Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Minha Poesia Sua Fala


         
                             Circular,
                             o rio corre para o mar.
                             Luz! Diante do espelho, cala.
                             E fica sendo sua poesia
                             minha fala.

                             Ah! se todos nós, os perdidos,
                             nos encontrássemos, poderíamos
                             reinventar o mundo.
                             Quem sabe um mundo de poetas
                             errantes, confusos, amantes.
                             Quem sabe um mundo de provocações:
                             Implicantes?!!!
                             Sei lá .... Talvez pudéssemos
                             inventar um mundo sem inventos
                             onde só a poesia pudesse reinar.
                             Mas o tempo está tão seco,
                             e quando chove só cai canivete.
                             Por isso fica sendo minha poesia
                             sua fala.

                             Chovia
                             Cantei
                             Parecia
                             Assobiei

                             Foi um vento
                             Lamento
                             Que a saudade
                             Já sei....

                             Chovia amor feito doce magia
                             Tocou os seus lábios mas não percebeu
                             Por que amor só chovia, chovia, chovia.

                             Mas era eu de verdade
                             Que de tanta saudade
                             Chovia, amor, gotas de poesia.

                             Assim vou pingando pela rua
                             depois volto me catando:
                             Uma é minha, outra é sua.

                             Vou pingando pela rua
                             depois volto perguntando
                             Qual é minha, qual é sua?

                             E se de repente me encontrar
                             abrace-me com ternura
                             ou me perco sem passado nem presente
                             e vou pingando pela rua.




                                              Americo Paz / Simone Aver
Américo Paz
Enviado por Américo Paz em 21/09/2007
Reeditado em 19/01/2012
Código do texto: T661736

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Américo Paz
São José do Rio Preto - São Paulo - Brasil, 55 anos
369 textos (138252 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/08/17 16:51)
Américo Paz