Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PROSA X POESIA: Uma Constatação

       Nossa sociedade é sustentada pela hipocrisia da discriminação. Seja ela social, racial, econômica, política, profissional e outras tantas que inventamos para segregar e justificar nossos egoísmos e egocentrismos.
      Assim que, não poderia ser diferente no campo da arte escrita (que vale também para outras), restringindo-me nesta reflexão ao campo da Prosa e Poesia.
     Todo e qualquer texto que é apresentado diante do lume quanto à classificação Prosa X Poesia, sofre por parte do crítico um filtro estigmático: primeiramente olha-se a qual classe social o autor faz parte.
    Antes, há que se dizer outro descompasso: classifica-se textos em Prosa como sendo secundários, para autores que ainda não alcançaram uma “percepção poética” e mesmo que seja Prosa Poética é ainda relegado, devido a sua “coloquialidade” que lhe dá o status de texto inferior; a Poesia sim, esta é exclusiva daqueles poucos aptos ou iluminados para serem escravos do jargão metafórico que resume toda a poesia.
   Segundo, há de se questionar: a Poesia está no autor, no texto ou no leitor? Ou no conjunto?
   O crítico, que quase sempre pertence a classes “elevadas” ou pensa como tal, por servir ou almejar  à elas, em primeiro bebe dessa fonte que jorra do estigma da discriminação: se o autor for pobre, seu texto na maioria das vezes será prosaico, carente de metáforas (portanto não poético), coloquial, quando muito um bom texto em prosa. Para subverter essa visão, tem que ser um “gênio” ou então, se o crítico antever que o mesmo passará por ele incólume e brilhará, então abrirá uma janela; se for rico (ou adjacente) é poético! O texto virá recheado de brilhos qualificativos, a poesia será sorridente, profusa, estridente! Metáforas brilharão como a cauda de um cometa! E outras figuras de linguagem agora aparecerão para reforçar e justificar a capacidade poética do mesmo! Haverão elogios dos recursos utilizados, inventados, etc..  Caso o texto seja um lixo, será colocado um potencial futuro, garimpar-se-á palavras, vislumbres de metáforas ou afins, para dizer-se de uma possível visão poética que transparece no texto...

  Apresento algumas citações de Jean de La Bruyère, escritor francês nascido em 1645 e falecido em 1696, de sua obra “Caracteres”, onde trata da obra X críticos:

   “Devíamos gostar de ler nossas obras àqueles que sabem delas bastante para corrigi-las e avalia-las”.
  “Não querer conselhos nem correções para sua obra é pedantismo.”
   “O prazer da crítica nos tira o de nos comovermos vivamente diante de coisas muito bonitas.”
  “Muita gente chega a sentir o mérito de um manuscrito que se lhes lê, mas não se lhe pode declarar em favor antes de ter visto a aceitação que terá do público, depois de impresso, ou qual será sua sorte entre os entendidos. Não aventuram sufrágios, e querem ser levados pela turba, arrastados pela multidão. Então dizem que foram os primeiros a aprovar essa obra, e que o público participa de sua opinião.”
  “Essa gente deixa passar as melhores ocasiões de nos convencer que têm capacidade e luzes, que sabem julgar, achar bom o que é bom e melhor o que é melhor.”

  “Os tolos lêem um livro, e não o entendem; os espíritos medíocres pensam entendê-lo perfeitamente; os grandes espíritos às vezes não o entendem de todo, acham obscuro o que está obscuro, como acham claro o que está claro. Os espíritos “brilhantes” querem achar obscuro o que não o é, e não entender o que é muito inteligível.”

  Não devemos furtar-nos à critica construtiva e sadia de pessoas qualificadas e imparciais que felizmente existem. No entanto é mister ter noção de certas realidades e não deixar-nos abater por falácias de “críticos de cadeira”, não escrevemos para eles.

   Procuremos sim, seja na Prosa ou na Poesia, a busca do aperfeiçoamento, numa visão ampla e irrestrita. A resposta virá de nossos leitores.
Erode Lino Leite
Enviado por Erode Lino Leite em 17/09/2006
Código do texto: T242500
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Erode Lino Leite
Nioaque - Mato Grosso do Sul - Brasil, 53 anos
121 textos (14578 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 18:07)
Erode Lino Leite