Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Quem que nunca fez xixi nas calças?

Vão falar por aí que eu comecei a apelar, mas nós, principalmente as mulheres, passamos literalmente por aperto quando dá vontade de ir ao banheiro é ou não é?

E vamos falar a verdade, morrer sem fazer um xixizinho na calça ninguém morre, nem que seja quando fomos crianças.

Quantas pessoas já sonharam que estavam no banheiro e quando  acordaram já ra, estava tudo feito na cama, ou no  máximo correndo pro banheiro.

E quando estamos na rua e dá vontade de fazer xixi? E não achamos lugar? Ficamos trançando as pernas.

Aí finalmente encontramos um banheirinho ai tem fila, você lagrima, olha com apelo para cada rosto a sua frente, segura as calças puxando ela pra cima, anda de um lado para o outro, cruza as pernas, se abaixa. Quando chega a sua vez você mal consegue desabotoar a calça e quando o dito cujo sai olhamos a roupa íntima já com uns pinguinhos. Ecaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!

Eu já passei por três situações vexatórias. A primeira eu fazia cursinho estava apertada pra ir ao banheiro, entrei no primeiro shopping e como na situação acima  tinha fila, quando fui desabotoar a calça era tarde demais, foi na roupa.

Com cara de quem está numa enrascada. Abri a porta um pouco encontrei uma moça, fiz psiu pra ela, ela estranhou mas chegou perto, perguntei se ela podia fazer uma favor pra mim. Retirei cinqüenta reais da bolsa e a pedi para comprar uma saia, um jeans o que fosse um vestido pois eu tinha feito xixi nas calças e precisava sair dali, a mulher olhou-me com os olhos arregalados, pegou o dinheiro e foi, arrisquei dela não voltar mais, mas em quinze minutos ela veio com um vestido e sacos plásticos pra mim.

A outra vez estava apertada para ir ao banheiro, o ponto de ônibus ficava longe de minha casa, desci do ônibus e corri o máximo que conseguia, pessoas olhavam aquilo e se assustavam, um amigo tentou me parar, mas eu gritava “agora não posso, depois eu volto”. Era um vexame, mas eu estava  em desespero já desde dentro do ônibus, chegando do colégio. Quando entrei na vila onde eu morava não agüentei, por onde eu corria ia pingando e os vizinhos saindo para saber o que acontecia. Para completar ainda escorreguei na porta de casa que tinha um piso encerado. Corri para cair no chão apenas.

Mas os vexames não pararam por aí. Estava eu há uns três anos atrás saindo do trabalho e indo para a faculdade, estava com uma saia comprida com dois rachados do lado. Eu apertada entrei no banheiro do shopping voando. Aha! Era saia eu não ia fazer na calça e passar feio, calcinha era mais fácil eu disfarçar. Mas quando fui levantar a saia, na pressa, levantei um lado só e simplesmente abri um rachado de um dos lados. Estava a saia aberta da cintura aos pés.

Sorte que eu usava bolsa pasta,  segurei a saia com a bolsa disfarçando, sai, passei numa farmácia, sentei numa lanchonete lá no canto e colei a saia com esparadrapo que comprei na farmácia ( foi esparadrapo porque encontrei uma farmácia primeiro que uma papelaria. Depois com a saia com esparadrapo pude ir numa loja comprar uma calça com mais calma.

E você não vai contar nem o seu sonho, que quando você se deu conta que estava dormindo saiu correndo para o banheiro?
Lilian Gonçalves
Enviado por Lilian Gonçalves em 14/02/2008
Reeditado em 15/02/2008
Código do texto: T860094

Copyright © 2008. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Lilian Gonçalves
Juiz de Fora - Minas Gerais - Brasil
115 textos (74426 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/11/14 17:04)
Lilian Gonçalves



Rádio Poética