Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

F -- "O QUATRO É O DEZ DISFARÇADO" (PITÁGORAS)

    Estamos, hoje, dando prosseguimento à nossa série de ensaios sobre assuntos ligados a temas místicos e esotéricos.
    No último ensaio, iniciamos o estudo de um tema a que demos o título de "AS GRANDES LEIS", apresentando a "Lei de Thoht" ou  "Lei da Repetição Analógica".
    Hoje falaríamos sobre a Segunda das "Grandes Leis", intitulada "Lei da Evolução".
    Mas vamos abrir um parêntesis, para tratar de um assunto muito importante e atual, chamado "Prova do Invisível".
    Antes, porém, vamos falar um pouco sobre o número 4, pelo menos para justificar o título do ensaio.
    Pitágoras considerava o número 10 como o mais importante, na numerologia. E ensinava que o 4 tinha, em si, todas as      propriedades do 10. Basta ver que 1 + 2 + 3 + 4 = 10. Pitágoras dava muita importância à década, o conjunto do dez primeiros números, que atualmente chamamos de "dígitos".
    Mais adiante, na nossa série de  ensaios, vamos dedicar mais tempo para falar sobre o 4, o "tetraktys", como o chamava Pitágoras.
    Por enquanto, basta saber que o 4 é simbolizado por um quadrado e representa a matéria. Entre os quatro Elementos, o 4 é o Elemento Terra. O 4 também representa a Harmonia.
    Na Cabala, a quarta sefira é GEVURAH ou o Julgamento; o quarto caminho é dalet e representa "o Portal".
    No Tarot, o quarto Arcano Maior é o IMPERADOR, que significa a Forma, a Autoridade e a Adaptação.
    Demos este título ao ensaio de hoje, porque vamos nos reportar ao primeiro, que se chamou "Segredos e Mistérios do Número 7" e ao quarto, que se chamou "O Número 6,Símbolo do Equilíbrio Universal". 7 + 6 = 13  que, reduzido numerologicamente, dá 4.
    No primeiro ensaio, falamos sobre  "mundo objetivo e mundo subjetivo; divisão setenária do mundo". Nesse ensaio, nós vimos a matéria dividida em sete planos de densidade varianda da mais densa (plano físico) à mais sutil (plano divino).
Vale a pena recordar:

1º -  Plano Divino, dividido em 7 sub-planos de densidades decrescentes.
2º -  Plano Monádico, também dividido em 7 sub-planos.
3º -  Plano Espiritual, idem.
4º -  Plano Intuicional (Búdico), idem.
5º -  Plano Mental, dividido em 3 sub-planos chamados de Mental Superior ou Mental Abstrato e 4 sub-planos chamados de mental inferior ou mental concreto.
6º -  Plano Emocional (Astral), dividido em 7 sub-planos de densidades decrescentes.
7° -  Plano Físico, divido em 4 sub-planos de matéria etérica, denominados Atômico, Subatômico. Superetérico e Etérico e 3 sub-planos de matéria densa, chamados Gasoso, Líquido e Sólido.
    Entretanto, uma outra parte deste assunto não foi abordada porque, para ser entendida eram necessários conhecimentos que só foram transmitidos no último ensaio: a Lei de Thoht ou a Lei da Repetição Analógica. "O que está em cima é como o que está em baixo".
Entendida bem esta Lei, pode-se aceitar a idéia de que aqueles 7 Planos nada mais são que os 7 sub-planos do Plano Físico Cósmico: o Plano Divino correspondendo ao sub-plano Atômico, o Plano Monádico correspondendo ao sub-plano Subatômico e assim por diante;   o Plano Mental é o sub-plano Gasoso, o Plano Astral é o sub-plano Líqüido e o Plano Físico é o sub-plano Sólido.

    Vamos, então, entrar no verdadeiro assunto deste ensaio:
PROVA DO INVISÍVEL
    Foi publicado em jornais, revistas e até na Internet, que um cientista japonês, fazendo pesquisas com água, conseguiu o que chamou de "prova do invisível".
    Ele colocou água em um recipiente e sobre ele, através de alto-falantes, fez fluir músicas clássicas de Chopin, Beethoven, Brahms e outros. Depois ele molhou, com aquela água, lâminas de microscópio e congelou-as; examinando essas lâminas ao microscópio, verificou que a água havia formado belíssimos cristais hexagonais multicoloridos e organizados harmoniosamente. Outra experiência: semelhante à primeira, apenas mudando o tipo de música: aquilo que costumamos chamar de "Rock pauleira" ou "heavy metal". O resultado foi que os cristais eram deformados, de coloração sombria e desarrumados. Fez, também, experimentos, fazendo incidir, sobre as amostras, palavras como "amor" solidariedade, fraternidade etc., bem como ódio, raiva, e chingamentos de baixo calão. Os resultados foram semelhantes.
    Conclusões do cientista:
 há uma correspondência entre a água das amostras e toda a água do planeta. Como o nosso planeta é mais água do que terra, a influência sobre as amostras se exercem sobre todo o planeta.
 Como o nosso corpo é constituído de 80% de água, essas influências também se exercem em nós.
    Conclusões nossas, que conhecemos a "divisão setenária do mundo" e a "Lei da Repetição Analógica":
 Como o Elemento Água (sub-plano líquido do Plano Físico) é correspondente ao Plano Astral (sub-plano líquido do Plano Físico Cósmico), as influências de sons (músicas ou palavras) sobre as amostra de água se transmitem, também, ao Emocional.










Julio Sayão
Enviado por Julio Sayão em 02/02/2006
Reeditado em 30/05/2006
Código do texto: T107195
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Julio Sayão
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 93 anos
65 textos (39436 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 08:08)
Julio Sayão