Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O HOMEM-LOJA

O homem-loja seguia pelas calçadas amplas do terminal. Pernas finas, fininhas, dois cambitos cinzentos descendo de um bermudão. A camisa branca, fubenta. Os braços, dois canudinhos. Usava um boné bad-boy puído. Tudo feio e triste. Ou seria tudo belo e alegre no homem-loja?

Corria à cata de fregueses de pernas finas e fubentas. O homem-loja atravessou a avenida por onde os ônibus chegavam roncando, carregando o progresso dos empresários e dos industriais. Temia que algum louco do volante atropelasse fatalmente seus sonhos de inclusão social. Na verdade, o maior sonho do homem-loja era engrossar as pernas e os braços em formas atléticas, bem definidas _estufar o peito. Mas, tomando geladinho de água com açúcar e almoçando acarajé nos terminais rodoviários, quase não tinha chances.

O homem-loja com seus sonhos trabalhistas no mostruário pendurado no ombro seco, descendo pelo lado direito, arranhando-lhe a axila e a canela cinzenta.

As cores dos produtos expostos ajudavam, valorizavam o material. Um carnaval em rosa, lilás, verde-limão, amarelo-mostarda. Tons da moda na televisão, nas novelas. Artigos modernos, usados por top-models e pelos personagens de sucesso na novela das oito que começa às nove. Capas transparentes e carcaças, tudo para a qualidade de vida do seu celular. Óculos Reibandidos, bonés Fernandinho Beira-mangue, chaveiros Ronaldinho Ferrari, isqueiros, brincos de miçangas, pulseiras, xuxinhas, gargantilhas, alças de sutiã siliconadas, suportes para óculos. Dispunha de toda uma variedade.

O homem-loja cabia em qualquer espaço. Comércio informal, não pagaria imposto. Quando o fiscal aparecia, o rapaz agradecia a Deus por aquelas perninhas ótimas na fuga.Nesses momentos sonhava ganhar os louros da vitória em maratona na Grécia olímpica.

Neste momento passam perguntas na minha mente: Será que um governante não se envergonha de perseguir homens-loja? De mandá-los para a cadeia? De cercear a sua liberdade de ir-e-vir? De cobrar deles o lucro de seu empreendimento dependurado em uma folha de isopor? Será?

O homem-loja seguia com um olhar sonhador. Nunca ele saberá desta crônica. Quem era Ele? Qual seu nome?  Seu endereço? Uma criatura tão importante quanto a ovelha desgarrada, mais importante de que todas as excelências.

Trânsito livre. O guardinha liberava e os veículos se adiantavam apressados, barulhentos.

Encostei bem o lado direito do rosto no vidro da janela tentando aproveitar um pouco mais daquela figura. A última cena foi a do homem-loja curvando-se para salvar, na lama da calçada, uma piranha vermelha que escapara do seu estabelecimento de comerciante autônomo de ilusões.
TÂNIAMENESES
Enviado por TÂNIAMENESES em 22/11/2007
Reeditado em 22/11/2007
Código do texto: T747502
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
TÂNIAMENESES
Aracaju - Sergipe - Brasil, 69 anos
1682 textos (175250 leituras)
1 áudios (102 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/08/17 12:32)
TÂNIAMENESES