Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

POEMA: TRABALHO DE OURIVESARIA

“PONTUAÇÃO

Zully Teijeiro

No teu rosto, as reticências empalidecem as certezas cotidianas.
Em teus olhos, as vírgulas quebram a monotonia do ponto final.
Tua boca em exclamação interrogativa de períodos simples dá
as coordenadas assindéticas, que abundam em teu peito ponto-e-vírgula.”

Publicado no Recanto das Letras em 02Mar2006.


Zully, preciosa, amada ao meu coração! Curioso que tenhas classificado este texto como prosa poética. Percebe-se, de pronto, o quanto estás exigente de teu estro. Vê-se, ao rápido olhar, que aparecem elementos de Poética claramente perceptíveis: metáforas, sugestionalidade, imagística. Não consigo identificar a transcendência, aquele olhar de fundo de olho que faz a gente viajar, ir longe. Aquele momento, na leitura do poema, em que percebemos que começamos a voar, que as palavras criaram asas. A cabeça começa a girar e está começada a viagem. O ritmo, sim, talvez seja isto o que te imantou para tal classificação. Realmente, aqui não é encontrável a especificidade rítmica, identificadora da materialidade poética. Na prosa, em regra, esta ritmação é inespecífica, não possui o "tonus poético", o andamento rítmico, esta pulsão que o poema contém. Estou por me convencer de que um dos componentes mais importantes, em Poesia, é o cadenciamento rítmico. Sem ele, o bom autor, aquele que tem apurado "feeling" e, portanto, exige-se na criação, percebe que não está frente a um poema e, sim, convive com a coloquialidade. Neste poema em prosa é tão forte a presença de elementos poéticos, que estes instigam a uma experimentação utilizando a técnica de composição poemática. Em inserção imediata, vou tentar o poema-síntese, cânone da poesia da contemporaneidade. Peço licença e, desde logo, o perdão para este teu tresloucado amigo. Sabes, de há muito, que o poeta é este ser condenado a pensar, a refletir sobre a matéria da vida, e a aceitar o desafio de reconstruir o mundo a partir de sua cabeça. Assim que, para o vaticinador, o vate, o profeta, o poeta, o bardo, sinonímias da espécie, nada está pronto, acabado. Aliás, para o antevisor do futuro, o mundo do presente é um imenso Nada. Como entendo que arte é experimentação, passo a estudar contigo, OK? Vamos ao poema: "No teu rosto, / reticências empalidecem cotidianas certezas. / Em teus olhos, / vírgulas quebram a monotonia do ponto final. / Tua boca, / interrogativa exclamação de simples períodos, / dá assindéticas coordenadas, / que abundam em teu peito ponto-e-vírgula”. Observaste como a limpeza do texto, a cirurgia de palavras (buscando a ritmação) produziu um belo espécime em Poesia? Grato, muito grato pela confluência de amor à poesia, ao exercício para alcançá-la, coisa que nem sempre ocorre. Porque chegar à poesia é, também, trabalho de ourivesaria.

– Do livro CONFESSIONÁRIO - Diálogos entre a Prosa e a Poesia, 2006.
http://www.recantodasletras.com.br/ensaios/123503
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 15/03/2006
Reeditado em 06/12/2012
Código do texto: T123503
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2581 textos (709799 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 08:12)
Joaquim Moncks