Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Magia dos Contos: Breve Comentário

O que me fascina nos contos é justamente a arte de, num breve texto, fazer caber várias situações ou cenas, a arte de encapsular várias histórias numa narrativa maior. Nos minimalistas, então, onde não podemos dispor de detalhadas descrições, grande é o esforço para se chegar a um texto com tais características. Cito um exemplo que, por ser minimalista, cabe perfeitamente aqui. Vamos a ele:

UM ESTRANHO NO ESPELHO – Por Dolce Vita (1) – Texto usado com a gentil permissão da autora.

O pesadelo se repete. Acordo no meio da noite com os gritos. A culpa é toda do meu irmão. Gostaria que ele fosse normal, e parasse de ver coisas que não existem. No mês passado, enquanto fazia a barba, ele apareceu com aquela conversa sem pé nem cabeça. Teodoro jura que enxerga outra imagem quando eu estou diante do espelho. Ele diz ver o homem que eu poderia ter sido, e não fui. E não para por aí. Essa tal imagem sai do espelho para visitá-lo a qualquer hora do dia. E ainda conversam como dois amigos de infância. Sinto tanta raiva de tamanha loucura que até perdi a vontade de olhar pra cara dele. Mas é recíproco. Hoje meu irmão prefere a companhia desse outro eu.

(1) http://www.recantodasletras.com.br/microcontos/4017693

O que me fez gostar desta narrativa foi justamente a forma ‘solta’ como os personagens foram dispostos, o que não significa que apareceram como que ‘jogados’ no texto, sem planejamento algum. Muito pelo contrário, aí vejo o trabalho: no uso competente da ‘indefinição’ para gerar diversas possibilidades, coerentes, de interpretação ao leitor. O narrador se esconde jogando com os questionamentos típicos do tema — o “eu no espelho’ — e referências flexíveis a nomes, pessoas e pronomes, de modo a não prender o leitor numa interpretação só, o que muito se deseja em contos, aliás. Não gosto de narrativas fáceis, óbvias, explícitas, salvo algumas exceções. Prefiro narrativas que me mostrem as peças, dêem-me o mínimo de cola e muito espaço para encaixá-las com minha imaginação. Vai ver por isso eu amo as histórias de Cortázar, mas não foi ‘pulando amarelinha’ com ele que aprendi a dele gostar, porém viajando nas entrelinhas de ‘La autopista del sur’, conto que aqui aproveito para 'mui bien' recomendar.


Projetos relacionados:

SEM VERGONHA DE CONTAR
http://semvergonhadecontar.blogspot.com

QUINZE CONTOS MAIS
http://quinzecontosmais.blogspot.com


Helena Frenzel
Enviado por Helena Frenzel em 25/02/2013
Reeditado em 25/02/2013
Código do texto: T4158327
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Helena Frenzel
Alemanha
487 textos (35977 leituras)
47 áudios (2331 audições)
45 e-livros (1909 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 27/07/17 13:54)
Helena Frenzel