Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

OLHOS DE VER


Nadir Silveira Dias


Quero ter olhos de ver o pão com manteiga não mais cair ao chão. E se cair que seja com a manteiga virada para cima.

Quero ter olhos de ver todos com boa alimentação oriunda do suor do próprio rosto, do esforço digno e contente por possuir força e saúde para tal.

Quero ter olhos de ver emprego para todos e todos exercendo esse trabalho com gosto, respeito e alegria pela sua realização.

Quero ter olhos de ver todos vivendo em digna habitação, limpa, cuidada e tratada com olhos de bem-querença, apesar de eventualmente humilde.

Quero ter olhos de ver a saúde estendida a todos: adultos, velhos e novos; com carências recentes ou antigas carências, com igual carinho e idêntica atenção.

Quero ter olhos de ver a segurança pública e segurança privada como regra que se opõe a tudo e a todos que sejam contrários a elas.

Quero ter olhos de ver a educação como mestre maior de todas as outras ciências e os mestres professores e educadores com a dignidade de poder ensinar com salário digno, com a autoridade que precisam e com o respeito que merecem.

Quero ter olhos de ver a meiguice, (ternura, carinho,) que anda tão fugidia ... arrepiada de horror diante das barbaridades públicas e privadas que vemos todos os dias estampadas nos jornais, que ouvimos no rádio e vemos na televisão.

Quero ter olhos de ver a hipocrisia e o cinismo da sociedade a jazer no fundo imenso, tectônico e profundo da terra-mãe, suficientemente poderosa para levar, de um só roldão, quase trezentos mil irmãos sul-asiáticos.

Quero ter olhos de ver as coisas todas agindo (ou desagindo) na sua inércia em favor do homem, espécie, de todos os seres que existem.

Quero ter olhos de ver o irmão dando a mão para o outro irmão sem ter a pronta intenção de logo vir a tomar-lhe o que ainda restou do infortúnio eventual ou permanente.

Quero ter olhos de ver os fazedores de mal sendo queimados pelas hostes da bem-querença, pela força que o bem imprime em tudo que vê, em tudo que toca, em tudo que sente, em tudo que intui. O bem que tudo purifica, verseja e harmoniza, e poder vê-los então sãos por inteiro, condenados a ser, permanentemente, fazedores do bem!

Quero ter olhos de ver a vida fluindo solta, solene, célere, lenta, cálida ou tempestuosa, pois na vida há tempo para tudo. Há tempo até mesmo para aprender que a vida é curta, e muito breve para aprender o que é preciso.

E, evocando o oriente multimilenar, por que não (?), quero ter plena saúde para levar o meu trineto à praça, brincar com ele, e vê-lo tomar o seu mingau em tigela de ouro. E o mesmo ainda fazer com o filho dele!

Quero ter olhos de ver... e ouvidos de ouvir!


Escritor e Advogado – nadirsdias@yahoo.com.br
Nadir Silveira Dias
Enviado por Nadir Silveira Dias em 25/02/2006
Código do texto: T116074
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nadir Silveira Dias
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil
1036 textos (153741 leituras)
4 e-livros (380 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 20:09)
Nadir Silveira Dias