Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Belvedere entrevista Dr. Iso Jorge Teixeira, que fala sobre depressão

D E P R E S S Ã O

 

Nesta entrevista, Doutor Iso Jorge Teixeira, médico psiquiatra, livre-docente de Psicopatologia e Psiquiatria da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), coordenador do Curso de Pós-graduação Lato sensu de Psiquiatria, há mais de 10 anos, denominado Curso de Especialização em Psiquiatria – FCM-UERJ, nos fala sobre Depressão.

 

Belvedere - 1 - O que é a depressão, quais seus tipos e sua origem?

Dr. Iso Jorge – R – Resumidamente podemos definir a Depressão como uma síndrome (isto é, um conjunto de sintomas e sinais que correm juntos no tempo), que se caracteriza, principalmente, por 3(três) sintomas: tristeza, inibição psicomotora e lentificação do fluxo do pensamento. Além destes sintomas, destacamos a insônia ou hipersonia e a anedonia, isto é, falta de prazer para quase todas as atividades da vida.

            É importante não se confundir tristeza normal com depressão. Nesta, há perda da auto-estima, naquela não. Em essência, a qualidade da tristeza do deprimido implica sempre um desalento, um pessimismo e uma atrofia do porvir, isto é, há sempre na depressão uma alteração da dinâmica do tempo vivido, que não avança, e, freqüentemente, até retroage...

Podemos classificar a Depressão, baseados na Classificação Internacional de Doenças da Organização Mundial de Saúde (OMS) nos seguintes tipos:

a- Depressão no Transtorno Afetivo Bipolar (antiga Psicose Maníaco-depressiva), de origem, basicamente, genético-constitucional;

b- Episódio Depressivo (único), podendo ser de origem genética ou psicológica, isto é, derivada de traumas psíquicos ou neuroses;

c- Transtorno Depressivo Recorrente, com intervalos de normalidade entre as fases depressivas, também de origem basicamente genético-constitucional;

d- Depressão secundária a transtorno orgânico. Originadas de doenças orgânicas, como a arteriosclerose cerebral, sífilis cerebral, tumores cerebrais, doenças da tireóide, diabetes, portadores de HIV e doentes de SIDA, alcoolismo crônico, etc.

e- Transtornos persistentes do humor (ciclotimia e distimia). A ciclotimia caracteriza-se por uma alteração da personalidade, isto é, a pessoa tem o modo-se-ser anômalo, alternando por breves períodos a alegria e a depressão leve, mas crônica. E a distimia seria um transtorno crônico da personalidade, com um modo-se-ser  pessimista, muito freqüente em neuróticos.

 

Belvedere - 2 - A história da depressão no Ocidente passa por fases bastante distintas; poderia, em síntese, comentá-las?  Como eram tratados os pacientes, nessas diversas fases, antes que chegássemos aos tratamentos atuais?

Dr. Iso Jorge – R – A Depressão, ou melhor, a Melancolia foi um termo criado pelo médico grego HIPÓCRATES, o Pai da Medicina, no século IV a . C. Para ele, esta doença seria decorrente do excesso de “fluido” negro no organismo – a “bílis negra”. Segundo HIPÓCRATES, as saúde seria a resultante do equilíbrio dos fluidos (humores) no organismo, na sua célebre “Teoria dos humores”. Assim, o tratamento proposto para a Melancolia era, basicamente, a sangria...

            A tese hipocrática prevaleceu durante vários séculos. Somente no século 19 este tipo de concepção foi mudado, definitivamente, através do psiquiatra alemão EMIL KRAEPELIN, em que a doença ( Psicose Maníaco-depressiva) foi descrita em seu curso natural, isto é, com fases bem marcadas de euforia (mania) e depressão, com “intervalos lúcidos” entre ambas as fases. Nesta época ainda predominava a idéia da degeneração, iniciada em 1857, que desembocou mais tarde no conhecimento da Genética e Bioquímica cerebral.

            A partir da década de 1930,  descobriu-se, por acaso, a ação terapêutica, benéfica, da eletroconvulsoterapia (ECT). Assim, os tratamentos pela ECT generalizaram-se pelos ótimos resultados conseguidos, pois antes da descoberta da ECT, os medicamentos utilizados eram excitantes do sistema nervoso central , os quais, desinibindo a motórica dos pacientes, levavam-nos facilmente ao cometimento de suicídios...

Em meados do século 20, com a descoberta de substâncias antidepressivas, e melhor compreensão da fisiologia cerebral, o conceito de Depressão ampliou-se muito, a nosso ver, propiciando a venda cada vez maior de medicamentos antidepressivos.

