Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DA CRÍTICA.

Uma proposta que mais se ouve, sobretudo no meio acadêmico, é: “analise criticamente”. Sendo, portanto, um ato de juízo, que, afinal, isso quer dizer?

A crítica pela crítica, como se sabe, não dá para classificarmos de ato lógico, no sentido pleno deste termo. Nesse nível, digamos assim, a mesma não vai além de algo que ocorre apenas na esfera psicológica. Por esse mecanismo, o sujeito não fundamenta aquilo contra o qual se posiciona. Assim, diante de um texto (oral ou escrito) não estabelece as ligações e as separações possíveis à procura de conceitos neles contidos, suas análises não passam de caricaturas intelectuais.

Só estudamos para valer se nossas ferramentas estiverem afiadas por atos lógicos. Ou seja, a Análise – processo através do qual se decompõe o texto em partes. No fundo, é também um método, pois, partimos do singular para chegarmos ao geral ( indução ) e a Síntese – processo inverso, mediante o qual se vai compondo os elementos na expectativa de se chegar à totalidade. Como a anterior, é método, afinal, há uma espécie de ordem envolvendo os componentes, indo-se ao que disso decorrer. Convém termos muito cuidado para não cairmos em extremos. Consoante palavras de Leda Miranda Huhne, “se só se usa a análise, há o perigo de se perder a visão de conjunto. Se só se emprega a síntese, pode-se alcançar o nível de interpretação arbitrária”.

Na verdade, a crítica é o próprio exercício do pensamento. Afinal, só ela nos trará à tona aquilo que os discursos “dizendo deixam de dizer”. Nas palavras de Marilena Chauí, “o que interessa para a crítica não é o que está explicitamente pensado, explicitamente dito, mas exatamente aquilo que não está sendo dito e que, muitas vezes, nem sequer está sendo pensado de maneira consciente”. De modo que a irrefragável função da crítica “é fazer falar o silêncio”.

Destarte, dois grandes movimentos se revelam na prática crítica: de um lado, podemos desmascarar as ideologias, essas entendidas como velamentos, como fetiches das coisas. De outro, podemos nos surpreender com a segurança, a profundidade, a coerência de um texto, isto é, ele pode ser bem mais rico e nos indicar novos rumos do que antes pensávamos. Aqui, como rezam os entendidos, se encontra “uma obra de pensamento propriamente dita”.

Em que pese, enfim, o fato da crítica trabalhar juízos, nada tem a ver com aquela idéia nefasta de maniqueísmo onde se procura descobrir verdades para se contrapor às mentiras. A genuína crítica é forma de trabalho no qual pensamentos e discursos são vasculhados tendo em vista aquilo que silenciam. Não é à toa que os Críticos incomodam, provocam medo, são ameaças. Ora, como ensina Chauí, se a crítica não traz conteúdos prévios, mas é descoberta de conteúdos escondidos, então ela é muito perigosa.



                                                 Ary Carlos Moura Cardoso
                                             Mestre em Literatura pela UnB
                                                      Professor da UFT
Ary Carlos Moura Cardoso
Enviado por Ary Carlos Moura Cardoso em 22/03/2006
Reeditado em 31/03/2007
Código do texto: T126829
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Normal.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ary Carlos Moura Cardoso
Palmas - Tocantins - Brasil
1002 textos (256401 leituras)
1 áudios (293 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 14:27)
Ary Carlos Moura Cardoso