Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PREGUIÇA E INCOMPETÊNCIA:UMA BREVE HISTÓRIA SOBRE A IMPOTÊNCIA

“Aos jornais eu deixo meu sangue como capital”.
E as famílias um punhal
 A corte um sinal”
O Rappa

                  “(...)Não sinto falta da visão. Eu não sei
 o que as pessoas enxergam. Não sei como elas me vêem(...)”.
                             HERMETO PASCOAL/JANELA DA ALMA

Os ares, lugares, cheiros e presenças deste paraíso natural e familiar de Guapimirim, ao pé Teresópolis, onde mora meu irmão e que já se torna para mim um refúgio a me abrigar por mais um final de semana - o Sítio Luz do Leste - já é um lugar comum para minha preguiça – impotência – em raciocinar textos, para futuros sonhos, encontros com o universo editorial, desencontros com a qualidade e a crítica, para meu blog (www.spaces.msn.com/members/sylvionetopoesiaeprosa)¨, para publicar no Recanto da Letras (www.recantodasletras.com.br/autores/sylvioneto) e no Usina das Palavras (www.usinadaspalavras.com).
Nietzche, em O Anticristo, acusa e constata a impotência de Cristo e da sua revolução, que ao homem abandona morto na cruz. É Jesus, o Cristo, impotente.
Silas Malafaia - que este poeta, assistia ontem (10/12/05) sob olhar estupefato de Marcele, minha sobrinha-afilhada de 20 anos, que indaga: - dindo! Você assistindo isso? Ao que respondi: - Celle, melhor orador que Silas, só Brizola, Fidel, Hitler e Mussolini (em ordem de preferência) – dizia em seu culto eletrônico, antes de pedir dinheiro para a causa, “E deus fez o Universo, a Terra, os mares, os continentes, as montanhas... E deus fez as florestas... E deus fez os animais e deus... Do caos e da escuridão, deus fez a organização, a harmonia, a luz e a vida”. Cita então o versículo 30, onde deus contempla sua obra de criação, “e deus achou bom!”.
A minha impotência/preguiça de escrever foi embora com a leitura do Jornal do Brasil (11 dez 05), que não lia a mais de trinta dias (aliás, não tenho lido nenhum jornal há bastante tempo. Iniciei sexta última passada a leitura de Paraíso Tropical de Caetano Veloso).
A impotência, acusada, reclamada e atribuída sob angustiante revolta de Nietzche, pelo abandono/impotente de Jesus é contradito pela oratória do pastor Silas Malafaia (antes de pedir dinheiro) no culto eletrônico, quando cita A Gênese, a criação organizada e posta a prova por deus (em seu querer ser, pois que não se pode ser deus de ninguém ou do nada. Caramba!Querer é vontade, vontade é desejo e desejo é pecado. E então deus pecou e achou bom!) que é o Cristo, Jesus para os protestantes.
Deus organiza a vida a partir da desordem do caos e da ausência da luz. E o caos em resposta (Dart Vader?), assimila e apreende a vida e sobre ela interage: E deus em Jesus (santíssima trindade)  é conduzido ao  martírio, esfacelado, massacrado e escrotizado (nem tão Mel Gibson, nem tão Scorcese) e na cruz imortaliza-se, morto, na esperança do vir a ser, emunah, a verdade judaica: impotente morto na fé viva até hoje.
Meu texto que veste potência bombado pelo mundo Reino de Fogo que me chega pelo jornal, destruindo os lugares texturizados e poéticos das cotas, morros, serras, vales de verdejante verde, água de líquida e límpida alegria e ar de campo cidade refúgio de poetas em rebelião com a criação e outros abrigos literários que a imaginação e a língua podem criar, broxa diante desta contradição:
· César Queiroz Benjamim, sociólogo, militante da esquerda desde os quinze anos, ex-petista, desabafa triste e desolado com a utilização vergonhosa e segundo suas próprias palavras “ ovo de serpente”, da articulação (grupo petista liderado por Lula e administrado por Zé Dirceu) criada para a utilização do FAT (cerca de R$ 30 bilhões extraídos do FGTS), sob a batuta do ex-professor de matemática Delúbio Soares, para o vôo ao poder (COISAS DA POLÍTICA/AUGUSTO NUNES/JB 27.10.05);
· Marina Colassanti levanta uma filosófica questão a partir do bilhete deixado ao lado dos cadáveres dos quatro terroristas que incendiaram um ônibus recentemente: “O lado certo da vida errada”, aquele lado dos bandidos assassinos do grupo que incendiou o ônibus. Esse lado por impor-se existente lembra a também existência do “lado errado da vida errada”, que seria o dos mal aventurados emoldures de quase duas dezenas de vítimas entre mortos e feridos. Aventa a colunista, a partir do nascimento do formato binário da vida errada o também formato binário da vida certa: o lado “certo da vida certa” é aquele da Boa Vontade, da Solidariedade e do encontro com o bom uso da vida e o “lado errado da vida certa” seria aquele da PM Banda Podre, do Parlamentar do Mensalão.
Vida Certa???Vida Errada???(MARINA COLASSANTI/ MARINA COLASSANTI/JB 11/12/05).