Paralelamente, a partir do início do século 20 houve o desenvolvimento da Psicanálise e o entendimento maior do Ser humano, do ponto de vista filosófico, através da Antropologia existencial, por isso, a Depressão foi mais bem compreendida do ponto de vista psicológico e existencial e, portanto, iniciou-se o tratamento psicoterápico nestes pacientes.

 

Belvedere - 3 - Como  é   tratada, atualmente a depressão?

Dr. Iso Jorge – R – O tratamento atual da Depressão é feito através de medicamentos denominados antidepressivos. Há vários tipos de antidepressivos. Em última análise, objetiva-se aumentar o nível de aminas cerebrais nas terminações nervosas (nas sinapses cerebrais), pois vem sendo demonstrado, que há uma funcionalidade menor destas aminas cerebrais na Depressão, especialmente da Serotonina e da Noradrenalina.

            Atualmente, ainda tem sido aplicada a eletroconvulsoterapia para os casos graves de Depressão, com resultados muito bons.

            Já o Lítio, uma substância considerada moduladora do humor deve ser utilizado preventivamente em pessoas que tiveram Depressão, no Transtorno Afetivo Bipolar, embora o Lítio seja predominantemente mais útil nos casos de mania (euforia).

 

Belvedere 4 – Como são tratados, atualmente, os pacientes que sofrem de depressão?

Dr. Iso Jorge – R – Bem, essa distinção da nossa amiga entrevistadora, parece-me importante. Uma coisa é tratar a depressão, outra é tratar o deprimido. Sendo o homem um todo bio-psico-sócio-cultural e espiritual, o tratamento do deprimido não deve se ater, somente, ao aspecto biológico da Depressão... É preciso que, aliado ao tratamento medicamentoso, que se faça uma psicoterapia no paciente deprimido, buscando que ele assuma projetos futuros, pois, como o  dissemos, há no deprimido uma atrofia do porvir.

            Além disso, as interações sócio-familiares devem ser abordadas para que seja observada a eventual valência patogênica, maior ou menor, do meio e para que o familiar saiba como lidar melhor com o deprimido, por exemplo, que não o julgue um “preguiçoso”, ou “vagabundo”, como muitos já se referiram assim a estes pacientes.

 

Belvedere – 5 - Que  danos ao organismo pode causar  a  depressão não tratada?

Dr. Iso Jorge – R – A Depressão, em si, não é danosa para o organismo, mas, se não for tratada convenientemente ela acarretará, certamente, complicações orgânicas; pois, o paciente apresentando aquela tríade de sintomas, que destacamos no início desta entrevista, poderá não se alimentar por inapetência e, conseqüentemente, alterar-se a  Fisiologia orgânica em geral. Além disso, a insônia, sintoma muito comum, também acarretará complicações orgânicas.

            A inibição psicomotora do deprimido leva-o a descuidar-se do seu corpo, da sua higiene pessoal, o que poderia conduzir a infecções bacterianas, etc. e até com risco de vida.

 

Belvedere - 6 - Qual a relação entre depressão e suicídio?
Dr. Iso Jorge – R – As estatísticas não são uniformes, mas há uma nítida correlação entre Depressão e suicídio. Estima-se que 10 – 15% dos pacientes deprimidos tentam contra a própria vida , há autores que elevam este percentual para 28-70 %, que me parece um exagero e uma imprecisão. No Brasil, não existem estatísticas com boa metodologia.

            O paciente com depressão, não tendo perspectivas, permanece ruminando o passado em tudo que ele possui de ruim, e só vê como “alternativa” para sua problemática o suicídio, por isso este é muito comum nos estados depressivos.

            Gostaríamos de ressaltar que nem sempre quem tenta o suicídio deve ser considerado “deprimido”. Este é um erro que está se alastrando na Sociedade, inclusive, colegas psiquiatras estão sendo envolvidos por essa errônea concepção, especialmente pela propaganda da indústria farmacêutica. Por exemplo, já recebi inúmeras propagandas de Laboratórios com ilustrações de quadros de Vincent VAN GOGH, afirmando-se que ele teria sofrido de “depressão”...

            Sabemos que VAN GOGH suicidou-se, mas não aceitamos tal diagnóstico. A atitude impulsiva ao cortar a própria orelha, após uma briga com GAUGUIN, as crises com perda de consciência, além de outros atos impulsivos em sua biografia, falam a favor de epilepsia psicomotora, e não de depressão. A nosso ver, o suicídio de VAN GOGH foi um ato impulsivo, e não depressivo.

 

Belvedere - 7 - Quando  a depressão pode levar o  paciente à internação ?

