Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

" Entrevista com uma ET " - Quarta parte

                       
                        " ENTREVISTA COM UMA ET "

                       " Entidade Transdimensional "

                              - O Doutor Pissikó -


Entrevistador:  João Dalfiore

Convidados:

Jayro Melancia  :  Mestre cerimônias e animador espiritual
Fizim Katuá      :  Mestre cerimônias e conselheiro espiritual
Mustafá Boddê  :  Médium
Elegê               :  Oratória, política e assuntos jurídicos
Pebalbi             :  Animador de fogão e assuntos de ecologia
Zé Canjica        :  Musica, poesia e balé
Especial           :  Banda de Congo Amores do Sol e Mestre
                                      " Bilboquê "


Doutor Pissicó, vamos deixar um pouco o lado científico e filosofico, e vamos falar um pouco novamente de amenidades. È coisa que o nosso povo adora!
Gostaria que o Senhor sentasse na minha esteira, ou deitasse, voces tem esta mania de deitar: E vamos trocar isqueiros?

Como trocar isqueiros Zenhor Dalfiore, que língua é esta?

É uma maneira que se usa aquí, principalmente na TV. È um lambe-lambe, é um soltanto "Pum" na cara do outro e dizendo que o "Pum" é cheiroso, aliáz, uma troca de amabilidades conversativas, sérias!
Imitemos os nossos políticos!
Então, podemos conversar, se sente confortavel?

Dalfiorra, senhor um montanha de más intenções!

Não confia no meu taco Dr. pissicó?

Que o altíssimo me broteja!

Ah! Amabilíssimo Dr. Pissikó, quanta alegria me trazes ao saires de um lugar tão maravilhoso, atravessar a muralha densa da energia da terra, para nos brindar com a sua sabedoria ímpar, imenso caráter, e luzes "Iluminadas" pelo explendor da aurora boreal, do espírito e da graça...

Zenhor Dalfiorra, por favor, senhor está me deixando com o boca sêca, garganta irritada, nervosa! Vamos dirreto ao assunto: Meu garganta sêca, meu paciencia esgotada. Senhor tem alguma coisa parra beber, molhar o goela?

Agua cristalina da fonte, um suco de caju docinho!

Senhor não entender: Eu querro um água destilada do cana, uma Cachaça, para aguentar o tranca. Cachaça Dalfiore, da boa!

Doutor Pissicó, eu ia sugerir um vinho, um espumante Italiano!

Hoje eu quero beber cachaça, se não tiver eu vou subir!

Nunca, nunca, Jamais! Senhor é meu convidado de honra! Por tí Ó grande Pissikó, eu me viro pelo avesso, e lhe darei uma cachaça maravilhosa feita pelos Italianos de Santa Teresa. Meus antepassados conheciam esta arte!
Meu Bisavô fez a primeira cachaça da região. Uma maravilha! Diziam ser a melhor do seu tempo!
A propósito, ele ja saiu do "Umbral"?

Sim... Sim... Ja encarnou no orriente. Tem um grande plantação de Alcachôfra e Boldo Verne! Está reparrando o estrago!

Então vamos beber e conversar!

Senhor Bodê aguenta o porrada?

Plenamente! O que bate o organismo processa!

Então parra de me chamar de Doutor! Sou uma esbírrito democratico. E nunca fui médico!

Pissicó, uma pergunta me agita: Porque todo o mundo ordenha o Brasil?
Eles vêm aquí, tiram o leite bom e depois nos mandam pastar o capim seco, para produzir mais leite bom. È uma roda viva!
Nós enfiamos o rabo no meio das pernas e ficamos felizes. Acreditamos ser o povo mais feliz do universo!

Barrasil povo muito bom. Só sabe peidar!
Bresil precisa dar chifradas e bontapés. Brecisa um revoluçom no carráter para construir um grande nação!
Brasil brecisa olhar parra o Orropa, o Álemanha, o Itália, o França!
Oh! Dalfiore, Brasil está adquirindo uma alma Haitiana, como bresil querer ser um naçon bem sucedida?


Pissicó, o senhor gosta de uma batucada?

Não muito. Prefiro o violino e um bom Barítono Alemão cantando Schubert, mas quando eu tomo umas cachaças, eu adorra o batuque, e os mulatas mexendo os trazerras!
Ontem estive no Belrizonte. Ô lugar de butecadas e cachaçada das boas. Adorra tambem o torresmo a purrurruca que só o fêmea de Minas sabe breparar.

Antigamente eu ia no Ôrra Preta para beber licor de larranja, e ouvir o seresta.
Ôrra Breta, nas noites de sexta ferra, erra um festa parra o boemia. Pena que acabou!
Quem não viu não vera jamais!
O antigamente tinha muitos cantores, muito respeito, e um qualidade nas musicas que nem te falo Dalfiore!
Tenho vontade de chorar quando lembra aqueles belos tempos que se foram!

Encontrava muitos amigos do Itália. Paganini ia passear lá no sábado. Havia um tocador de Rabeca. Paganini cismou que ele seria um virtuose do rabeca.
Incorporava nele e ficava tocando os valsas de Minas, mas o infeliz gostava de um vinho de canela, e o "Paga" tambem. O resultado é que aquele cidadão, a uma determinada hora não tocava nada, tampouco Paganini.
Uma noite, Paga se aborreceu tanto com o rabeca, e o rabequeiro, que quebrou o instrumento!
Ficou depois arrependido, adormentado, não dormia. Entrou num puta depressão. Não querria mais viver!
O pior é que ele não tinha um alternativa: Era viver e eternamente viver, como fugir deste labirrinta?
Uma tarde-noite, estivemos em Mariana e ele se comunicou no mesa, com o bresidente de um casa espírrita, e conseguiu um violino parra o seu amigo de Ôrra Preta.
Que belo gesto de amizade Cristã dos confrades esbírritas!

