Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Outra entrevista esclarecedora

26/03/2006 - 09h00
Lima Duarte critica Globo e diz que cansou de novela
Publicidade
INÁCIO ARAUJO
Crítico da Folha de S.Paulo
LAURA MATTOS
da Folha de S.Paulo

Lima Duarte, 76 anos de idade, 55 de TV, logo brincou com a assessora da Globo que chegou para acompanhar a entrevista: "Você veio saber o que vou dizer, né?".

Pois ele não se intimidou. Falou mal da emissora, do merchandising que faz em "Belíssima", do sotaque grego de Tony Ramos, de Fernanda Lima. Disse que o "Fantástico" transforma tudo em "merda" e que há 40 anos se faz a mesma novela. Sobrou para Lula, "imbecil, idiota", e para a neta Paloma Duarte, por ter ido à TV rebater o "medo" que Regina Duarte disse ter da vitória do PT.

Eduardo Knapp/Folha Imagem
 
Lima Duarte foi celebrizado por personagens como Sinhozinho Malta e Sassá Mutema
Lima confessou estar cansado da TV e espera que Murat, que interpreta na novela das oito, seja o último personagem televisivo. Em cartaz no cinema com "Depois Daquele Baile" e na expectativa da estréia de "Boleiros 2", em 7 de abril, no qual volta ao papel do técnico, ele só quer saber de filmes. Especialmente após ter sido dirigido pelo consagrado cineasta português Manoel de Oliveira, 97.

Na entrevista a seguir, o ator relembra o convite para ser candidato à vice-presidência na chapa de Mario Covas em 1989, conta ter "sublimado" o sexo e muito mais.

"FANTÁSTICO"
Desculpem falar muito, mas depois vocês editam. Não como o "Fantástico", hein! Dou entrevista a eles, e nos tornam imbecis. É como Silvio Santos, o grande químico do Brasil: transformava o domingo em merda. O "Fantástico" transforma qualquer opinião em merda, a edição é calamitosa. A da Globo de modo geral.

COVAS E SASSÁ
Não me arrependo [de ter recusado convite para ser candidato a vice-presidente na chapa de Mario Covas, em 1989]. Na ocasião, Sassá Mutema ["O Salvador da Pátria"] era um grande personagem, um homem que ia do nada ao entendimento. Ele não sabia nada e aprendia a ler, a escrever, a amar, a se entender, aprendia mais e mais até ficar um imbecil. A Globo achou que era o Lula. Sassá era muito maior que o Lula. O PSDB me convidou a uma reunião com José Serra, José Richa, Fernando Henrique e Covas. Nunca havia me passado isso pela cabeça, estava envolvido com a Maitê [Proença, que fazia a professora por quem Sassá se apaixonava]. O plano era contratar a Maitê, Chitãozinho e Xororó para comícios e lançar a candidatura no "Fantástico". Acho que ganharíamos. Fui consultar minha filha, que disse: "Sai dessa. Vão te destruir".

ÓDIO A LULA
Odeio Lula porque faz uma glamourização da ignorância, contra o que tenho lutado a vida toda. Também sou "analfa", fui criado como ele na roça, mas, puxa vida, descobri o encanto por trás da palavra escrita, a magia. Num país carente de conhecimento, ele não pode ter esse procedimento. É um imbecil, um idiota, um ignorante. Quando ia ao cinema, ia com o cachorrinho no colo. Para quê?

PALOMA DUARTE
Sabe-se agora que quem tinha razão era a Regina Duarte [quando foi à TV em 2002 dizer que tinha "medo" de Lula]. A Paloma falou besteira, né? [Paloma Duarte, neta de Lima, criticou na TV o "medo" da colega] Discordei dela por brigar com a colega por causa desses merdas aí. Falei: "O que é isso, Paloma? Pára com isso. Como é que você vai à TV falar da outra? Eles vão ganhar, vão ser isso e aquilo, e você vai ficar mal com ela, que é atriz como você". Paloma é boa atriz, mas é muito arrebatada. Coitada, ela acreditava mesmo.

