Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DISCURSOS DE FORMATURA



DISCURSO DOS FORMANDOS DE FILOSOFIA
(Bacharelado) - UFRN/RN - 2004.2


Por: Rosa Ramos Regis da Silva
Natal/RN – fevereiro de 2005

 
           Normalmente, os discursos dos oradores de turma nas solenidades de formatura, começam dizendo que se trata de uma noite especial. Que a colação de grau é a realização de um sonho, o coroamento de uma luta de vários anos e que representa a vitória, não só daqueles que estão se graduando, mas de toda uma estrutura social formada por familiares, amigos, companheiros, professores, colegas, etc, etc. E isso é a mais pura verdade.

         Esta nossa noite também não é diferente. Nós que aqui estamos para receber o diploma de licenciado ou de bacharelado em Filosofia, também nos sentimos vitoriosos e desejosos de agradecer a todos que nos ajudaram, de uma forma ou de outra, a chegarmos até aqui. Esta nossa noite é, portanto, uma noite de agradecimentos, de alegria e de comemorações. Em nome da turma queremos agradecer a todos que conosco participaram dessa luta, e compartilhar com eles as alegrias dessa vitória.

     Entretanto, fugindo um pouco ao rotineiro e procurando fazer com que ninguém acabe vencido pelo sono, tentarei ser diferente. Nesses poucos minutos que nos são destinados a dizer algumas palavras àqueles que nos deram o prazer da presença, procurarei, da melhor forma possível, agradecer a todos que nos ajudaram lançando, em seguida, uma questão bem atual. O que será feito de forma não usual.

AGRADECIMENTOS

A Turma CLÁUDIO FERREIRA
COSTA vem agradecer
A todos que estão presentes
E a todos aqueles que,
Mesmo só por pensamento,
Nos deram força e alento
Para as barreiras vencer.

Aos nossos pais, aos amigos;
Aos esposos e aos irmãos;
Às esposas e aos filhos
Que, com certeza, estão
Conosco, aqui presentes,
Com um sorriso cheio de dentes,
Nesta bela concentração.

Aos professores que foram
Por nós homenageados
E também aos esquecidos
De, na placa, serem lembrados.
Aos que pertencem a outras áreas
E àqueles contratados
Para substituírem
Os que estão afastados.

Aos nossos queridos Mestres
Do “Saber pelo Saber”
Que dão verdadeiras aulas
Mostrando, nisso, prazer
E tentando nos impingir
A vontade de evoluir
E o desejo de conhecer.



AO PARANINFO DA TURMA:
PROFESSOR DOUTOR MARKUS FIGUEIRA DA SILVA


Ao paraninfo da turma
Nosso grande Professor:
O Doutor Markus Figueira,
Que tão bem nos demonstrou
Um vasto conhecimento
Além do grande talento
Para a música. Ele é cantor.

Markus nos fez conhecer
De uma forma especial
Pois nunca impôs seu saber
Como um produto final,
Nos levando a desejar
Ao Saber em si, acessar.
O que é nosso ideal.

E grande conhecedor
Da Antiga Filosofia,
Ele nos falou do Amor,
Da Verdade, da Sophya,
Do bem, do mal, da tristeza,
Do prazer e da beleza,
Da paz, da dor, da alegria.

Nos indicou o caminho
Do “Saber pelo Saber”,
O qual alguns já percorrem
Tão somente por prazer,
Mas que outros, certamente,
Sem ter quem os oriente,
Não terão esse prazer.

E representando a turma,
E roxa de encabulação,
Agradeço ao Professor Markus,
Que não nos deixou na mão
Ao convite aceitar
Para nos paraninfar.
- Obrigada, fessôzão!



AO PROFESSOR:
JOSÉ RAMOS COELHO

Ao querido Professor Ramos
Que, ao som do violão,
No finalzinho da aula
Faz que o nosso coração
Fique calmo, aliviado,
Batendo bem compassado:
Em paz, com moderação.

E faz que o nosso pensar
Voe livre, sem tristeza,
Pois no seu desenrolar,
Sua aula, com certeza,
Faz que o aluno relaxe,
E, relaxando, se ache
Um só com a Natureza.