· Oscar Niemeyer fala de Fidel, Lula e Chávez além de citar Sartre, Camus, Dostoievski, Proust como pensamento a ser buscado e somado ao pensar dos dias de fogo “deste lado escuro do mundo onde deus não está presente ”, as revoluções deve acontecer na educação, na saúde, pela erradicação da pobreza e das grandes diferenças sociais e a necessária inclusão social: Fidel é uma grande figura com a coragem de tentar melhorar as coisas...Lula é o que quer melhorar o capitalismo, o que segundo o próprio é impossível...Cháves bate forte em defesa da América Latina, o inimigo é Bush, não é uma revolução eclipsar que se faz necessária, mas uma posição marcante. “Sei que nada é importante. Tudo desaparece. Por isso temos que viver bem cada momento. O inesperado é que conduz o mundo” (CADERNO B/JB 11/12/05).

· O Flagelo da Droga: “Trabalho em bocas-de-fumo seduz crianças e adolescentes em áreas carentes”. César Queiroz Benjamim, aos quinze anos, foi seduzido pela luta armada contra a ditadura e todos os seus malefícios a sociedade brasileira. Os jovens das “comunidades carentes” um nome politicamente correto e ainda não tão estigmatizado como “favela”, são seduzidos pelo poder, dinheiro e o instável emprego nas bocas, uma resistência que é o revés do que precisam a América Latina, o Brasil e os homens em luta pelas liberdades democráticas, igualdade social e fraternidade entre os povos. Sem mais palavras sobre este impotente  esperma que escorre sobre as pernas da violência e da ausência do poder público, veja mais em  “ Nosso Bem e Mal de Cada Dia”  em www.recantodasletras.com.br/autores/sylvioneto
(1º PÁGINA/JB 11/12/05)
· O D´Artagnan do Caribe, Che Guevara, é  poesia na certa, a qualquer hora nascerá, fora dos jardins da idéia, molhando, sujando, colorindo e perfumando alguma distraída folha de papel. Poesia com a força da vida, poesia com a força da luta histórica pela igualdade social, poesia contra a força imperial daqueles que roubaram até e inclusive o nome de nosso continente, poesia contra o país sem nome...poesia contra o maledeto dos Walker do Texas.(2º CADERNO/JB 11/12/05)

· As novas regras que com apoio no Ato Patriótico, de Bush Pós 11 de Setembro de 2001, que negam visto para críticos de Washington tem levado de volta à casa muitos intelectuais residentes naquele país, muitos deles professores convidados das mais diversas e renomadas universidades americanas. (Em alguma parte do JB de domingo 11/12/05)

Enquanto minha impotência em escrever se dissipa em letras e palavras na folha branca de papel que se borrava molhado nas poças de cerveja que customisavam a mesa de madeira, meu irmão e Maurinho seu caseiro (na verdade Maurinho é um místico misto de caseiro, pedreiro, cozinheiro, babá dos animais e das minhas sobrinhas e Mike (Crocodillo) Dundee), limpam e temperam um jacaré, pára a ceia de natal.
Minha impotência arrefece ao escrever mais este com a ajuda agressiva das manchetes e editoriais jornalísticos, mas ainda existe e resiste na percepção e na perguntas que surgem em leque: Escrever para que?Escrever para quem?O texto parido com dor e aclamado pelo ego do poeta causará modificações neste Reino de Fogo de merda que rascunha aqui?
Deveria ter me entretido em cuidar dos jilós, tomates e abóboras do sítio...Das galinhas, dos patos e marrecos...Dos cachorros...Dos peixes do lago.Talvez se tivesse me concentrado junto a Maurinho e a meu irmão em evitar que caçadores, os autóctones e os que vêm de fora, passassem a cuidar de suas vidas e deixassem que o equilíbrio ecológico regido pela natureza local cuidasse de dar vida ou morte aos animais dali...Entremeando sangrentos e Tarantínicos goles de cerveja e conhaque.

“Obedecer sem Questionar. Lealdade até Chegar ao Subverso”
COMANDANTE WACCO/A BATALHA DE RIDDICK
 

Sylvio Neto
Enviado por Sylvio Neto em 12/12/2005
Código do texto: T85018
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Sylvio Neto
Belford Roxo - Rio de Janeiro - Brasil, 53 anos
73 textos (11986 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 04:21)
Sylvio Neto