Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema de Natal...inacabado

Poema de Natal...inacabado
 
Lizete Abrahão

O mundo, uma vez, dormia entorpecido,
Viajando em seu leito adolescido...
Havia na brisa como que um ar de emoção
Que roçava o firmamento com a palma da mão...
E a aurora, a tiritar sob o véu da madrugada
Esfregava as pálpebras, em preguiça acordada...
A lua, de pele doce e cheiro de alecrim,
Clareava neblinas sobre os jardins
 
Quando uma estrela no olho da noite tremulou
E qual lágrima, no rosto do céu infinito brilhou...
................
    Comecei a escrever esse poema, entretanto não consegui terminá-lo. Por várias vezes tentei, mas não consegui...Era eu começar a pensar, trazer a mim certas imagens e vinham-me lágrimas aos olhos...Nublava-me a visão, e chorava...
    Eu queria afinal escrever o quê? Sobre um menino que veio ao mundo para trazer paz, mas que depois morreu porque o homem não o compreendeu?
    Falar do Natal? Mas de que Natal? Esse, feito de lindas mensagens, de presentes, de ceias fartas? Mas e o Natal dos que nada têm? Nem mesmo o sentimento que deveria ser o mais humano? O amor? Qual amor? Aquele pelo dinheiro, pelo poder, pela guerra? Falar do Natal resultante da sanha dos ambiciosos que se locupletam com o pão que roubam de bocas inocentes?...
    De que Natal falar? O das guerras, dos ódios, dos crimes, da fome, miséria...?
    Mas me dei conta que Ele nasceu e morreu...e o homem nem percebeu...Por isso, não vou fazer um poema...porque, apesar de assim pensar, tenho primeiro de analisar-me, se eu estou fazendo a minha parte, para minimizar o uivo desse mundo cão...
    Texto amargo? Sim, é um texto amargo, mas aposto que muito menos amargo do que o fel que os miseráveis e as vítimas inocentes que se afogam no desespero têm de beber, todos os dias...quando não o bebem, exatamente para poder fugir para a morte...Quem sabe do outro lado, lá no infinito, possam finalmente receber direto das mãos do Menino-Homem, o que lhes caberia na Terra, se não O houvessem assassinado...tantas e tantas vezes... O mundo festeja seu nascimento, para vê-lo morrer, em seguida...em cada gesto violento, em cada palavra de desamor.
 
Lizete Abrahão
Enviado por Lizete Abrahão em 04/12/2005
Código do texto: T81020

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Lizete Abrahão
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil
89 textos (3325 leituras)
5 áudios (129 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 19:59)
Lizete Abrahão