ÚLTIMA NOVELA
Não quero mais fazer novela. Pretendia que "Belíssima" fosse a última. Mas já queria que a anterior fosse a última, e vieram com artilharia pesada, Irene Ravache, Fernanda Montenegro. Mas é duro fazer novela. Está cada vez mais cansativo. Estão escrevendo a mesma história há 40 anos. Faço o mesmo personagem, e o público chora a mesma lágrima, no mesmo horário. Mas o povo não deixa mudar. O povo não aceitou "Bang Bang". Colocaram a moça [Fernanda Lima], disseram que era bonita. Mas a vestiram demais. Aí teve de ser atriz e ficou ruim para ela. Se a novela vai mal, a primeira coisa é tirar a roupa da mocinha. A segunda é "Quem matou?".

MERCHANDISING
Faço esse do Whiskas [ração para gato]. Mas pagam muito mal ao ator, é mixaria. Faço um também com a Irene Ravache, aquele de pele. Ah é, Natura. É uma porcaria proporcionalmente ao que ganho. Não gosto, é meio aviltante, não? Contraria seu personagem, tem de pegar direito, virar o rótulo para a câmera. E fica lá a garota do merchandising dizendo como fazer a cena. Pergunto: "Não é o diretor que manda?". E os diretores ficam quietos. O merchandising manda. Ouvi dizer que um só dá para pagar quase o meu salário na novela inteira. Puxa vida, será?

"CIDADÃO BRASILEIRO"
Não vi a estréia, mas gostaria de ter visto. Tomara que a audiência caia. Ah, essa igreja, essa turma. Mas vamos só falar mal da Globo, vai. É como disse o Bertrand Russel, quando lhe perguntaram "que tal fazer 90 anos". "Diante da opção..." Tal é a Globo. Diante da opção, meu amigo, ainda ficamos com a Globo, né? Mas, imitar droga, pô [sobre a estratégia da Record de "clonar" a Globo]! Com esse tipo de edição, tudo vira clipe, tudo se repete, são os mesmos assuntos. A vida fica uma chatice.

SOTAQUE TURCO
Sabia que há só 20 turcos no Brasil? É o meu problema em "Belíssima", ninguém me ensina a falar. Procurei usar dramaticamente o sotaque. Há horas em que não dá para brincar com sotaque, como nas cenas com a Bia [Fernanda Montenegro]. Procuro ficar denso para não cair no que, na minha opinião, caiu o Tony Ramos. Fica aquele sotaque entre o personagem e o público enchendo o saco, e o ator não atenta ao drama, que é o que interessa. Acho muito chato [o Tony dizer Zúlia no lugar de Júlia]. Adoro o Tony, mas procurei não cair nisso. Uso conforme a situação porque é um penduricalho. Antes de mais nada, construo psicologicamente o personagem. Por isso todos são Sassá Mutema, porque todos são da serra da Canastra [onde Lima nasceu].

GLOBO X RECORD
Trabalho há 35 anos na Globo. Fui convidado a ir para a Record, olha que importante sou. Fui convidado a ir para a Igreja Universal. Logo no começo da conversa, falaram: "Dinheiro não é problema". E respondi: "Para mim também não". Ganho muito bem, tenho contrato longo, acho que até o fim da minha vida, mais cinco anos.

PODER DO PAI
Sou de Desemboque, Minas. Meu pai teve o primeiro aparelho de rádio da minha terra. Sabia de algo que Silvio Santos, esse da Igreja Universal e Roberto Marinho descobririam depois: quem detém a informação detém o poder. Botava o rádio baixinho, não deixava ninguém ouvir. O povo ficava na janela assistindo ao meu pai ouvir rádio. Ele lavava as mãos para ligar o rádio e punha o paletó. Ele me ensinou a ser respeitoso com essa coisa da informação.

MANGA E ZONA
Cheguei a SP num caminhão de manga. Tinha 15 anos, meu pai disse: "Atimbora", como Guimarães Rosa. Percebeu que eu estava pronto. Nas primeiras noites, dormi embaixo do caminhão. Até que um amigo me convidou para ir à zona. Eu: "Mulher, a coisa propriamente dita?!". Era acostumado com bananeira, bezerro, esses negócios da roça. Fiquei morando com madame Paulete. Ela tinha 40. Devo ter sido uma maravilha na vida dela, não? Ela me levou à rádio Tupi. Tinha um amigo locutor, que me arranjou um teste. O sujeito falou: "De onde é que sai a sua voz? Do sovaco?". Mas o operador ficou com dó e me chamou a trabalhar com ele.