AO PROFESSOR DOUTOR:
JUAN ADOLFO BANACCINI


Ao Dr. Juan Bonaccini
Agradeço o mastigar,
Por vezes, o mesmo ponto
Para, como eu, quem está
Apenas engatinhando,
À mente “lerda” instigando
Ao exercício do pensar.



À PROFESSORA DOUTORA:
MARIA DA PAZ NUNES MEDEIROS


À Professora Dapaz,
De quem todos os formandos
Falam com muito carinho,
Às vezes até comentando
Que, como seu nome diz:
Ela “é da paz”! E feliz
De quem for seu orientando.



À PROFESSORA DOUTORA:
MONALISA CARRILHO DE MACEDO

Da Doutora Monalisa,
Tudo que eu puder dizer
Ainda será bem pouco,
No meu modo de entender,
Para mostrar, na verdade,
O seu grau de simplicidade
E também o do seu saber.



AO PROFESSOR DOUTOR:
OSCAR FEDERICO BAUCHWITZ


Ao Doutor Oscar Federico
Que nos levou a pensar,
Juntamente com os místicos,
Que, para ao SER acessar
Teremos que nada ser!
Enfim, teremos que ser
NADA. Nos nadificar.

Que fala da Divinitude
E do Ser Essencial,
Do Dasein...
Da Omnipresença
E do Destino fatal
Que o homem, sem pedir,
Terá. Seja bom ou mau.

Fala do aquietar-se,
Em plena contemplação
Ao Ser Maior, ao Divino,
Sem fazer qualquer ação,
Deixando-se conduzir,
Sem desejar nem pedir
Nada p’ra outrem ou p’ra si.
Livre de qualquer paixão.



AO PROFESSOR:
SÉRGIO EDUARDO LIMA DA SILVA


Ao caro Professor Sérgio
Que a sala movimenta
Com discussões que agradam
E quem vai passando, entra
Para assistir-lhe a arte
Com que instiga ao debate.
É só o que se comenta.

Feitos os agradecimentos,
Que foram de coração
Embora sem muito enfeite,
Passo a falar da questão
Que acima foi ventilada
Porém não foi comentada.
E aqui vai, de sopetão.



HOJE EM DIA
PRECISAMOS, NÓS, DA FILOSOFIA?


É uma questão difícil
Que pode preocupar
Aos nossos queridos mestres.
E, ao menos vamos tentar
Ver se podemos, então,
À alguma conclusão
Nós, pobres mortais, chegar.

À primeira vista, a questão
Não interessa à maioria,
Pois num mundo globalizado
Em que se vive hoje em dia,
Com o “on line” a dominar,
Não há tempo p’ra pensar.
É uma eterna agonia.

As questões que são lançadas
Têm décimos de segundo
Para serem analisadas,
Pois nós vivemos num mundo
Onde quem corre é quem ganha,
Não há tempo p’ra barganha
Nem para um pensar profundo.

E o homem contemporâneo,
Numa vida vertiginosa,
Nos torna massa humana
Nesse correr, desejosa
De mais tempo p’ra viver.
E, onde o tempo p’ro Saber,
Se de mais tempo não goza?

---
E, afinal, como fica
A questão que se inicia:
“O homem contemporâneo
precisa de Filosofia?”

E haverá hoje em dia
lugar p’ra Filosofar?
E em tão grande correria
como parar p’ra pensar?
-
Porém é claro que nós
Com a nossa pretensão
De aprendizes de filósofos
Jamais diríamos não,
E sim um sonoro SIM
A esse tipo de questão.

Mas, para que convençamos
Uma boa maioria
Das pessoas que nos ouvem,
Temos que, com galhardia
Dizer/saber o que, em si,
Oferece a Filosofia.

E dizer qual o papel
Que ela ainda poderia,
Depois de vinte e seis séculos,
Representar hoje em dia
Para o homem-máquina, inumano,
Que tornou-se um ser insano
Em eterna correria.

Essas e outras questões
Terão que ser respondidas.
Mas, quem disse que terão?
Pois as questões respondidas,
Em si, questões já não são.
E o Essencial é simples
Sem qualquer complicação.


 
           Pode parecer que a Filosofia é coisa para poucos, é algo muito sofisticado, ocupação de uma elite ociosa e culta. Porém, ao contrário do que normalmente se pensa, a Filosofia se preocupa em compreender coisas absolutamente essenciais ao ser humano.

