Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Queimando fosfato

Quem dera que pudéssemos escolher no nascimento, o traçado de nossas vidas. Seria o ideal.  Mas vamos crescendo com o aprendizado das experiências. E nos tornamos ou servis ou ditadores, ou meigos ou agressivos, ou espertos ou idiotas. Dizem os entendidos em psicologia, que nós mesmos é que fazemos as nossas opções. Não é um destino. É uma escolha. Porque o leque de opções, aberto, daria um ângulo de 360º . E no entanto, por inúmeras opções derrotistas, vamos nos aquietando.

O que você mudaria em sua vida? O que mudaria em você caso sua opção fosse de abertura às novidades? à coragem? à independência? Acostumamo-nos a permitir que alguém sempre dê as cartas... isto vem da infância... é hora de escovar dentes, de dormir, de levantar, de estudar, de passear, de brincar, de rir. De chorar não, porque o choro era sinônimo de manha ou covardia... então, muitos não choraram o necessário. E, quando alcançamos a adolescência, ainda estamos presos a convenções paternalistas. E mais uma vez, somos obrigados, pela dependência, a cumprir ordens.
 
De repente, adultecemos. Saímos de casa para enfrentar a vida a sós ou acompanhados. Os que saem acompanhados ficam presos às mesmas convenções impostas. Agora, através de outra pessoa, de educação diferente, de vontades diferentes, de sonhos diferentes. E com a convivência, tantas vezes, ruim,  os sonhos vão sendo amortecidos, vamos nos embrutecendo. Não deveria ser assim, porque a escolha foi nossa,  mas na verdade é.
 
De repente, também, chega à fase da vida onde deveríamos colher o que plantamos. Faltou adubo? Não. Faltou coragem? Sim. O que sempre falta na maioria das pessoas, é a famosa coragem. Coragem de enfrentar novas situações. Novos Desafios. Existe culpa externa? Na minha opinião, não. A culpa é nossa mesmo. Porque é tão mais cômodo sermos covardes e não enfrentarmos a vida de peito aberto. Rindo, chorando, esperneando, gozando. Mas enfim, vivendo. É tão mais fácil colocarmos a culpa em outras pessoas. Tão fácil. Assim, vamos nos acomodando mais e mais. Nós permitimos isto. Porque quem não permite, segue. Somos medrosos. Batalhadores, mas medrosos. Terrível, não?

É raro vivermos somente o hoje. O passado está sempre rondando o nosso presente. E geralmente o que ronda, é o passado ruim. E nem por isto, aprendemos. Erros do passado deveriam ficar no passado. Porque comete-los novamente, é na melhor das hipóteses, burrice. Que nada! Erramos porque buscamos acertar. Falta pontaria, creio. Sei que uma hora cansamos de não acertar na mosca. Não é só isto. Falta munição. E falta tempo, porque enquanto ficávamos insistindo no erro, o tempo passou e nem vimos. Queima fosfato, queima! O Sol arde lá fora...
Dora Leal
Enviado por Dora Leal em 06/10/2006
Reeditado em 22/06/2016
Código do texto: T257865
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Dôra Leal). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Dora Leal
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
501 textos (25402 leituras)
1 e-livros (38 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 06:46)
Dora Leal