Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Triângulo Amoroso

Desde pequena, Roseli sempre chamou atenção no bairro. Ainda com 10 anos, já ouvia os primeiros assobios de pedreiros mais assanhados. E ao passo que a menina crescia, a quantidade de assobios também aumentava. Bagunceira como poucas, a menina conseguiu ser reprovada na quinta e na sexta séries. Mas o que parecia ser o início de um tormento na vida da garota arteira, foi na verdade, a melhor obra de seu destino.

Quando foi cursar a sexta série pela segunda vez, Roseli caiu na classe dos amigos Bruno e Bernardo. A princípio, a amizade não engatou. Roseli achava os dois palhaços da sala, duas crianças. Já os dois, achavam aquela menina com corpo de mulher, muita areia para os seus caminhõezinhos.

A amizade só nasceu pra valer naquela aula de Biologia, quando a professora decidiu passar um trabalho em grupo para a sala. Excluídos pelo resto da turma, os três foram obrigados a formar um grupo. Não é preciso dizer que o trabalho, claro, foi um fracasso total. Mas isso não importava: naquela aula nascia uma grande amizade.

Os três eram amigos daqueles inseparáveis. A menina, linda. Já os dois meninos, podemos dizer que a mãe natureza não foi tão simpática com eles. O trio andava junto para cima e para baixo. Como se dizia na época, a amizade deles era como unha e carne. E cutícula.

Mas o tempo passou e os meninos viraram homens. A menina, que já tinha corpo de mulher, virou ainda mais mulher. Os hormônios começavam a ferver em seus corpos. Roseli não queria mais apenas uma simples amizade. Bruno e Bernardo, tampouco.

O primeiro a se deitar com Roseli foi o Bruno. Mas na noite seguinte, assanhada que era, Roseli resolveu se deitar também com Bernardo. E ela conseguiu, em apenas duas noites, não só iniciar a vida sexual dos dois rapazes, como também deixar ambos completamente apaixonados.

Temendo o final daquela tripla amizade, Roseli pediu que os dois jurassem segredo. Deveriam fingir, os três, que aquelas noites jamais haviam acontecido.

Nos primeiros meses, tudo correu bem. Claro que os dois estavam secretamente apaixonados, mas a promessa feita para Roseli era sagrada e a amizade continuava dura feito rocha.

Quando Roseli apareceu grávida, naquela tarde de domingo, tanto Bruno como Bernardo, ficaram em estado de choque. E a surpresa só não foi maior quando, além de não revelar para os amigos quem era o pai da criança, a menina pediu para que, durante a gravidez, os dois não a procurassem mais. Ambos relutaram, mas acabaram aceitando aquele estranho pedido de sua amada. Mas intimamente, Bruno tinha certeza de que em pooucos meses, ele seria pai. E com Bernardo, claro, não era diferente.

Essa história toda fez ruir aquela amizade que até então, parecia inabalável. Além de se afastar de Roseli, aos poucos, Bruno e Bernardo também deixaram de se encontrar.

Mas o destino dos três já estava traçado e quando Roseli deu a luz, Bruno foi  até a maternidade visitar aquele que ele acreditava ser seu filho. Lá chegando, deu de cara com Bernardo, babando em frente à vitrine de bebês rescém-nascidos, esperando a enfermeira mostrar aquele que ele acreditava ser seu filho.

Os dois entenderam o que estava se passando naquela maternidade e, imediatamente, se atracaram numa briga violenta que só foi separada quando a enfermeira finalmente chegou com o bebê. E para o espanto geral dos que estavam ali presente e, principalmente, dos dois rapazes briguentos, não restava mais dúvidas sobre quem era o pai: misteriosamente, a criança era a cara de um e o focinho do outro.
Ricardo Polinesio
Enviado por Ricardo Polinesio em 04/12/2007
Código do texto: T765140

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para o site "www.polinesio.zip.net"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ricardo Polinesio
São Paulo - São Paulo - Brasil, 37 anos
68 textos (5640 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/08/17 06:56)
Ricardo Polinesio