Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Reflexões à beira-mar

         Tempo de verão, tempo de férias. Robym e sua família decidiram veranear em uma bela praia. Samyra continuou freqüentando a sede da Fundação Pro Arte Palestrina, onde se dedicou a pesquisas sobre a vida dos grandes compositores e também a serenas audições de música erudita.

         Robym e a esposa resolveram convidar Samyra a passar um fim-de-semana em sua companhia. Ela gostou da idéia. Assim, no sábado seguinte, bem cedinho, estava viajando. Em poucas horas, já se encontrava à beira-mar.
À tardinha, no alpendre, reunião em família. Doces, sucos, muita alegria. Mas, Samyra não resistiu à tentação de entregar-se a considerações de ordem filosófica.

         -  Robym, isto é o que se pode chamar  de  “vida contemplativa”: não se preocupar com nada, sentir a natureza, vivenciar cada momento com serenidade...

         - Sim, Samyra. Acredito que, no dia-a-dia, de-veríamos manter esta capacidade de viver contemplativamente.

         - Uma questão  de  hábito.  Agora,  gostaria   de descobrir como é possível alguém se tornar um filósofo.

         - Bem, devo dizer que a primeira virtude do verdadeiro filósofo é cultivar a capacidade de encantar-se com o mundo.

         -  Significa, creio eu, admirar-se a todo o mo-mento com tudo o que acontece a sua volta e no mundo inteiro, em um estado de espírito aberto e receptivo.

         -  Alguém já  disse  que,  para  tornar-se  filóso-fo, não é preciso aprender filosofia, mas sim aprender a filosofar. O verdadeiro filósofo não aceita, tampouco rejeita nada “a priori”. Diante de tudo e de todos, mantém sempre uma atitude filosófica voltada à observação, contemplação e avaliação. Ser filósofo é ser amante da sabedoria, um eterno peregrino à procura da verdade.

         -  O que, afinal, é a verdade?

         -  Verdade é  o  não  oculto,  o  não  dissimula-do. Verdade é a manifestação clara do que é evidente, o expressamente claro para a razão. Verdade é a realidade revelada, a conformidade com o real.

         - E, Robym, para aceitar a verdade é preciso livrar-se de tudo o que é falso: preconceitos, mitos, superstições.

         -  Certo. Para o filósofo, tudo se torna matéria de interesse: artes, ciências, cultura, ética, estética, história, política. Tudo é objeto de investigação. Nada escapa, nada é estranho, nada é impossível.

         -  Vejo que o filósofo é um eterno  estudioso  dos mistérios da vida.

         -  Sim, Samyra. Na busca da verdade, o filósofo rejeita as meras opiniões, que considera visões parciais da realidade. Uma opinião pode estar comprometida por distorções provocadas pela ignorância, por preconceitos e falsidades de toda ordem. O verdadeiro filósofo procura a Verdade Universal, válida para todos os seres, para a natureza inteira.

         - O filósofo  deve possuir uma visão   cósmica.

         - Dia após dia, ele vai aprimorando sua capacidade de discernir o certo e o errado, o verdadeiro e o falso, o Bem e o Mal. Ele defende, com todas as forças, o sagrado princípio da liberdade, em todos os sentidos. E também o princípio de que a Filosofia é um bem que não pertence a uns poucos afortunados, mas algo que pode e deve ser proporcionado a todos, pois, em tese, em maior ou menor grau, todos detêm a capacidade de compreensão e reflexão. Por isso, é preciso embasar a filosofia em elementos que todos possam compreender e discutir, comunicar e transmitir.

         -  Uma atitude democrática.

         -  Neste sentido, o filósofo é aquele  que  justi-fica suas idéias por meio de regras universais de pen-samento. Ele não admite idéias pré-concebidas, generalizações. Cada questão deve ser objeto de profunda investigação, análise, indução, abstração, síntese.


         E, assim, continuaram ainda por algum tempo a refletir sobre a vida e a melhor forma de usufruí-la.
No início da semana, Samyra retornou a suas habituais atividades. Robym e a família permaneceram por mais alguns dias na praia.

Do livro: "Encontros ao Entardecer"
Ramiro Sápiras
Enviado por Ramiro Sápiras em 29/12/2005
Código do texto: T91646
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ramiro Sápiras
São Leopoldo - Rio Grande do Sul - Brasil, 76 anos
57 textos (192538 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 22:23)
Ramiro Sápiras