Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

As coisas nem sempre são como planejamos

Eram quatro amigas, destas que tudo fazem juntas e que se divertem com o simples fato de partilharem algumas horas juntas.
Certa vez, na época do natal, resolveram ir a São Paulo, fazer compras juntas. Definiram a data e passaram a estudar qual seria o melhor lugar para irem.
Depois de muito discutirem, resolveram que a melhor opção seria irem a um shopping, por ser mais prático. Escolheram o local, marcaram a data e acertaram o horário de saída.
No dia e hora combinado saíram juntas, uma delas dirigindo e assim, foram ao seu destino.
A disposição de todas era uma maravilha, cantavam e riam sem que fosse preciso haver justificativa para tal.
Já na estrada, nem bem percorreram os primeiros quilômetros, e uma delas pediu que parassem, pois estava morrendo de sede. Todas entusiasmadas concordaram, pois não havia horário a se cumprir e o objetivo era, na verdade, curtirem o dia juntas. Após matar a sede, retomaram a viagem, sempre mantendo um clima de alegria e camaradagem.
Mais adiante, alguns poucos quilômetros adiante, a mesma que havia solicitado a parada por estar com sede, sinaliza que estava necessitada de ir ao bainheiro. Bem, todas se olham, compreendendo ser perfeitamente natural esta reação, uma vez que a referida amiga havia tomado uma considerável quantidade de água.
Pararam em um posto, e desceram dirigindo-se ao banheiro. Ao sair, todas se alegram novamente e retomam a viagem cantando animadamente.
Já faziam planos do que pretendiam comprar e de como iriam passar as próximas horas, quando a amiga, um tanto sem graça, solicita que parem novamente, pois estava morrendo de sede. As amigas entreolham-se, sem muito entusiasmo, mas, resolveram que não seria uma bobagem que iria estragar o passeio e, ao aproximarem-se de um posto, param sem tecerem grandes comentários. Desta vez ninguém desceu acompanhando a amiga sedenta, e aguardaram que ela retornasse.
Tão logo a amiga voltou, retomaram seu caminho. A amiga, com um sorriso sereno comenta o quanto bebeu de água, pois estava uma delicia! Agradavelmente fresca.
Meia hora depois, ela solicita que parem no próximo posto, pois se encontra apertada novamente. Informa o grupo de maneia contida.
Nesta hora, um silêncio no carro transmite os pensamentos das amigas que dirigem a ela olhares enviesados, já não conseguindo esconder a impaciência.
Após o silencio constrangedor, e da troca de olhares das outras três, a que estava no volante, dirige-se ao posto que se aproxima, e sem uma palavra sequer, estaciona e desliga o motor.
Desajeitadamente, a que se encontrava apertada, dirige-se ao seu destino, e as que ficaram no carro, não ousam trocar uma só palavra, provavelmente sabendo que se o fizessem, acabariam por estragar todo o passeio.
Aguardaram que a amiga retornasse e prosseguiram na estrada, não sem antes se certificarem de que nada mais ela estaria necessitando.
Percorreram um trecho razoável, já se aproximando da entrada de São Paulo, quando a amiga solta um sorriso forçado e comenta como se fosse algo que lhe pareceu ocorrer naquele momento: - Nossa, poderia tomar dois litros de água num só gole tamanha sede que tenho....
A motorista, de imediato dá seta, vai para o acostamento, estaciona e desliga o carro. Nesta hora quatro olhos ultrajados acompanham a cena do banco de trás. Quando o carro está todo desligado, a motorista vira-se para a amiga que, passou metade da fatídica viagem entre banheiros e balcões, e diz pausadamente:
Por gentileza, pare de tomar água, que certamente ira parar de ir ao banheiro, e o que é mais importante...poderemos realizar o que viemos fazer aqui!!!!!!!!
Ao que a amiga em questão responde calmamente:
_ Amigas, vocês precisam relaxar...são por demais tensas...Vão acabar tendo problemas de hipertensão!
No mesmo instante, a motorista liga novamente o carro, dá meia volta e retoma calmamente na estrada.
Ao passarem no primeiro posto, a amiga, causadora da interrupção do passeio comenta alegremente:
Ninguém quer tomar um copinho de água gelada!!!


Priscila de Loureiro Coelho
Enviado por Priscila de Loureiro Coelho em 24/03/2005
Código do texto: T7726
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Priscila de Loureiro Coelho
Jacareí - São Paulo - Brasil, 65 anos
1286 textos (214494 leituras)
1 e-livros (147 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 27/09/16 03:59)
Priscila de Loureiro Coelho