Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

À flor da pele

Vou conter meus arroubos.
Necessito flutuar no vácuo existente em mim
Esgotei-me buscando fórmulas. Não existem.
A química surge por si. Vem e delata a fragilidade.
Esmaga qualquer simbolismo. Faz-me vilã, faz-me vítima.
Uma pedinte quase sem fim.
Em vão persigo anseios. São como plumas, levitam ao sabor do vento.
Ou então grudam na pele. Ferem, sangram, partem-me ao meio. Cravam as unhas. Tiram-me o fôlego. Fazem-me fantoche. E nada. Absorvem minha energia, meu eu lírico, minha fantasia. E nada.
À flor da pele, nervos expostos, mastigo a ira com chocolate.
Mas a alma não se arrefece. Incendeia a equação da genealogia.
No meu vácuo, o fogo crepita. Labaredas espalham meus instintos.
À flor da pele, sou chama. Mistura onírica. Desisto.
Não mais me contenho. Bandeira hasteada, sigo o meu norte.
Dora Leal
Enviado por Dora Leal em 06/09/2007
Código do texto: T641750

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Dôra Leal). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Dora Leal
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
509 textos (25900 leituras)
1 e-livros (38 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/10/17 02:16)
Dora Leal