Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Solitários-Augusto dos Anjos & Maria Thereza Neves


Solitário
Augusto dos Anjos

Como um fantasma que se refugia
Na solidão da natureza morta,
Por trás dos ermos túmulos, um dia,
Eu fui refugiar-me à tua porta!

Fazia frio e o frio que fazia
Não era esse que a carne nos conforta
Cortava assim como em carniçaria
O aço das facas incisivas corta!

Mas tu não vieste ver minha Desgraça!
E eu saí, como quem tudo repele,
- Velho caixão a carregar destroços -

Levando apenas na tumbas carcaça
O pergaminho singular da pele
E o chocalho fatídico dos ossos!

&

Solitária
Maria Thereza Neves

Um medo que alucina , dói ,
Refúgio das sombras e fantasias,
De quem sofre e a alma corrói ,
No fechar das portas da poesia.

O inverno, eterno é o inverno,
Fazendo negro, sem luz os dias.
As noites em chamas ,um inferno,
E o poeta sem versos,sem moradia.

Destroços do eu sem vôo,sem asas
Ascos e revoltas tantas, tantas ,
Nas percorridas vidas tontas.

E vou morrendo pouco a pouco,
Levando de mim o nada vezes nada,
Quando tudo ainda se faz  vazio, oco.

26/10/07
****
Maria Thereza Neves
Enviado por Maria Thereza Neves em 26/10/2007
Código do texto: T710767
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maria Thereza Neves
Juiz de Fora - Minas Gerais - Brasil
3363 textos (91807 leituras)
6 e-livros (225 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/10/17 20:19)
Maria Thereza Neves