Dr. Iso Jorge – R – A nosso ver, o paciente com depressão deveria ser internado quando o seu caso for muito grave, isto é, quando na sua sintomatologia incluírem-se sintomas denominados psicóticos (idéias deliróides de ruína, de culpabilidade, de negação dos órgãos, etc.), além de risco iminente de suicídio.

 

Belvedere - 8 -  Existe no país uma política de saúde adequada  para o diagnóstico - detecção e tratamento da depressão?

Dr. Iso Jorge – R – A política de Saúde em nosso País está quase falida. Os Hospitais e Ambulatórios de Psiquiatria estão quase totalmente desaparelhados do ponto de vista material e de pessoal. A política de desinstitucionalização, aparentemente buscando a “humanização” do tratamento, na realidade vem piorando a situação dos pacientes em geral, pois o “neoliberalismo” outrora criticado pelo Partido do Governo, vem sendo implementado, ao se afirmar que as famílias que cuidem de seus doentes, embora se prometa um salário mínimo para as famílias carentes manterem seus doentes em casa, não-internados... Paralelamente, existem os CAPS (Centros de Atenção Psico-social), inspirados na chamada Antipsiquiatria, em que tais Centros trabalham baseados no sofisma de que a Sociedade é que seria doente, e o doente (a quem chamam de “usuário”) seria menos doente do que a Sociedade, porque se alhearia dela... Foi com essa falsa Dialética, que o Projeto Paulo Delgado tornou-se Lei há alguns anos e nada de produtivo trouxe do ponto de vista epidemiológico para a saúde mental das pessoas...

Nos CAPS o que se vê é um descuido, cada vez mais crescente, pelo diagnóstico, e há casos em que alguns psicólogos chegam ao cúmulo de aconselharem pacientes deprimidos graves para que abandonem os medicamentos (dos quais eles desconhecem o mecanismo de ação), pois seriam “muito tóxicos”, o que me parece uma irresponsabilidade. A estes, costumamos denominar, jocosamente,  “pepsicólogos”...

 

Belvedere - 9 -A depressão , nos tempos atuais,  ainda é uma doença estigmatizante? Dr. Iso Jorge – R – Sim, a Depressão ainda é uma doença estigmatizante... No passado, houve um excesso de aplicações da eletroconvulsoterapia e uma campanha contra tal tipo de terapêutica. Conseqüentemente, os doentes que se submetiam a este tipo de tratamento foram estigmatizados. Mesmo atualmente, com a diminuição drástica da eletroconvulsoterapia, e o simples uso de drogas psicotrópicas, ainda conduz à estigmatização dos deprimidos.

Além disso, há um aspecto subjetivo das pessoas deprimidas, que usam antidepressivos e outros psicotrópicos, que contribuem para a permanência do caráter estigmatizante não só dos deprimidos, mas dos doentes mentais em geral... A este respeito, vamos citar um pequeno trecho do livro “O Demônio do Meio-Dia – Uma Anatomia da Depressão”, de ANDREW SOLOMON, onde o autor relata a sua história pessoal de vários episódios depressivos. Disse ele:

            “A prescrição constante da medicação é um lembrete de minha fragilidade e imperfeição; e sou perfeccionista, preferiria ter atributos inviolados, saídos da mão de Deus”. (op. cit, Ed. Objetiva, Rio de Janeiro, 2002, p. 58).

            Há empresas que não aceitam pessoas para o trabalho, se souberem que eles estejam em uso de medicação psicotrópica; ou seja, tanto o paciente, quanto a própria Sociedade ainda estigmatizam  não só o paciente depressivo, como também os doentes mentais em geral. Os Hospitais psiquiátricos ainda são estigmatizantes, mas a solução não seria fechá-los, como está sendo realizado, após a aprovação da “Lei Paulo Delgado”,  e sim humanizá-los!... Tal atitude da antipsiquiatria faz-nos lembrar aquela piada em que o marido que tem sido traído no sofá da sua própria residência e que ao tomar conhecimento do fato, resolve solucionar o problema tirando o sofá da sala...

 

Belvedere -10 - Qual o tempo necessário para que um medicamento antidepressivo comece a surtir efeito?

Dr. Iso Jorge – R – Bem, como o dissemos, há vários tipos de antidepressores. Os Laboratórios têm trabalhado para, cada vez mais, diminuir o tempo de início da ação dos antidepressivos. Assim, o milnacipram agiria a partir da 4 ª semana de uso. A fluoxetina, a paroxetina e escitalopram a partir da 3 ª semana; a venlafaxina, na 2 ª semana e a duloxetina na 1 ª semana....

            Quanto mais rápido for o início de ação do antidepressivo, menor é o risco de suicídio.

 

Belvedere - 11- Por que ocorre a depressão pós-parto?