Senhor sabia que Paganini quase sempre tocava em transe mediúnico? Por isso ele é a síntese do violina. Alem de ser uma gigante com um arco na mão, tinha ainda uma grande ajuda espirritual!
O Génio não é gênio sozinho. Por trás de todo grande mestre existe um mentor maior.
Puccini, Vivaldi, Chopin, Beethoven e Schuman, entre outros, tiveram a seu favor grandes mestres a seu serviço e da humanidade.
Tudo tem um toque espiritual Dalfiore. Se o homem imaginasse assim, bem melhor seria o terra que é de todos nós e dos guardiões.
Precisamos abrir os nossos corações para recebe-los, e a sensibilidade para que eles atuem em nossas vidas.
Assim procedendo, poderíamos construir um mundo mais belo, como no tempo das rabecas e das serestas maravilhosas do Ôrra Preta.

E as outras Cidades sagradas de Minas?

Todos os grandes mestres do barrôco Italiano, Alemão, Bélgica e outros, trafegam livremente e alegremente pelas ruas de Diamantina e São João.
Eles vem pela beleza, pelo prazer de estar nestes lugares onde a genialidade imperou!
Brasilerro não se importar com os nossos monumentos artísticos. Não saber o que é um "Monumenta", e nem o governo se interessa em divulgar. Todo estudante de belas artes deveria fazer pós graduação nas cidades de Minas, de Olinda, Salvador!
Brasilerro precisa fazer as pazes com o seu passado de grande beleza artistica.
Precisamos resgatar este passado com intensidade, antes que o Brasil se atole no vazio da sub-cultura Amerricana, ou nas esquisitices do caribe!

Senhor sabia que Ôrra Breta é a Cidade do Brasil que mais recebe turistas da outra dimensão?
Que o Bresile é o segundo lugar, só perde parra o Itálie?

Quantos turistas recebe o Brasil?

Dez bí!

Dez bilhões de turistas! Isso rende quanto para a nação?
Turismo espiritual não dá lucro Pissicó! O senhor é um bom exemplo. Vem aquí para comer fluído de linguiça de porco com gases etílicos!

Engano Senhor Dalfiore! Imagine Senhor Buda chegando em uma cidade, e trazendo aquela imensidão de paz; São Francisco de Assis, com aquela carga imensa de humildade; A mãe santíssima, com as mãos e o coração cheio de perdão, distribuindo a luz?
Quanto vale uma chuva Dalfiore, uma manhã de sol!
Bençãos tem valor monetário?

No carnaval, tambem vem muita gente?

SimSim, como não? A fina flor da elegancia e do bom gosto!
Sabe quem é o patrono espiritual do Mangueira? Michelangelo!
Do Mocidade do Badre Miguel? Catarina de Médices!
Do Beija-Flor? Madame de Pompadour!
Quem poderia criar uma espetáculo maestoso, sem estes criaturras que iluminam o terra com o eqsplendor de sua arte imortal?
Senhor não sabe de nada Dalfiore!
E não me chame de cachazerro, eu te proíbo este ofensa!

Desculpe Pissicó, eu só estava pensando alto!
E muito obrigado por me lembrar dos lugares do meu coração. Bela lição de vida meu amado Pissicó.

Pissikó, Senhor tem ido a Diamantina?

Sim... Sim... È o minha caminho: Os diamantes das Gerais!

E por falar em diamantes, tem visto o Dr. " UAI "?

Oh! Como não, como não?  Meu amiga querrido!
Sofreu um grande depresson. Cabelo ficou branca, não conseguia dançar o valsa: Derrubadinha!
Situação Brasile Dalfiore: Ele deixou o bresil com o " Bossa Nova " , e o Brasile virou um " Bossa Velha " - Um país encarquilhado, velho, esburacado, e com o lei do Faroeste. Hoje o bandido é que determina como deve ser praticada o lei.
UAI arranjou até uma fêmea parra o bresil, fez o casamento e o fêmea é "mal falada". Perdeu o morral!

No seu época, o brasil era o namorado do Amérrica, e do Orropa. O Russia se encantava com este bríncipe maschio. Amava-o em segredo.
Hoje ele está jogado nos braços do Venezuela e do Argentina. Onde foi o bom gosto do nosso menino-velho?

Doctor "UAI" está conspirrando no Ôrra Preta. Ele e grandes estadistas: Barão do Rio Branco, Joaquim Nabuca, e outros notáveis!
Até o grande Vinston Xurxil, que é preocupação purra com Brasile.
Eles querem um estadista de Minas Gerais para colocar o Brasil no mundo real.
O próximo presidente terá que ser um diamante raro, vindo das gerais, parra abrilhantar o nação Brasilerra!

Precisamos acabar com este complexo de " ALZIRO ZARUR " e colocar o trabalho nas mãos do povo!
Precisamos de um Brasil fulgurante, como nos tempos do Dr. `UAI!`.

Não me pergunte mais nada, eu não respondo!

Nem quando ele virá nos dar um entrevista, deitar na minha esteira?

Falarrei com ele a respeito!

Alguma outra coisa antes de encerrar a entrevista, e Píssikò se ir?

Chame o banda de Congo de mestre Bilboquê,
Querro ouvir zenhor Katuá e Zé Canjica cantando os modinhas de Minas Gerais, e o "peixe vivo" com bastante alegria!

         Um noite de paz e esperrança!





Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 16/10/2007
Reeditado em 17/10/2007
Código do texto: T696304

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jose Balbino de Oliveira
Vitória - Espírito Santo - Brasil
414 textos (180884 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/10/17 09:11)

Site do Escritor