VÍTIMA DA CRÍTICA
O único que estava na inauguração da TV e continua no ar sou eu. A Hebe teria de ir, mas preferiu sair com o namorado. Ia cantar o hino, que é lindo, do Guilherme de Almeida: "Vingou como tudo vinga, no teu chão de Piratininga". Ele fez a primeira crítica de TV, e fui vítima. Foi o primeiro Shakespeare da TV. Eu era o Hamlet. Ele escreveu: "O Hamlet até que tem o 'physique du rôle'. Quanto ao espetáculo esteve patético, mas não esteve ridículo". É o que tentamos ser a vida inteira na TV: patéticos, mas não ridículos.

COMUNISMO
Tínhamos uma célula importante antes de 64. Fui prestar depoimento, o Fleury me interrogou e o Tuma estava ao lado. Meu nome havia sido encontrado numa agenda do Prestes, com contribuições ao partido. Mas recebi uma mensagem avisando que deveria dizer "vendedor de livros". O escrivão perguntou se conheci Prestes. Respondi: "O vendedor de livros?". Ele: "Ah, como são ingênuos. Ele se passa por vendedor de livros para pegar dinheiro!".

CHATÔ
Com o Chateaubriand, mais que trabalhei, falava por ele. Ele teve um AVC [acidente vascular cerebral], ficou com limitações terríveis. Um dia, me chamou para ler um discurso dele. Ficou nervoso porque eu não compreendia, até que conseguimos nos entender, e passei a traduzir para as pessoas o que ele queria dizer.

ROBERTO MARINHO
Do doutor Roberto, eu era amigo. Na reinauguração do Cristo Redentor, fui apresentar a cerimônia. Com uns 90 anos, o doutor Roberto tinha quebrado a perna. A Globo armou uma liteira com quatro negros para carregá-lo. Ele disse que não ia subir naquilo e pediu para pegar no meu braço. Quando subimos os 200 degraus, falei: "Puxa, o senhor está melhor do que eu". Ele: "Era capaz de jurar que ia me dizer isso. Melhor coisa nenhuma". Já foi me chamando de puxa-saco. Era muito esperto! Os filhos eu não conheço. Não sei o que é a Globo atualmente. Hoje lá tudo é dirigido a partir do comércio. Toda novela tem como prioridade a produção: "O seu cabelo não está funcionando. Você gosta dele, mas é uma porcaria, o povo não gosta". Nunca é a partir da criação. Mas acho que isso é um problema de todos, não é?

37 FILMES
Fiz cinema também, 37 filmes hein? Tenho cinco para entrar, e ninguém fala, é uma tortura. É só Sassá Mutema. Não que me sinta injustiçado, não é o termo. Mas há uma falta de cuidado em analisar a minha obra, sempre em nome de uma piada. Além de "Depois Daquele Baile" e "Boleiros 2", vou estrear um do Manoel de Oliveira.

MANOEL DE OLIVEIRA
É um querido amigo, nem penso nele como cinema. Penso como é legal, gostamos de comer e beber vinho. Sabe que ele vai fazer uma continuação da "Belle de Jour" [A Bela da Tarde]? Com a Catherine Deneuve. Vai se chamar "Encore Plus Belle" [Ainda mais Bela]. "Plus belle et plus putaine" [mais bela e mais puta]. Ele é muito jovem, 97 anos. Numa entrevista, uma moça lhe perguntou: "E o futuro?". Ele: "Futuro? O futuro para mim é o paraíso ou o inferno. É o paraíso pelo clima ou o inferno pelas companhias".

SEXO SUBLIMADO
Não tenho paciência [para conquistar uma mulher. Para valer a pena,] hoje que estou com 76 anos, teria de ter outros encantos que não os da Maitê. Talvez a Fernanda [Montenegro], que é brilhante, ou o Manoel de Oliveira [risos]. Sublimei o sexo.

GUIMARÃES E BRUNA LOMBARDI
Sou leitor compulsivo de "O Grande Sertão: Veredas". Aquela adaptação da Globo [86] não podia dar certo. Pôr a Bruna Lombardi para fazer jagunço! O que é isso!? Uai, com aqueles olhos? Quis fazer a adaptação há muito tempo, com a Regina Casé. Ela é interessante como mulher e muito feia como homem
Nelson Oliveira
Enviado por Nelson Oliveira em 11/04/2006
Código do texto: T137494
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nelson Oliveira
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 55 anos
345 textos (25576 leituras)
2 áudios (313 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 08:47)
Nelson Oliveira