Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Ser Intocável

Tudo ficou da maneira por ele planejada. No lugar, não valia a pena arriscar ternura, quando o coração não passava de pedra. Para que se dar ao luxo de oferecer alguma flor? Ele já havia ressequido o seu bravo e forte caráter.
Sentimentos alheios, não eram seu forte. Só a sua alma impenetrável era uma masmorra - de ouro intocável, diria até - poderio transparente.
Não. Sentimentos não passavam de vadiagem sem prazer.
Não iria ele transportar o seu saber insólito e gramatical, com divagações pueris.
Ela pensava em cascata, em abraços ternos e beijos amigos.
Ele não lhe enxergava, afinal.
Achou melhor assim, não alimentar, o que não lhe oferecia vida, diante dos seus pés...
Orgulho de ser o que ela jamais conseguiria – frieza das geleiras; frutas doces além das mãos!
Mas, a inutilidade daquela indiferença, batia de frente com ela...
Vestida de flores, uma mulher.
Sem argumento capaz, sem a juventude dos olhos.
Era uma ignorante. Não sabia das passagens dele por qualquer lugar; não entendia dele, nem mesmo da água que um dia, refrescou seu corpo.Nunca a enxergara, tamanha era a sua invalidez de se fazer presente.
Estava em vão e assim seria...
No remexer das pedras, no vai e vem do mar, no brilho das estrelas, no cair da tarde em crepúsculo dourado, nas noites frias...Tudo seria eternamente sem o menor sentido.
Ela não lhe servia, porque nem ao menos era aparente!


Verônica Aroucha
Enviado por Verônica Aroucha em 10/05/2005
Código do texto: T16083

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Verônica Aroucha
Recife - Pernambuco - Brasil
122 textos (7750 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 20:04)
Verônica Aroucha