Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Vermelho na cabeça

Apesar das constantes broncas da esposa, aquele aposentado está sempre “inventando coisas”. E foi exatamente uma invenção que provocou aquela confusão toda. A tarde estava calma e bonita, quando ele resolveu pintar a parte de fora do apartamento, no primeiro andar. A parede vermelha estava com a pintura descascada e precisava de uma melhorada. Preparou tudo, tinta, rolo e outros apetrechos necessários. O primeiro problema surgiu quando encostou a escada na parede. Ela era muito curta e seus braços não conseguiam alcançar o ponto que precisava ser pintado. Isso, porém, não era problema para um “grande inventor”...
Alguns tijolos velhos que estavam há muito tempo encostados num canto foram empilhados cuidadosamente nas proximidades da parede. Logo depois, com o mesmo cuidado, colocou a escada sobre o monte de tijolos. Precisou carregar mais alguns para construir degraus para poder subir até a escada. Com dificuldade, levou a tinta, o rolo e os outros apetrechos até o topo da escada. Finalmente estava pronto para começar a pintar. Pela janela do apartamento ainda viu a silhueta da esposa, passando para lá e para cá, como se estivesse tirando o pó dos móveis. Era melhor que ela nem notasse que ele estava pintando a parede, pois já começaria com os seus sermões: “Cuidado, vais cair, isso é perigoso”. A mulher achava que ele, por estar aposentado, deveria ficar o dia inteiro sentando no sofá vendo TV. Que besteira. Estava aposentado, mas não estava morto. Não iria gastar o seu dinheiro pagando alguém cada vez que tivesse que pregar um prego. Sabia fazer de tudo um pouco. E pintar uma parede, por exemplo, era uma das coisas mais fáceis do mundo... Pensava tudo isso enquanto molhava o rolo na tinta e se preparava para tingir de vermelho a velha parede.
Foi exatamente neste momento que a pilha de tijolos utilizada como base para a escada começou a ceder. A escada balançou. Ele tentou se agarrar na janela, mas não conseguiu. O rolo foi o primeiro a cair. Quando a escada desabou, ele se segurou na única coisa sólida que suas mãos alcançaram: a lata de tinta vermelha. A queda foi amenizada por algumas plantas que se engancharam na escada perto da parede. Mas ele terminou se esborrachando sobre o gramado. A lata de tinta veio logo depois, derramando seu líquido vermelho e pegajoso sobre a sua cabeça e parte do corpo. Ficou estatelado no meio de uma poça vermelha. O barulho alertou a vizinhança. Muitas janelas se abriram e muitos gritos foram dados ao mesmo tempo. Um deles, o mais forte de todos, foi o da sua mulher, que desmaiou ao ver o marido caído e totalmente manchado de vermelho. Lá de cima, do primeiro andar, a tinta parecia ser sangue, muito sangue. Aquela visão foi aterradora demais para a pobre esposa do “inventor”...
Enquanto alguns vizinhos socorriam o desastrado e avermelhado pintor, outros entraram no seu apartamento e reanimaram e desmaiada esposa. A confusão durou mais de uma hora, mas teve um final feliz: a esposa só necessitou de uns dois copos de água com açúcar para entender que não havia virado viúva e voltar ao normal. E o aposentado sofreu apenas alguns pequenos arranhões. Mas precisou suportar alguns olhares e risinhos debochados dos vizinhos, que quase não conseguiram conter as gargalhadas enquanto deixavam o apartamento. O pior veio depois que a porta da rua foi fechada: as broncas da esposa por mais esta sua “perigosa invenção” e pela enorme mancha vermelha que ficou no sofá novinho, onde os vizinhos fizeram ele deitar depois de ter sido socorrido. Isso sem contar as quase três horas de banho, com o uso de querosene, esfregões e outros produtos, para tentar tirar aquela maldita tinta vermelha dos cabelos brancos, do rosto e do resto do corpo. Ele, um torcedor do Grêmio, pintado de vermelho...
Milton Souza
Enviado por Milton Souza em 02/01/2006
Código do texto: T93440
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Milton Souza
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 71 anos
67 textos (5902 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 22:21)
Milton Souza