Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Um estranho pescador

Ele apareceu nas areias daquela pequena praia assim como aparecem e desaparecem tantos veranistas em todos os verões. Quase ninguém notou aquele homem alto que ocupou uma casinha abandonada há muito tempo na área da Marinha. O Luís só foi notado e só virou “Luís” quando todos os veranistas foram embora junto com o verão e os pescadores, verdadeiros donos da praia, recolocaram as suas grandes redes no mar para continuar sobrevivendo. Luís estava lá, olhar perdido no horizonte, barba grande, um toco de cigarro amassado no meio dos dedos, distante de tudo. Não conhecia ninguém. E ninguém lhe conhecia.
     Certo dia, o mar estava muito violento quando os pescadores tentaram entrar nele para amarrar a corda que levava a rede numa âncora colocada a cerca de 100 metros dentro das águas, marcada por uma bóia. Três ou quatro tentaram entrar nadando, mas todos desistiram. O Luís não resistiu. Desceu o cômoro, foi até o grupo de homens que não conhecia e se ofereceu para entrar nadando no mar para amarrar a corda. Mesmo desconfiados, os rudes pescadores aceitaram a oferta. E Luís nadou como um peixe no meio daquelas ameaçadoras ondas. Depois de deixar a corda amarrada  na âncora, nadou de volta e foi recebido com palmas e gritos na beira da praia. A partir daquele dia, passou a fazer parte da turma, ajudando a colocar e retirar a rede, de manhã bem cedo a no final de cada tarde.
     Ninguém perguntou nada, além do seu nome. Mas, aos poucos, depois de se entrosar com o grupinho, e nos dias em que tomava umas pingas além da conta, o Luís foi se abrindo. E contou a sua história: engenheiro agrônomo, solteiro, filho de um famoso médico de Fortaleza. Quando mais jovem, uma sede de aventuras levou os seus olhos da cor do mar até a Serra Pelada. Lá, ele gastou vários anos de vida juntando ouro. Queria voltar rico e provar para a família que podia dar um rumo para a sua vida sem precisar sobreviver na sombra do pai. Perdeu o rumo, quando alguém tentou assaltar o casebre onde dormia, depois de um dia de muito trabalho no garimpo. A mesma picareta que usava para cavar a pedra na busca de ouro, serviu de arma para matar o ladrão. E os seus sonhos de riqueza morreram junto com o desconhecido inimigo. Precisou gastar todo o ouro que já havia conseguido para não ser preso pela polícia, comprando esconderijos e pagando por uma fuga e a volta para o Nordeste. A família não perdoou a sua falha. E ele resolveu morar sozinho na beira do mar, numa praia bem distante, sem ninguém por perto para ameaçar a sua liberdade. Sua habilidade como nadador e sua educação acima da média, foram passaportes para ser aceito no grupo. Morreu o Luís engenheiro agrônomo e nasceu o Luís Pescador.
 Hoje o Luís sobrevive dos peixes que ganha quando ajuda os pescadores e das gorgetas que recebe quando alguém precisa levar uma corda ou buscar uma rede nas profundezas do mar. Quando bate a saudade da vida antiga, dos pais ricos e das mordomias que desfrutava, afoga as mágoas nos tragos e caminha alegre, cantando músicas pelas ruas do vilarejo. Nas outras horas, é apenas o Luís caladão, que fala pouco, mas ajuda muito, e que não troca os seus novos amigos pescadores nem por todo o ouro que deixou para trás no sonho dourado da Serra Pelada.

Milton Souza
Enviado por Milton Souza em 12/12/2005
Código do texto: T84965
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Milton Souza
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 71 anos
67 textos (5902 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 15:05)
Milton Souza