Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Deserto 

E esta febre que não passa..
olho lá fora, a noite escureceu a vidraça;
quem me dará o milagroso remédio
que me curará a dor e o tédio ?

Ah essa garganta ainda me mata...
Doem os nós, aqueles que ninguém desata..
E a febre... esta que arde...queima,
me sinto o chão do Saara..

Resta calor e poema
Da garganta os nós empedernidos
Insistem proseando nesse tema
Noite profana na vidraça escurecida

Avilta, traz sede e delírio
E água é poço de miragem... é martírio.
O remédio se perde, escondido
nas encostas...nas costas...no passsado

No grito calado, no futuro ocasional
Ardor que nem aquece, nem repara
E o presente? A febre que não saara?
40 graus de ardência em meu quintal.

Carmem Regina Dias e Sônia Prazeres
Sônia C Prazeres
Enviado por Sônia C Prazeres em 12/10/2006
Reeditado em 10/02/2007
Código do texto: T262771

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Sônia C. Prazeres www.soniaprazeres.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Sônia C Prazeres
Santos - São Paulo - Brasil, 59 anos
178 textos (8564 leituras)
15 áudios (1757 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 18:27)
Sônia C Prazeres