Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Catagênese

Abrirei a porta
e dividirei a fuligem. E só.
Ao abri-la
verei tudo o que já sei:
um soslaio inseguro do olhar
uma reprimenda muda de ecos.
Sem ofensa, mudarei o cenário.
Deixarei a fuligem grudada:
não há absoluta intenção
de revolver o passado.
Ela, por si só já é patrimônio.
A trinca já se plasmou
de forma serena e absoluta:
um traçado regular mas, seco.
Uma trajetória de fios
desconectados mas, informadores.
Omega é o ponto.
Então tratarei dos poemas dos mortos
e das flores semitortas.
Nas superfícies lodosas
não farei o risco e nem jogarei na sorte
porque o azar é um intuitivo
usurpador consorte.
E eu, experiente, carteando
reis, valetes e ases
não desejo aparte.
Apenas que o show
não termine em morte.
Dora Leal
Enviado por Dora Leal em 10/10/2006
Reeditado em 10/10/2006
Código do texto: T261399

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Dôra Leal). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Dora Leal
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
501 textos (25404 leituras)
1 e-livros (38 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 12:56)
Dora Leal