Pois, para nós, não seria
Essencial compreender
O que vem a ser a Ética,
A amizade, o prazer?

A verdade, o ódio, o mal
O bem, a felicidade
A justiça, a injustiça
O amor, a liberdade?

O sofrimento, a tristeza
A coragem, a covardia
A vida, a morte, o não-ser
E o Ser, por primazia?

...
Enfim, falemos um pouco
De alguns pensadores que
Nos fornecem alguns exemplos
Do Saber pelo Saber:

“A idade não importa...”
Epicuro já dizia:
“...devemos filosofar
seja noite ou seja dia.”

“Quem que não quer conhecer
da verdade e do saber,
do amor e da amizade,
do prazer e do sofrer?!”

A vida nos lembra a morte;
A alma é imortal;
A Ética é, da Moral, consorte
E o bem contradiz o mal.

“Eu só sei que nada sei”
Foi Sócrates quem assim falou.
Porém não ficou parado,
O saber sempre buscou.

E segundo o nosso Fernando
Pessoa, só temos três
certezas com as quais contamos.
E vai uma de cada vez:

A certeza de que, e é certo,
temos que continuar
E mesmo sem saber onde,
busquemos sempre chegar.

E a certeza de que
seremos interrompidos.
O caminho não acaba
mas o destino é cumprido.

-
Finalmente, me despeço
De todos que aqui estão
Me desculpando e pedindo
Humildemente o perdão
Por torrar-lhes a paciência
Com esta minha enrolação...

... E que Deus abençoe a todos!!
- Desejo de coração.
DISCURSO DE FORMATURA (Filosofia-Bacharelado - UFRN)
 
 

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>


 
Filosofia-Licenciatura Plena - UFRN

DISCURSO DE FORMATURA
DOS ALUNOS DE FILOSOFIA(LICENCIATURA PLENA)DA UFRN/2003.1


Por: Rosa R. Regis - Natal/RN - julho/2003

Boa noite ao Magnífico
Reitor da Universidade
Que graduará duas turmas
Com a sua autoridade.

Boa noite aos Doutores,
Aos professores mestrados,
Aos formandos, meus colegas,
E a todos os convidados.

Boa noite aos companheiros
Que as musas abraçaram:
Nossos colegas de Artes,
Que a vitória alcançaram.

Encarregada que estou
De, a turma, representar,
Minha oratória gorou.
E aqui estou, a versejar.

Tento lembrar alguns pontos
Para mim, interessantes.
E surge-me algo na mente.
De repente. Num rompante.

A aluna que grita:
- Isto, eu não aceito!
Pois vai de encontro
Aos meus preceitos!

E inquire do mestre,
Com o dedo em riste:
- Você está dizendo
que Deus não existe?!
........
São lembranças chinfrins
Que me fazem rir,
Pensando o quanto é ruim
Não saber discernir.

E aí, lembro um professor:
Well!...
Que a nossa língua critica
E na hora de dar aula
Nosso Português imita.

Se vê “verdadeiro dono”
De toda a Sabedoria
E nós, brasileiros, somos
“Entes sem muita valia.”

Mas esqueçamos as picuinhas
Que à nada nos levará.
Não àquele NADA que é TUDO,
Mas ao nada onde nada há.

Busquemos mostrar somente
Nossos agradecimentos
Aos bons mestres e mestras
Que têm bom discernimento.

AGRADECIMENTOS

Agradeço aos Professores
Por nós homenageados.
E também aos esquecidos
De, na Placa, serem lembrados.

Aos que pertencem a outras áreas
E aos que foram contratados
Para substituírem
Aos que estão afastados.
-
E aos nossos queridos Mestres
Do “saber pelo Saber”,
Que dão verdadeiras aulas
Com vontade, com prazer,
Tentando nos impingir
O desejo de conhecer.


. Ao Professor Doutor Markus Figueira

Ao Doutor Markus Figueira,
Que trata da filosofia
Antiga com emoção,
Deliciando aos alunos
E incitando, em resumo,
Todos, a uma discussão.

