Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Discurso Colação de Grau - Pedagogia

Boa Noite!

Magnífico Reitor da Universidade Federal de Ouro Preto, Dr. João Luiz Martins; digníssimo Prefeito municipal, Sr. Ari Batista Pereira, nosso estimado Patrono, Ilustríssima professora Tânia Garbini, nossa querida  Paraninfa; ilustríssima Antônia Duarte Caixeta Neta, coordenadora do PLAEDE de Lagamar; queridos homenageados, Professora Drª Gláucia Maria dos Santos Jorge; os tutores Delmiro dos Santos Neto, Luiz Cláudio e José Carlos Caixeta; caríssima professora e tutora Marta Maria Caixeta Mateus, na pessoa da qual cumprimento todos os professores e tutores; demais autoridades eclesiásticas, civis e militares presentes, queridos pais, familiares e amigos; caríssimos colegas...

“O valor das coisas não está no tempo que elas duram,  mas na intensidade com que acontecem. Por isso existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis.” (Fernando Pessoa).

Este é um momento inesquecível e vocês são pessoas incomparáveis.
            Sinto-me penhoradamente honrada, pela delegação de meus colegas para tão importante missão de registrar esse expressivo momento de nossas vidas nestas palavras.
            Antecipamos nosso reconhecimento ao majestoso Deus que tudo providenciou para que pudéssemos estar vivenciando gratuitamente esta grande oportunidade. Reconhecemos ainda a enorme dívida constituída com nossos pais, maridos, esposas, filhos e familiares, que durante essa jornada tanto nos incentivaram, tornando-se o suporte de nosso ideal, ora suprindo nossas faltas, ora cobrindo nossos compromissos sociais e domésticos. A vocês nosso carinho, respeito e penhor de gratidão.  Igualmente aos nossos queridos mestres, tutores presenciais e à distância, coordenadores e demais funcionários da UFOP que foram nossos incentivadores, como uma grande torcida, nos motivando e conduzindo todos os dias, até esse momento da outorga dos certificados, a dedicação e o carinho de vocês serão para sempre lembrados.
            Nobres colegas,
            Na era da globalização e da computação, nos perguntamos: Por que estudar se encontramos tudo pronto na internet? Podemos refletir lembrando uma frase de BILL GATES: “Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever - inclusive a sua própria história”.
            E por que estudar pedagogia? Perguntamo-nos hoje ao concluir o curso.
            Pelo simples fato que, por mais que o mundo se evolua, que os meios de comunicação e as mídias se projetem sobre as civilizações, nossos filhos e netos ainda irão precisar de professores. Por mais credibilidade que as outras profissões tenham adquirido ao longo dos anos, temos a certeza de que todas elas passam pelas mãos dos professores. Estar formando em pedagogia é para cada um de nós, um grande privilégio, seremos professores por designação legal, mas também seremos educadores por vocação e opção pessoal.
             Não podemos deixar de lembrar aqui os primeiros passos desta maratona. Logo no primeiro período tivemos uma disciplina “Introdução ao Ensino à Distância”, que nos pareceu um tanto estranha, os primeiros textos: Estratégia de leitura e outros nos remetiam a “aprender a aprender e a aprender a ler”. Muitos alunos se perguntavam: estamos voltando aos passos da alfabetização? Porém, com os exercícios de leitura, íamos compreendendo que não sabíamos mesmo ler, ou que, pelo menos não o fazíamos da forma correta.
            Vieram outros textos e descobrimos com Paulo Freire, que “antes de aprender a ler a palavra se aprende a ler o mundo”, conhecemos a revolução da alfabetização com construtivismo de Emilia Ferreiro, a reinvenção da alfabetização de Magda Soares, as teorias de Piaget, o interacionismo de Vygotsky, Wallon, Rouseau, Marx, e tantos, tantos outros...
            Novos períodos, outras disciplinas e com elas, novos trabalhos... e esses irão deixar saudades, muitas saudades. As equipes com quem trabalhamos... os prazos curtíssimos entre uma e outra atividade... os seminários... a correria dos estágios... e finalmente, o pesadelo do TCC. Quanto sufoco... Mas, de repente descobrimos que quatro anos passaram tão rápidos e já estamos todos com caras de saudade.
            Por fim, nosso tão sonhado dia, a formatura.
            Recebendo os certificados! Somos a partir de hoje professores, mas convenhamos lembrar mais uma vez, Paulo Freire "Sem a curiosidade que me move, que me inquieta, que me insere na busca, não aprendo nem ensino".  Ensinar se torna ainda mais nobre quando reconhecemos sermos também aprendizes, pois “não há saber mais, nem saber menos, há saberes diferentes” e precisamos nos incluir entre aqueles que buscam aprender sempre.
            A universidade nos formou professores, a prática, a dedicação e o nosso compromisso com a educação, farão de nós mestres. E que sejamos bons mestres.
            Caríssimos colegas!
            Que no exercício de nossa prática, nunca nos deixemos aliar ao conformismo. Busquemos articular o novo, fazer diferente, para que nossas atuações sejam dignas de serem lembradas. Possamos cada um de nós, fazer um propósito de educar nossas crianças, mais que pela alfabetização, mais que pelas notas ou certificados, mas que propiciemos a elas descobrirem o fascinante mundo da leitura, do teatro, da música e da arte, no grande palco de espetáculo, a escola. Que nossa atuação no exercício da profissão seja transformadora, ousada e tão interessante que nossos alunos sintam saudades da escola nas férias. Que nossa prática seja em prol de uma escola reflexiva e participativa.
            Sejamos valentes, caros colegas e determinados a marchar com aqueles que lutam por uma educação pública de qualidade. Devemos ser agentes dessa transformação, pois agora, como pedagogos, temos novas responsabilidades, novos desafios e também novos sonhos. Devemos sonhar com mudanças urgentes no sistema educacional e nossas ações devem refletir nossas aspirações.
             Caríssimos colegas!
             Não deixemos que o diploma nos faça acomodar e nos sentir saciados com o conteúdo adquirido na universidade. Haveremos de buscar ondas mais altas em mares mais abundantes. Sejamos agradecidos sim, com essa vitória, mas ao mesmo tempo sejamos inquietos e olhemos para frente! Há ainda outros degraus, outros desafios, novos sonhos.
            Uma especialização, um mestrado ou doutorado, e que nossas buscas não sejam apenas pelos títulos, mas pela sede de novos saberes, pelo gosto de estar nos atualizando e nos aperfeiçoando sempre.
            Parabéns a todos nós!

Maria Helena Camilo
Enviado por Maria Helena Camilo em 02/09/2011
Reeditado em 02/09/2011
Código do texto: T3197257

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maria Helena Camilo
Lagamar - Minas Gerais - Brasil, 54 anos
162 textos (28370 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/10/14 03:33)
Maria Helena Camilo



Rádio Poética