Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Rio sem rumo

São anos a fio tentando passar para o papel (tela) o que me vai na alma...
tentando explicar com palavras o que não se explica...se sente...
Minha vida que mais parece um quebra cabeças...minha alma que parece um
rio imenso e sem rumo...meu coração que não se cansa de andar
acelerado...que se descobriu e fez suas próprias escolhas...
meu corpo que não anda na mão da era dos esticados...que se mantém
original...minha fala que me atropela...meus pensamentos que brotam incessantes... são vórtices da minh´alma e do meu coração...
e perdido entre tantos desafios...o eu poeta...tentando explicar o inexplicável...
Esse imenso aluvião que vai dentro de mim...não conhece fronteiras...
não se prende aos estatutos...não conhece censura...e não se mede em palavras...
Jorra como fonte que nasce livre e sem barreiras...e escorre ao sabor
dos momentos...é um crescente sem fim...que não se desvia por caminhos outros...conhece os meandros por onde quer escoar...
Essa veia quase compulsiva...me mantém atada...me conduz
e rege os meus passos...
Sou liberta em mim...dentro da minha loucura infinita...não
existe muros a cercar minh´alma...não existem caminhos proibidos, mares
ou céus a limitar as minhas paixões...
Por mais que eu solte as rédeas e me deixe vagar nas minhas verdades,
nos meus mergulhos internos... e por mais que eu tente
transcrever em palavras  as tantas erupções dos meus vulcões,
as tormentas das minhas controversas marés...
minhas palavras não chegariam nem perto das minhas
verdades absolutas...
Entretanto viajar nas palavras é a forma que encontro para aliviar
essa vastidão de sentimentos e emoções que me assolam...
Jamais terei passado de forma total em palavras o que só se pode sentir...
seja por um gesto...seja por um olhar...
coisas que só por sintonia se pode perceber...
talvez seja essa a grande magia da poesia, nunca ser totalmente
traduzida...talvez seja essa a melhor explicação do amor...
talvez perdesse a graça se pudesse ser esmiuçada e entendida
como uma fórmula matemática...se se pudesse explicar o amor...
ele já teria perdido a graça...porque experimentá-lo ainda é
o melhor de tudo...livre de qualquer tradução...
Angélica Teresa Almstadter
Enviado por Angélica Teresa Almstadter em 05/06/2005
Código do texto: T22301

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Angélica Teresa Almstadter
Campinas - São Paulo - Brasil, 62 anos
1054 textos (55634 leituras)
25 áudios (3274 audições)
1 e-livros (247 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 10:25)
Angélica Teresa Almstadter