Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O POEMA CONFESSIONAL

A proposta lírica ancora no meu coração e os neurônios inquietos me instigam à análise, saudando o poema e sua autoria, com alegria e muito apreço:

“Prefiro-me só.
A fingir-me sol, de lua vestida e ninho de pó,
Só estou.
Desenho as minudências da brisa com os dedos das palavras. Cada pétala
A sonhar-se raio de aurora por detrás dos cumes mais agudos da montanha.
E desenho sempre,
Nas pontas dos pés,
O tear de nuvem que o so(nho) me conta.
Sou, assim,
Só. Somente solitária
Ouço o eco da alegria imaginada…
Abro a largueza cantada do riacho e beijo
As nuvens…
Ninho de aves sem asas que os pés entornam
Quando choro.
Finjo-me sol
de pétalas de lua
E ninhos de nuvem. Sou pó. Só.”.

Autora: Margarida Afonso Henriques, poeta portuguesa.

– Publicado no Facebook em 30.08.2017, 17h45min.

Eis um poema reflexivo, denso, bem posto como proposta poética. Somente nele vejo muito transparente a presença da sofredora criatura que o joga no mundo, talvez na água do riacho que se faz presente no poema em voga. Talvez, caso houvesse uma tentativa de "despersonalização" da figura do EGO, a peça se tornaria mais pejada de Poesia, abrindo uma janela ao receptor e permitindo que o poeta-leitor se apossasse com avidez do texto, para fazer dele um instrumento amoroso aproveitável à sua felicidade pessoal, no mundo dos fatos. Embora a Poesia seja o território da farsa, do sonho e da fantasia. A tese de que o “Eu” que aparece na Poesia é o Eu Poético (o alter ego que Fernando Pessoa criou, nominou e notabilizou no vocábulo "heterônimo"), me parece inaplicável em determinados casos. E este aqui aparece assim, em estado de nudez, tão forte é a presença do Ego da autora. Mesmo com a utilização da metáfora e os comparativos, estes elementos compositivos do poema não levam a uma beleza estética pontual, e sim a esse inocente e ingênuo derramar-se do espiritual sensível da autora, sem maiores cuidados estéticos, não permite o atingimento de um patamar mais alto como poema com Poesia. Porém, não deixa de ser um formoso confessional lírico, tão ao gosto do público feminino de todo e qualquer tempo. Parabéns à autora, desejando sucesso no itinerário de popularização de sua obra. Tenho acompanhado com estranhamento e gozo a expressão poética de Margarida Afonso. Tudo indica que o talento desta tatuará digitalmente o seu nome na contemporaneidade poética do idioma português. Hosanas!

– Do livro A VERTENTE INSENSATA, 2017.
http://www.recantodasletras.com.br/ensaios/6108803
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 09/09/2017
Reeditado em 09/09/2017
Código do texto: T6108803
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2799 textos (760960 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/09/17 20:50)
Joaquim Moncks