Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sapo Bajulador

       Oi.  Eu sou o sapo bajulador.  Fico sempre em cima do muro.  Concordo não só com você mas com todo mundo que der uma opinião a respeito de qualquer assunto.
Jamais entro numa briga, a não ser que você me force a apoiá-lo num ponto de vista que seja diferente - não do meu -, mas de alguém que por ventura esteja discutindo com você.  Sabe como é, eu teria de concordar também com o seu adversário.  Já que não posso estar do seu lado do muro e do dele ao mesmo tempo, prefiro ficar aqui, em cima do muro.
As pessoas costumam me confundir com o Verme Parasita, mas eu sou bem diferente dele!  Eu não dependo de ninguém, posso me sustentar comendo minhas moscas aqui de cima.  Além do mais, se você morrer o verme parasita dentro de você morre também.  Já quanto a mim, se você morrer pouco me importa.
Sabe, eu apenas procuro fazer com que as coisas se tornem mais fáceis para mim.  Sabe do que eu estou falando, uma peixada no emprego, umas férias gratuitas na sua casa de campo, coisas assim.
Às vezes fico imaginando quantas palavras temos de gastar para explicar um não, quando seria bem mais simples dizer um sim e esquecer a coisa.
Dá trabalho ter uma opinião formada sobre algo, acho que do meu modo a coisa se torna mais maleável, aparecem menos conflitos, se é que me entende.  No mundo sempre haverá gente com idéias contrárias às suas.  Você pode estender o seu campo de ação até onde existam pessoas iguais a você mas basta avançar o muro e pimba!  Conflitos!  Briga!  Dor de cabeça!
Do meu jeito, eu posso pular para lá e voltar, minhas idéias são aceitas em ambos os lados.  Estou certo?  Se você acha que não, tem toda razão!  Acho que todos deveriam pensar igual a você, que está deste lado do muro.  Pensar o que?  Ah, sei lá, não importa desde que os caras pensem, e você esteja certo!
Isso resolveria meu problema e eu não teria de ficar aqui em cima deste muro, observando o que cada um de vocês pensa, para que eu possa pensar igual.
Ah se todos fossem iguais a mim...
André da Costa
Enviado por André da Costa em 21/12/2005
Código do texto: T89167
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
André da Costa
Viradouro - São Paulo - Brasil
38 textos (4517 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 15:11)
André da Costa