Dr. Iso Jorge – R – O trabalho-de-parto é um processo fisiológico no organismo da mulher, gravidez não é doença; não obstante, há uma série de modificações neuro-endócrinas do organismo na gravidez. Se esta for acompanhada de muitos traumas psíquicos, conflitos emocionais e se a mulher tiver uma predisposição genético-constitucional, ela poderá apresentar a chamada “depressão pós-parto”; enfim, no pós-parto só ocorre depressão se houver predisposição, psíquica ou genética.

 

 Belvedere -12 -  As mulheres sofrem   mais de depressão que os homens?

Dr. Iso Jorge – R – Sim, segundo as estatísticas, concordantes mundialmente, a mulher sofre mais de depressão do que o homem, na proporção de 3 para 1. Por isto, questionou-se se não haveria uma alteração específica no(s) cromossoma(s) X, pois se sabe que o par de cromossomas feminino é XX, ao passo que no homem é XY. Depois de muita pesquisa, a conclusão dos estudos de marcadores ligados ao cromossoma X em Transtorno Afetivo é a seguinte (cf. BELLIVIER F et LEBIYER M. - Encycl. Méd. Chir., Paris, 1997):

“O conjunto dos dados sugere a existência de uma heterogeneidade genética, imputável seja à existência de diferentes formas da doença (ligadas ou não aos marcadores do cromossoma X) e/ou à presença de vários fatores de suscetibilidade sobre o cromossoma X”.

 

Belvedere -13 - Acredita que um dia o ser humano conseguirá viver sem depressão, levando-se em conta os avanços tecnológicos?

Dr. Iso Jorge – R – O avanço tecnológico poderá conseguir, sim, debelar a depressão e até preveni-la; mas, só cessarão de existir os deprimidos, quando a humanidade estiver regenerada, isto é, quando os seres humanos respeitarem-se mutuamente e não houver mais traumas psíquicos. Seria esta uma utopia nossa? Que seja! Como disse o escritor  irlandês e teatrólogo BERNARD SHAW:

“Alguns homens vêem as coisas como são, e dizem ‘por que’? Eu sonho com as coisas que nunca foram e digo ‘por que não’?”.

 

Belvedere- 14 -  Deixe uma mensagem aos leitores, com enfoque no tema da entrevista. Dr. Iso Jorge – R – A Depressão é um Transtorno do Humor de difícil tratamento, especialmente quando ele é recorrente, recidivante, e possui caráter genético-constitucional. A lentidão psicomotora do deprimido não deve ser confundida com “preguiça”, “vagabundagem”, etc. ; a Depressão é uma Doença do Ânimo, que pode conduzir a um fim trágico, inexorável e indesejável.

            A idéia de suicídio deve ser tratada imediatamente, pois o livre-arbítrio da pessoa deprimida está comprometido, não há liberdade neste ato do deprimido. O suicídio não é solução, e sim um grave problema, segundo todos os segmentos religiosos e mesmo para aqueles  que não são adeptos de nenhuma religião...

            Todos nós devemos nos comprometer com projetos futuros, autênticos, e, como dizia o poeta RILKE, devemos “caminhar para a morte com os lábios sorrindo”, ou seja, a morte (deixar de Ser) não deve ser encarada com uma fatalidade e sim como possibilidade, especificamente humana, em sua transcendência; assim, ela não deve ser temida nem desejada, porque em ambos os casos seria viver na inautenticidade, de forma doentia.

            Finalmente, gostaríamos de agradecer à ilustre escritora e poetisa BELVEDERE BRUNO pela oportunidade ímpar que nos concedeu para esta conversa com seus fiéis leitores sobre assunto tão grave e atual. A poetisa BELVEDERE BRUNO revela nas suas perguntas a versatilidade de uma verdadeira escritora, numa entrevista sobre assunto científico, que exige rigor, precisão; por isso, parafraseando os antigos navegadores, especificamente POMPEU, o Grande (ano 70 a.C.), não bem entendido por muitos, pela confusão semântica entre precisão e necessidade, concluiremos assim:

            “Tratar a depressão é preciso, mas tratar o deprimido não é preciso”. A vida é para ser VIVIDA. E em homenagem à grandeza de alma da nossa poetisa-entrevistadora BEL, fica aqui um trecho do grande poeta português FERNANDO PESSOA, que também deve servir de estímulo àqueles que sofrem de Depressão:

“Valeu a pena? Tudo vale a pena.

Se a alma não é pequena.”.

           

 

 
belvedere
Enviado por belvedere em 15/10/2005
Reeditado em 03/04/2006
Código do texto: T59815

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Texto de Belvedere Bruno). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
belvedere
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil
220 textos (73247 leituras)
5 e-livros (1070 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 22:11)
belvedere

Site do Escritor