Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O inventário navegando

       Na uisqueria retornavam  todas as mulheres aos seus sonhos. Gertrude era glamourosa. O glamour iluminado.  Rita gostava das coisas simples, pomar e crisântemo. Jurema sonhava com riquezas, esplendores. Luiza morava próximo da estrada asfaltada, lá embaixo, naquele relance de rua estreita. Gertrude curtia o ciúme como um objeto da vigilância.  Jurema era discreta. Lú, desligada do fato.
     Recordaria os rostos femininos até o sol poente. Havia Nice com o “N” místico e a voz fraca. Deisiana possuía voz estridente. Dora resmungava com o passar dos anos. Celina ressurgia alegre no fluxo das lembranças.
     O garçom servia as mesas depressa. Nas roupas de lã flutuava o  gelado ar do inverno. No Parque Lise passeava. Por sorte havia  canção para os tormentos lúgubres da memória. Ponto em que as recordações não evitam o ócio.  É o ócio quem revela   paz para a reprodução das imagens quentes que a saudade remonta, as vezes muita fria,  até a consciência.  No levantamento conjugal procurava o suntuário drama épico no drama da paixão ferida que uivava.  O momento da bebida é a ilha de edição onde quase nada se encontra. Virava a página do amor sem grandes ressentimentos. Buscava um número total como se o algarismo representasse a razão de tantos e tão ternos anos. Era a primeira vez que sentia fabricar um novo amor. Um amor comum a todas elas.
      O amor pela qualidade do encanto desses momentos bem vividos. Havia nisso uma espécie de unidade perdida, e ao mesmo tempo  outro sentimento contíguo. Um perfume vago disfarçado e perdido. A inteireza reconfortante em todos os sentidos vasculhados. Almas que tocaram os seus  sentidos deixando um estranho  retrato   elaborado pelo transcurso do tempo. Misto de perdão inacessível do ciúme contra a pimenta do desejo implacável.  Amar muitas mulheres não é traição, é rendição!  E que maldita culpa poderia haver?  Se a vida fosse  colagem, lamentava,  tudo estaria próximo demais da excelência. Todas estariam unidas. Tudo  separado se uniria. Decerto Naná ficaria na Cidade Baixa, sem número. Débora (nem se lembrava mais) na Redenção. Dalva na Ilha. Todas reunidas como literatura em seleta  na saudade colhida das vinte e duas horas em plena chuvarada torrencial. Que excelente coleção de afeto!
      Antes do gole cedeu uma  pausa maior em Soninha. Ela havia reunido luzes à fotografia  nítida dos seus pensamentos secretos. Havia recebido de Sônia os raios da unidade física, um efeito novo. Era nesse efeito que procurava o inexplicável. O  ponto "Z" em que a alma e o corpo se unem na fé ilegível do amor até a sua caricatura. A primeira namorada não se igualaria a nenhuma outra, sendo a última a mais importante num  verdadeiro e lavado clichê. Celi disse adeus, pronto, acabou,   caindo prostrada naquele seu silêncio de passarinho. Dela a lembrança da efígie na sombra distante das janelas duplas. O vento nas cortinas...
      Observou três poltronas, três moças, três coquetéis, três comentários de como a noite andava mesmo deslumbrante. Noite fria. Até o gaiato com bigode de espuma lhe sorrindo  parecia familiar sem nunca ter estado ali antes. Naquele forte movimento de entra e sai  estourou um aniversário em plena algazarra colorida. Eclodiu outra paixão lírica num instantâneo retrátil. Sem se empolgar pela proximidade efervescente os clientes reuniam-se ali mesmo entre os meus silenciosos  restos de passado feito de amores extintos por onde respira os mais  curiosos  resíduos narcotizantes.
      Por suas bases reais serem nulas e suas existências aprisionadas pelos favores do passado cantou aquela  canção mofada, puída de cão-tinhoso alegre como cobra sem veneno. Uma canção do seu tempo e, com efeito, o bar ficou calado, ouvindo.
     Ali estava um momento de paz da humanidade atormentada.

Tércio Ricardo Kneip
Enviado por Tércio Ricardo Kneip em 17/11/2007
Código do texto: T740684
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tércio Ricardo Kneip
Santa Vitória do Palmar - Rio Grande do Sul - Brasil, 54 anos
1630 textos (61379 leituras)
2 áudios (78 audições)
1 e-livros (43 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/08/17 18:38)
Tércio Ricardo Kneip