Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

por fazer

conter os impulsos
costurando pulsos
com certeza de voltar
sem chorar vou lembrar
d’outro mundo
num vi somente clarão profundo
deu vontade de matar
frustrei a curiosidade
dos que pensam na antecipação
jurei guardar segredo
semana que vem vai ter jogo bom
aposta no porco 18
seu moço
vou sim
vou
beber do vegetal
vomitar tudo que é mal
sem pagar nenhum real
faço um cadastro para precaver os fatos
recebo amanhã
1ª parcela do seguro desemprego
voltei jogando bola dia inteiro
atoa sem medo
valente sem drama
quando acabar o sustento do governo
volto a trabalhar
não quero fama
afinal das somas
paguei minhas contas
nunca deixei de sonhar
na esperança contribui para a mudança
garanti o mensalão
sustentando ladrão
sem reclamar
prevaricação
sei lá o que quer dizer
mas e você saberá dizer
como a vida será?
aponte o dia em que a corrupção vai acabar
certamente estarei morto de raiva
já se perguntou hoje, quanto vale o show?
que seu salário de fome financiou
Podes ter tirado proveito da situação
uma licitação e defender a versão de superlotação
se prenderem todos os políticos ladrões
haveria de ser toda a Amazônia desmatada
para que se construa um imenso presídio
de ponta a ponta onde ainda resta mata
é pior que vicio de cachaça
a recaída não existe
nunca se para
a cena é triste
usa teatrinho pro povo entender
propaganda de tv
linguagem simples universal pra comover
comprometer convencer
julgar que sua vontade é maior que a inteligência
faço ciências da comunicação
publicidade que falsidade
não consigo sair da faculdade
sempre que tento concluir o curso
me bate um samba de Martinho intruso
que a felicidade de passar no vestibular
não significa nada quando a faculdade é particular
vai aonde nessa joça um pobre estudar
se a vida toda passou de ano tentando enganar
levando com a barriga
estava na hora de se ferrar
de vingar a lombriga
sai pra lá má sorte
tenho uma mensagem de paz
venho por meio desta lhe dizer
que o Brasil precisa de você
qualquer algum que não te faça falta
não vá usar
que esteja encostado
não vá lhe comprometer
to sem nenhum trocado
ninguém tem dó de um ser
arruma um prato de comida
serei eternamente grato
podem ser também dois reais de fato
não vou mentir
é pra comprar cachaça
uma pinga pra aliviar a dor
esquecer a vida desgracenta
que levo na mão do opressor.


Marco Cardoso
Enviado por Marco Cardoso em 13/10/2005
Código do texto: T59356
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Marco Cardoso
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil
1601 textos (34633 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 01:52)
Marco Cardoso