Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ESPELHOS

                                                                            JANJÃO
Jovens eram e são nossos ídolos
Gurus líderes e influências
 
Jovens são suas idéias
Pensamentos e concepções
De tão jovens, o que traziam
Causava e causam espanto, admiração e até medo
Cristo Jovem pregou a boa nova que deixou
Irados os Romanos e Fariseus, mas encantou
Os pobres, os marginalizados, os excluídos
O reino dos céus dizia
Aqui começa e os pequeninos são os privilegiados
Do trono e de seus palacetes
O espectro que ronda a humanidade
Raivoso ficou com a descoberta
Do sempre Jovem Marx e seu fiel companheiro Engels
Que apresentaram a novidade para o mundo
E uma solução: "Trabalhadores de todo Mundo Uni-vos"
 
Jovens eram e são nossos ídolos
Gurus líderes e influências
 
A coragem é inerente da juventude
E de quem jovem permanece
Coragem de Joana a D Arc
Que em nome da Liberdade

Rompeu com o meio vivente
E com seu povo lutou
Coragem que não faltou para
Vladimir, o Lenin
Perseguido, caçado e humilhado pelos donos do poder
Não titubeou, ao povo apontou o caminho da Revolução
Revoluções abortadas, mas que lições deixaram
As dos comunas de Paris, a dos Spartacos da Alemanha
As Revoluções, mesmo as perdidas
Criam epopéias, como Rosa de Luxemburgo
A Rosa que com graça ousou sonhar um mundo melhor
Epopéias como Zumbi dos Palmares
Comandante da utopia dos Quilombos
Símbolo de uma sociedade
Onde reine a solidariedade, a liberdade e a escravidão sejam sepultadas
 
Jovens todos eles meus Ídolos,
Gurus, Líderes e influências
 
Como Jovem era o Ideário
De heróis Brasileiros
Como Antônio Conselheiro
Que a Fé como arma
Lutou por terra, água e comida
Para o sertanejo
Heróis como Chiquinha Gonzaga
Nossa poetisa da República e de uma nova estética
Da mulher
De Prestes que desde a juventude
Perseguiu na coluna, na intentona
No congresso nacional, nas prisões
O sonho de um Brasil dos trabalhadores
O mesmo Brasil que inspirou os modernistas
E revolucionários, Oswald e Mário de Andrade
Pagu e Portinari e Tarsila do Amaral
A arte a serviço da mudança e do novo
O novo que as ditaduras não suportaram
E trataram logo de dar um cala boca
 
Jovens todos eles meus Ídolos,
Gurus, Líderes e influências
 
O Cala boca que prendeu
Graciliano e Jorge Amado
Nos tirando e privando
Das delícias de suas Histórias
O cala boca que fechou a UNE
Selou sindicatos, perseguiu, torturou
E matou, Homens e Mulheres do bem
Jovens como Lamarca e Mariguela
Edson Luís e Luís Travassos
Operários como Manoel Filho e Santos Dias
Repórteres de seu tempo como Herzog
 Jovens de talento único e insuperável
Revoluções ocasionaram em nossos ouvidos e olhos
A música de Chico, Caetano, Gil, Vinícius, Tom, Vandré
Fortaleciam nossas esperanças quando ouvidas
Nas vozes de Elis, Gal, Bethania e outros
Como Milton "A voz que canta uma canção, vai a luta"
 
Jovens todos eles meus Ídolos,
Gurus, Líderes e influências
 
O Jovem Che, o Guevara
Que a milhares a atenção chama
Que fascínio este Argentino de nascimento
E cidadão do mundo por opção provoca na juventude
O fascínio do novo, da novidade, que líderes estão
Predestinados a criar
Mas o novo, a novidade não caia do céu
Não nos é dada de bandeja
É preciso compreender o novo
O novo sempre é revolucionário
Exige de nós empenho e até sacrifício
Sacrifício que não faltou nestes 22 anos
De construção da Estrela
Quantas mulheres e homens
Sonharam juntos como diz Raul
De que a realidade é possível mudar
Mas com luta, com participação
Com ternura como afirmava o Che
Ouvindo mais do que falar como
Afirma Rubens Alves
Estudar os clássicos, como
Gorki, Steinbeck, os Diários do Che
Como sugeri Frei Betto
 
 
Jovens eram e são nossos ídolos
Gurus, líderes e influências

Aprender com a experiência
Dos mais velhos, com suas Histórias
E acúmulos
Não se encantar com o prédio da sede
Do cargo a ocupar, da mesa a utilizar
Não se afastar dos pobres e suas vidas
Na prática do cotidiano, tirar lições
Para uma formulação futura
Conhecer os excluídos e o que nos coloca nesta situação
É sair do O que Fazer? Como disse Lênin
Para agora é a hora da organização
Do engajamento, da participação
Do sentido da vida
Pois só há sentido se há partilha
Só há sentido, se houver indignação
Com o sofrimento alheio
Só há sentido, se faço parte
Da mudança, da transformação,
Do novo substituindo o velho
Da vida dando cabo da morte
Preconizada pelo mercado

Jovens eram e são nossos ídolos
Gurus líderes e influências
 
 
dialetico
Enviado por dialetico em 10/10/2007
Código do texto: T688175
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
dialetico
Limeira - São Paulo - Brasil, 55 anos
179 textos (9908 leituras)
8 áudios (326 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/08/17 13:03)
dialetico