Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Uns Anjos em Minha Vida.

Uns Anjos em minha vida.



Uns anjos vieram semear vida em minha vida, trazer questões,
instigar-me às loucuras e às aspirações, pôr-me em querelas.

Um muito Bom Espirito, aliviado, e  de uma Alma candente, inspirou-me às
anotações, para também vivê-las nesse transurso :

Assim,
               
O primeiro Anjo vinha do Leste, de onde nasce o Sol.
Seu nome era Amor e sua marca, a Verdade.
Personificada por uma Mulher de Beleza incomensurável e exuberante,
trazia na mão
direita a inscrição:  tu me amarás sempre e somente à mim .
Na outra mão uma outra inscrição: gosto da justiça e da lealdade em tudo.

E o Anjo chegou no alvorecer de minhas idades, plantou grandiosa pai-
xão e assim, nasceu um coração;
e do coração nasceu o mais resplandecente
Amor, do qual nunca se falará porque é terrível, grandioso, por isso
inacessível aos comuns.

O Anjo chorou ao plantar suas palavras de sonhos, falou de pluralidades
e que estava por ser entendida, compreendida...
Depois chorei eu, alheado, morrendo em mim...

E despedimo-nos em profundo sentimento.
E o Anjo ainda revelou-me na partida :
que teríamos os descendentes mais lindos da Terra.

O segundo anjo vinha do Sudoeste.
Seu nome era Sinceridade e sua marca, Busca da Felicidade.
Falei-lhe do 1º anjo, despertei ressentimentos.
Tinha a silhueta do primeiro mas não o era.
Tinha a ânsia do enlace, fugi.
Era grandiosa em suas intenções, valer-me-ia de muito.
Pedi-lhe reconsideração, não o fiz no tempo justo, foi-se.
Pouco acrescentou à minha existência.

O terceiro anjo vinha do Oeste.
Seu nome, Ingenuidade, sua marca, Simplicidade.
Falei-lhe do 1º Anjo; semeei inveja.
Vale-me nos dias atuais uma dôr que transpassa o coração e a alma,
dôr de valiosa piedade,  que se põe em oração.
De pouco valor sentimental não deixou marcas nem lembranças,
senão de ressentimentos e faltas.

O quarto anjo vinha do Norte.
Seu nome, Mulher Moderna, sua marca, Serenidade.
Falei-lhe do 1º Anjo; ouvi desdém, depois  vi indiferença.
Foi uma paixão natural, crescente porém.
Amiga das horas vagas, compreensível, simples e desapegada das mundices.
Tornamo-nos cúmplices nos erros, patéticos e desafiadores da boa sorte.

O quinto anjo vinha de vários quadrantes.
Seu nome, Prática de Vida, sua marca, Insensibilidade.
Falei-lhe do 1º Anjo;  plantei ódio.
Nascida na simplicidade tinha objetivos do progresso material, tirados
se preciso da excrescência, do lado pérfido, das caracteristicas
inábeis, sutis, pegajosas e de pouquíssimo valor.
Pouco há para falar desse anjo.
Plantou confusão e fincou tentáculos para uma simbiose neurótica.


O Sexto anjo, o último, veio do Noroeste.
Seu nome, Imprudência, sua marca, Insensatez.
Não deu as mãos, não as mostra, porque nelas nada tem.
Discípula dos maus Espiritos, teve a pretensão de representar o 1º Anjo.
Mostrou logo seu cheiro de latrina, seu hálito de enxofre e sua prepotência
deselengante, marca própria dos ignorantes.
Lançou cheiros ao ar e sementes num terreno fértil chamado mentira.
Colherá desgraça, sua vida será de tropeços e nunca terá a validade
de uma existência sublime.
Nascida também na simplicidade, vale-se do pouco que para muitos seria
fortuna. Jamais se deixará conhecer pelos muitos, buscará aparências,
caminho que leva ao vale da loucura, dos desvarios,
da morte eterna.
Trouxe-me a amaldiçoada marca do numero 6, da Besta.
Não à toa é o Sexto anjo.

Esse muito Bom Espirito, aliviado e de uma Alma candente diz-me que, entre o
Alfa e o Ômega, tempo sem tempo, chega-me o sétimo anjo; este, definitivo.




Autoria:  Teobaldo Mesquita












Teobaldo Mesquita
Enviado por Teobaldo Mesquita em 29/11/2006
Código do texto: T304564
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Teobaldo Mesquita
Rio Azul - Paraná - Brasil, 52 anos
94 textos (6368 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 05:16)
Teobaldo Mesquita