Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Felicidade na chuva {vrs 0.1}

E lá estava ela com o guarda-chuva na mão, sentada no ponto de ônibus, ela não sabia se naquele dia iria chover, mas mesmo assimpegou o seu agasalho, e o guarda-chuva, e saiu andando pelo meio da rua.
Quando saiu de casa, viu o velho dono do boteco, sentado na porta, olhando tristemente para o chão, havia uma semana que a mulher havia largado ele, e ele não sabia oq fz sem ela...
Ela sentou no banquinho, e ficou olhando pro céu...
Foi ai que ela ficou olhando pro céu.
Gotas de chuva começaram a cair em seu rosto. E por mais frio que sentisse, ela não queria sair do banco.
Não naquele momento.
E então, abriu o seu guarda-chuva, e rindo das pessoas em desespero, correndo por entre os carros fugindo da chuva, se levantou vagarosamente e começou a andar por entre as ruas, que com o inicio da chuva começavam a ficar vazias...
Ela dançava e sorria, e parecia que nada no mundo poderia interferir na sua felicidade, foi quando um carropreto, de vidros fumês parou do lado dela, o vidro automático abriu e um rosto simpático sorriu pra ela :
-Posso me juntara você ?
Um pouco desconfiada, (talvez) com medo, porém sem querer ser deselegante, disse que sim.
E então o homem estacionou o carro e desceu. Alto, cabelos castanhos, olhos de cor mel, branco, com um sorriso de deixar qualquer garota perdida.
E então se apresentaram...
O nome dele era Thiago, ela se apresentou, falou que se chamava Beatriz.
Olhou pra ele com os olhos entreabertos por causa da chuva forte que caia, ela sorria, e puxou ele pela mão, e assim os dois passaram a dançar como se fossem amantes que corriam atrás de suas felicidades.Ela olhou pra ele e perguntou :
-O que te fez querer dançar comigo ?
Ele olhou ela bem no fundo dos olhos :
-A sua felicidade
E ela não soube como responder, mal sabia ele que ela era uma pessoa doente, que tinha pouco tempo de vida, e que nunca desistira de nada na vida...
Ela continuou dançando...E a chuva aos poucos foi tendo fim. E ela querendo que aquele momento durasse ao menos alguns minutos mais. Enfim, a chuva foi embora.
Thiago agradeceu e disse que a tarde não podia ter sido melhor e pediu-a seu o telefone para um dia, quem sabe tomar um sorvete...O dia acabou, o outro dia chegou e ele não ligou,a cada telefonema uma espectativa nascia em Beatriz, mas os meses passaram, e ele não ligou.
Até que um dia finalmente o telefone tocou :
- Alô, a Beatriz está ?
- A Bia ? { um silêncio pairou } Ela faleceu há alguns meses ... Quem é que está falando ?
[...]
Não havia mais ninguém na linha.


Alguns dias depois, estava chovendo...
Thiago olhou pro céu, lembrou daquele sorriso e daquela felicidade...
Pegou seu guarda-chuva, foi dançar em frente ao ponto de ônibus.
E no momento em que dançava sentiu um aperto no coração.
Um vazio, e se perguntava o por que de tanta demora pra ligar, pra quê tanto trabalho, por que pôs o trabalho em primeiro lugar.
Então ele chorou, sozinhos, ele, o guarda-chuva e o ponto de ônibus, o qual nunca mais seria o mesmo sem a sua Beatriz
Viviane Heleno
Enviado por Viviane Heleno em 13/09/2007
Código do texto: T650516
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Viviane Heleno
Itabuna - Bahia - Brasil
17 textos (5196 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/08/17 05:12)
Viviane Heleno