Discussão no bom sentido:
No sentido de buscar
Extrair cada vez mais
Do mestre, onde vêem contido
Sabedoria sem par
Que ele dispõe-se a passar
Pois, rogado, não se faz.

Markus nos fala do Amor,
Da Beleza, da Paixão,
Da Loucura, dos Prazeres,
Da falta de Perfeição;
Da Ética e da Moral;
Do Bem suplantando o Mal
E da ARETÉ, como tal,
No comando da Boa Ação.


. Ao Professor Doutor Oscar Federico

Ao Doutor Oscar Federico,
Craque em Medieval,
Que fala do Ser, do Não-Ser.
Fala do NADA. E, afinal,
Nadifica a nossa mente.
E o crente, ou fica descrente
Ou crê no Bem e no Mal.

Fala da Divinitude,...
Da Essência,...
Do Ser-aí,...
Do Dasein,...
Da Omnipresença,
Do Destino que, sem clemência,
Nos foi dado, sem pedir.

Fala do deixar-se estar,
Sem nunca desesperar
Com o que ocorrerá
Com o náufrago em alto mar,
Ficando em porto seguro
No Cais, a observar.
Mesmo que seja ele mesmo
Quem esteja a naufragar.

Fala do aquietar-se,
Em plena contemplação
Ao Ser Maior, ao divino,
Sem fazer qualquer ação,
Deixando-se conduzir
Sem desejar nem pedir
Nada para outrem ou pra si.
Livre de qualquer paixão.


. Ao Professor Doutor Juan Bonaccini

Ao Doutor Juan Bonaccini
Que, com Descartes, nos faz ver
Que a Sabedoria em si,
É o perfeito Conhecer.

É ter o conhecimento
De como as coisas fazer
E a tudo estar atento
Para erros não cometer.

E que a Verdade Universal
Ele1 sempre procurou
Em tudo que lhe ensinaram,
Porém jamais encontrou.

E duvidando de tudo,
Chega, enfim, a conclusão:
“Se eu duvido, estou pensando,
e, se penso, eu existo, então.”

E, também, com Aristóteles,
Ele2 nos faz entender
A importância que tem
O “saber pelo Saber,
Tal qual o Professor Markus
Que, no início do Curso,
Já nos fizera isto, ver.


. À Professora Doutora Monalisa

De Monalisa, aprendi
Que a verdadeira ascensão,
(de acordo com Agrippa)
Ao ser Maior, ao Arquétipo,
Ao Deus da Criação,
Vai desde as pedras aos anjos,
Do bruto à divinização.


. À Professora Doutora Ângela

Com a Professora Ângela,
Além dos cálculos, aprendi
Que ser manso de coração
Torna o ser humano feliz,
Pois tudo o que ele recebe
De Deus, é mais do que quis.


. Ao Professor Ramos

O Professor José Ramos,
Com o seu violão preciso,
Canta a Tragédia de Édipo
E a Loucura de Narciso.

. Ao Professor Doutor Cláudio

O Professor Doutor Cláudio,
Na sua simplicidade,
Mostra-nos que Saber Ser
É viver sem vaidade.


. À Professora Fernanda Bulhões

A Professora Fernanda
Bulhões, que nos ensinou,
Lá no início do Curso,
Algo que em nós ficou:
Como dissecar um texto
Em todo o seu teor.

E nos apresentando Nietzsche,
Enfim, me fez entender
A importância que tenho
Como um pequenino ser
Dentro do Universo Infinito:

Valho tanto quanto um mosquito
E tenho o mesmo saber.

...

E ainda mais poderia
Falar de todos os outros
Que aqui não deu pra citar,
E que muito bem caberia...

Porém o tempo é curto.
Apenas cinco minutos,
Certamente, não daria.

..........

Agradeço a presença
De todos que aqui estão.
E peço, tenham clemência,
E me dêem seu perdão
Por torrar-lhes a paciência
Com esta minha enrolação....

... e que Deus abençoe a todos!!
Desejo de coração.
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

 
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 13/05/2006
Reeditado em 25/03/2015
Código do texto: T155169
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença. Você não pode fazer uso comercial desta obra.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Rosa Regis
Natal - Rio Grande do Norte - Brasil, 67 anos
383 textos (153698 leituras)
1 e-livros (7 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 00:28)
Rosa Regis

Site do Escritor