Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema para abrir olhos by Paula Cury

Persigo teu rastro
Palpável aos olhos
Nada que me detenha
Não meus pés
Minhas veias
Água negra
Bebo, bebo, feneço
Um trago, maço de ar
Deito língua, faminta
Na tela das palavras
Roço exclamação
Cada virgula tua nas minhas
Interrogações
E na janela do teu poema
Salto, suicídio
Enquanto os sapos
engolem a madrugada

Paula Cury

Visite o site da autora e demonstre o seu carinho: 
http://brindesulfurico.zip.net/index.html


Poema para abrir olhos by Edvaldo Rosa
 

Persigo teus sentires,
que fogem de meu olhar,
com a tua face queres deter o meu prescrutar!
Não vês que quero saber de ti,
coisas que a sua boca teima em emudecer...
Não vês que passo noites e noites em claro,
rolando em minha cama,
sem ao menos de ti saber?
E se achegas ao meu corpo,
rouba-me o calor,
rouba-me a atenção!
Meus gestos são sim todos seus,
os seus será que são todos meus?
Deito minha língua faminta,
sobre ti com sofreguidão,
apenas para colher silêncios...
Agora escrevo-lhe os meus sentires,
antes que saltem pela janela,
meu amor, meu desejo por ti!
Salto, suicidio, renuncia, neste abismo
que cavas com seu silêncio...
E as reticencias em tuas intenções!

20/05/2006

Edvaldo Rosa

www.casadoescritor.com
www.sacpaixao.net 
Edvaldo Rosa
Enviado por Edvaldo Rosa em 01/06/2006
Código do texto: T167402
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Edvaldo Rosa www.sacpaixao.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Edvaldo Rosa
São Paulo - São Paulo - Brasil, 55 anos
1727 textos (173709 leituras)
23 áudios (10645 audições)
35 e-livros (8978 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 12:21)
Edvaldo Rosa

Site do Escritor