As caras cínicas dos duendes fingiam-se esquecidas dos presentes prometidos a todas as crianças do planeta. As luzes descansavam da missão de hipnotizar clientes. Conseguiram, piscando, convencê-los a consumir inutilidades e sonhos repetidos. Uma outra barata, mais moça, entrou e saiu pelos furos do nariz do Papai Noel instalado no espaço nobre do shopping. Uma ratazana desenfreada esbarrou no rodapé da porta eletrônica, retornou para o supermecado, entrando espremida pelo cantinho da porta ondulada. Subia um odor horrível das bocas-de-lobo. O vigilante fiel apitava para proteger aquele mundinho fútil-útil.

Anita, pela vidraça, avistou do outro lado da avenida, famílias organizadas, portadoras de antecedentes históricos, trocando abraços entre amigos revelados e votos da felicidade adquirida e copiada dos comerciais de TV e dos out-doors.
Quietinha no presépio, Maria acalentava o menino cuja sina é chorar a sorte da humanidade dividida, desigual.

Anita adormeceu aos pés daquela familia.

                                                           2/1/2006
TÂNIAMENESES
Enviado por TÂNIAMENESES em 13/11/2007
Reeditado em 13/11/2007
Código do texto: T736232
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
TÂNIAMENESES
Aracaju - Sergipe - Brasil, 69 anos
1684 textos (176352 leituras)
1 áudios (102 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 15:33)
TÂNIAMENESES