Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O reflexo do espelho

Mentir ou criar ilusões? A mentira é só o escape de uma verdade punitiva, dolorosa ou preconceituosa. Aliás, todas estas são amargamente punitivas.
A mentira e a ilusão se medem, assim como a verdade – grandes mentiras, grandes verdades, grandes ilusões.
Embora a comparação entre a mentira e a ilusão seja feita de maneira similar, a ilusão é aceita como uma mentira, vamos dizer, aceitável.
Ter ilusões é um modo de mentir “aceitável”. A ilusão é uma verdade que não aceitamos de imediato.  Procastinamos sua aceitação, acreditamos que seria bom se fosse verdade, mas não admitimos por preconceitos ou arrogância ou ignorância. É o sofrimento adiado.
Fazemos testes de simulação com um caso prático para resolver. Ser humano ou desumano. Selecionamos e somos selecionados. Somos escolhidos e escolhemos. Discriminamos e somos discriminados. Somos carne e unha, ou só carne. Nunca só unha. Nosso corpo produz sons, o corpo dos outros não podem – são mal educados.
Acreditamos no que acreditamos, os outros acreditam em outras coisas.
Temos nossos anjos, os outros, outros anjos. Somos os melhores no que sabemos fazer, principalmente quando somos os donos do negócio em questão, ou donos da questão do negócio. E invejamos aqueles que imaginamos ser melhores.
Pensando bem, não mentimos - adiamos nossa credibilidade naquilo que não somos bons – afinal, fomos condicionados desde feto (certeza de vida), a sermos “perfeitos” em todos os sentidos. Crescemos instruídos a infalibilidade. Crescemos, na mentira ou na ilusão – tanto faz -, de sermos perfeitos.
Nas relações, somos apenas animais racionais. Assim como na convivência. Os animais irracionais, só se relacionam com aqueles em que a convivência seja harmônica e vantajosa para ambos. Quando predador e presa se encontram, só vai haver embate se alguém estiver carente – geralmente o predador. E lutam, quando é o caso, até a morte de um ou da desistência de outro. O que não se entrega e o que se arrepende. São quadros definidos, sem mentiras, sem simulações.
Os racionais se relacionam com tudo e com todos, entra em embates –lances adversos do destino, segundo o Aurélio – e combates, com objetivos vagos e dos quais os próprios guerreiros duvidam, mas necessários, para se afirmar a que vieram.
É a mentira de uma ilusão. A verdade de uma prerrogativa
Magno De Barros
Enviado por Magno De Barros em 07/11/2007
Código do texto: T727905
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Magno De Barros
Anchieta - Espírito Santo - Brasil, 68 anos
168 textos (12699 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/10/17 02:06)
Magno De Barros