Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Luciana em busca de tradução

     Luciana renascida. Ia se casar, não se casou. Foge do amor. Faz morrer a saudade como um crime, melhor obra do seu talento. Cristalina, rediviva, branca, saída do hospital da lua, permanece só na dor vivíssima. Não ama. É amada. Sem atender preces. Para infligir ao mundo as mesmas amarguras.     Sua imagem no espelho é como se fosse a filha do amor que nunca teve. Em torno disso seduz para desaparecimento como  a fumaça do defumador marajá das índias. Desaparece. Imprime as decepções e os ressaibos de cada dia ao entardecer dos abandonados.   Tudo tem, tudo teve, nada deve. Exceto amar um amor que não se refunde. Precisa destruir a memória desse acontecimento em que se alteia na lembrança com a flama frágil do esquecimento. Usa seu corpo doce, sua voz macia e fluente, alvo do passado condenado e triste.
    Quem ama é outra alma que se encanta sem deixar dúvida. Veste-se com graça comedida e dança com musicalidade. Nada, no entanto lhe apaga o primeiro espanto. O espírito não se reforma. Quer vingar no próximo a soberba da antiga  paixão errante. Dirigindo escondida um  adeus aos olhos que se querem seus.
    Assim vai. Abandonando os homens  fracos de aço.  Antes quer abandonar do que ser abandonada. Toma os sentimentos como um combate. Bajula as sombras finais de cada amante desesperado.  Para atormentar os sentidos com sua beleza célebre nos salões, nos botequins, nas zonas libertinas; com as mãos abertas ao canto; ao louvor, ao sonetismo. Deixa rastros de ilusão na areia que o mar apaga e afoga.  Para romper em adeus feito de repulsa e sal.
    Teme o satírico incomparável a rir dizendo: viúva de muitos!  Atribulada de prazeres que nunca sacia das bocas sedentas de afeto. Seu longo período de martírios devorados carrega a calma dos impostores reunidos na mansão oculta. Quer gritar e não sabe. Quer ninar e não consegue. Quer se vingar do primeiro pranto inconsolável. Procura desesperadamente um tradutor exímio, incontestável
Tércio Ricardo Kneip
Enviado por Tércio Ricardo Kneip em 21/11/2007
Reeditado em 30/10/2010
Código do texto: T746248
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Poupança Caixa 01300004936-1 ag.0693 SVP. Doe já 0 .10 cent) e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tércio Ricardo Kneip
Santa Vitória do Palmar - Rio Grande do Sul - Brasil, 54 anos
1630 textos (61377 leituras)
2 áudios (78 audições)
1 e-livros (43 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/08/17 01:40)
Tércio Ricardo Kneip