Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Desejo

É verão. Um calor como não se sentía há muito.
Vera conta os  minutos para o fim do expediente. O ar condicionado estragou no verão passado, e, por contenção de despesas, está ali, parado, ocioso. Ela já nem suporta mais olhar para ele, preguiçoso!

O ventilador de São Pedro deve ter estragado também, as árvores estão paradinhas, olhando para o céu à espera de alguma núvem salvadora. O céu... Azul... Lindo... Emoldurando o sol, que está lá em cima, imponente, dominando a estação que, afinal de contas, é dele. As cigarras cantam...Ah, como cantam, felizes...Afinal, é verão.

É verão! E Vera está lá, sentada em sua mesa diante do computador, enquanto o dia quente e maravilhoso lá fora corre sem que ela possa aproveitá-lo como deveria. Ela se distrai imaginado como estaria se estivesse agora junto de sua cadeirinha de praia, seu guarda sol, diante do mar, sentindo a brisa que sempre o acompanha, como uma namorada dedicada... Perdida em seus pensamentos ela recorda do último fim de semana que esteve na praia, com a família.

.........................................

Estavam todos lá, seus pais e irmãos, com seus devidos pares e filhos, aguardando a chegada do próximo ano para, mais uma vez, apreciar os fogos, festejar, beber champange, comer lentilha,  abraçar e desejar uns aos outros feliz ano novo, saúde, prosperidade.

Como isso tudo já era previsível, Vera, a única irmã solteira, entre os cinco filhos de Seu Manoel, deu um beijo em cada um deles e avisou a mãe que iria ver os fogos à beira do mar.

-Ah... Vera... Mas assim você não vai comer lentilha à meia noite?

-Não tem problema, mãe, comerei quando voltar, ok? Não se preocupe...

E então ela foi, sozinha, caminhando, sentindo o vento gostoso que passeava pelos seus cabelos, ouvindo o barulho dos fogos que se antecipavam e a alegria das pessoas nas casas em que passava.

Atravessou a Avenida Beira Mar, tirou as sandálias e entrou na areia, gelada, gostosa... Parou, olhou adiante, muitas pessoas, todas vestidas de branco, sorridentes, com suas flores, oferendas, aguardando o momento da explosão dos fogos.

Vera aproximou-se da água, que, quentinha, estava convidativa. A onda vinha, banhava seus pés, voltava e ela sentia os pés afundarem até a chegada da próxima onda. Assim Vera permaneceu alguns minutos até que ouviu a contagem regressiva. Chegou mais perto da multidão.

...Cinco, quatro, três, dois, um....

E alguém agarrou-a pela cintura e tascou-lhe um beijo na boca, a mão segurava-a com força, e a língua tinha sabor de hortelã. Ela não conseguia ver na escuridão, quem era o autor desta invasão, mas o beijo era tão bom, que deixou-se levar pelo momento e aproveitou até não poder mais respirar. Nesse instante ele a soltou. Os fogos ainda explodiam, iluminado os rostos deles.

Olharam-se com desejo e desejaram feliz ano novo um ao outro.

Moreno, alto, forte... Ela nunca o tinha visto na vida! Não  se conteve, e desta vez ela o agarrou e o beijo foi ainda melhor!

Ele a pegou pela mão e a conduziu até uma duna mais afastada.
Mais um beijo avassalador, com carícias irresistíveis.

 Vera se entregou ao belo desconhecido, como jamais fez.

Amaram-se por toda a madrugada, sem trocarem palavras, sem apresentações, sem convenções.

Ele deveria chamar-se Desejo, ela nunca conhecera homem igual.

Quando o dia começou a clarear, Vera vestiu-se para ir embora, a mãe devia estar preocupada. Despediram-se com um longo beijo e ele disse se chamar Mauro, e entregou-lhe um cartão com seu telefone e e-mail.

..............................................

De volta ao escritório Vera desperta de seus pensamentos. Pega na bolsa o cartão de Mauro. Não vai ligar. Rasgou, jogou fora. Foi uma noite inesquecível, mas ela quer que ele continue a ser o moreno misterioso chamado Desejo.
Amanhã é sexta-feira, e ela retornará à praia, e mesmo não tendo fogos, irá banhar os pés no mar à meia noite.
 
Catia Schneider
Enviado por Catia Schneider em 12/01/2006
Código do texto: T97929
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Catia Schneider
Joinville - Santa Catarina - Brasil, 38 anos
147 textos (33308 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 04:54)
Catia Schneider