Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
        Uma crônica para Maristela


     1. Naquele sábado de inverno feroz, conheci Maristela, uma bela puta. Caminhava eu com alguns amigos de farra pela "zona". Desabava sobre Salvador um violento pé-d´água. Relâmpagos e trovões escandalosos metiam medo até no mais audacioso boêmio. 
     2. Fazia frio no cabaré da Crêuza. Nele encontrei Maristela. Estava gelado o  seu modesto quarto, onde, felizes, ela e eu,terminamos a farra, iniciada à boquinha da noite.
     3. Sergipana de sotaque apurado, Maristela era assim quando a descobri, naquele sábado de inverno brabo: estatura mediana; corpinho frágil; pernas torneadas; coxas sem celulite; barriguinha sem estrias; seios fartos e atraentes; nádegas suplicantes. Olhos  graúdos, castanhos, lânguidos e ligeiros. Tinha um rostinho de mulher sofrida, apesar de sua pouca idade: 21 anos.
     4. Dançava com perfeição e inesgotável dengo. Nos fins de noite, quando o crooner Silvinho cantava o último bolero, ela, exausta, reclinando a cabecinha perfumada no meu ombro, desabafava: -  "Oh! Que pena! Quando estou dançando, esqueço o meu passado..." Mas, do seu passado, a rigor, ela nunca me falou. Guardava-o com a irremovível convicção de que ele só a ela interessava.
     5. No salão colorido do acanhado cabaré da experiente cafetina Crêuza, escondido em uma rua estreita do Centro Histórico de Salvador, Maristela jurava que gostava de deus e o mundo.  Sabia-se que estava no script que recebera da dona do bordeu. Mas, baixinho,  ela me dizia: "Não. Não gosto mais de ninguém." 

     6. Eu a compreendia. As as meretrizes, com o correr do tempo, tornam-se  mulheres incrédulas;  céticas;  revoltadas.  Maristela não era diferente de suas companheiras de prostíbulo; por mais que eu desejasse...
     7. Ora desiludida, ora magoada, ainda assim ela cumpria, com dignidade e exemplar assiduidade, as "obrigações" que lhe eram impostas pela severa dona do Randevu que a acolhera.
     8. Acabo de saber que Maristela morreu...
A notícia somente me chegou depois que suas colegas a haviam enterrado; e como indigente. 
 O caixão, soube, lhe fora doado pela funerária de um galego. Ele a conhecera no tempo em que ela era aplaudida (por todos nós) como a "rainha dos puteiros".
     9.
 "Morta, Maristela ainda esboçava aquele seu sorriso zombeteiro",  revelou-me, pelo telefone, um amigo que a levou ao cemitério. 
Oh! Sorriso que eu conhecera demais nas minhas madrugadas de gloriosas patuscadas - já tão distantes! -, com ela nos meus braços... Com o passar dos anos, a perdera de vista.
     10. Me doeu muito não ter ido nem ao velório nem ao sepultamento da amiga Maristela. Poderia tê-la homenageado recitando, no seu ouvido, estes versos de Cora Coralina: 
"Mulher da Vida,
 Minha irmã.
 De todos os tempos.
 De todos os povos.
 De todas as latitudes.
      Ela vem do fundo imemorial das idades.
      E carrega a carga pesada
      Dos mais torpes sinônimos,
Apelidos e apodos:
 Mulher da zona,
 Mulher da rua,
 Mulher perdida,
 Mulher à-toa,
 Mulher da Vida
 Minha irmã
         Pisadas,espezinhadas,ameaçadas,
         Desprotegidas e exploradas.
         Ignoradas da Lei, da Justiça e do Direito."


     11. Daqui a pouco, vou colocar esta crônica por entre os cravos - já ressequidos? - que ainda enfeitam o seu túmulo, uma cova rasa em um cantinho perdido do Cemitério da Quinta dos Lázaros, onde, em Salvador, são enterrados os excluídos. E logo esquecidos...


 
Felipe Jucá
Enviado por Felipe Jucá em 11/01/2006
Reeditado em 21/09/2017
Código do texto: T97536
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Felipe Jucá
Salvador - Bahia - Brasil
667 textos (181191 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/11/17 18:29)
Felipe Jucá

Site do Escritor