Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Ecos - Carmem Regina e Sônia

Soneto 11

Ó vós, que me entregais pura essência,
cujos olhos não percebem as impurezas
que se dissimulam no abismo profundo
e incandescente das minhas correntezas...!

Lanço-me a vossos pés, rogo, suplico,
imploro, ó! não repousai vosso manso
olhar sobre nódoas e manchas de barro
impregnadas nas vestes de humanidade.

Sou vossa, enquanto houverem palavras
enquanto a poesia se fizer alma exaltada,
e, de mim restar apenas ela,mais nada.

Ó alma da natureza, me dei, sou vossa,
vestida de paixão, em orgulho e vaidade,
dei-me a vós e,agora, morro de saudade...
Carmen Regina Dias

Eco 11

Acalma o coração aflito e não te enganes
O olhar que tudo vê não te condena...ilumina!
Nada é fortuito em teu abismo, ele é finito
E cuido das correntezas; crescimento é tua sina.

Acatada vai tua súplica, mas levanta,
Deixa estes pés e te abriga nos meus braços
Que as manchas de barro foram marcas que entreguei
E as vestes de humanidade, necessidade...primeiros passos..

És minha desde sempre, ainda que não soubesses
E tua poesia levará meu brilho à outras caminhadas.
Tua luta e teu louvor também compõem tua humanidade.

Oh alma de minha alma, não te detenhas por nada;
Deixadas paixões, vaidades pisadas no barro das estradas,
Virás e dirás ainda: dei-me a vós e de nada tenho saudade.
Sônia Prazeres
Sônia C Prazeres
Enviado por Sônia C Prazeres em 18/11/2006
Reeditado em 09/02/2007
Código do texto: T294929

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Sônia C. Prazeres www.soniaprazeres.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Sônia C Prazeres
Santos - São Paulo - Brasil, 59 anos
178 textos (8563 leituras)
15 áudios (1757 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 18:22)
Sônia C Prazeres