Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Palavras VI


De qualquer jeito – jeito todo – um – para te amar.

Por acaso se me quiseres estou aqui – caso contrário – sobrevivi.

Nunca mais. É duro. Nunca mais. Nem por um momento. Nunca mais. No escuro com o Deus do nunca.

Qualquer disfarce – que me faça entender está distância – esta amargura de não ter você.

Pensei em me matar. Pensei bem. Continuei pensando. Não tive coragem – continuei te amando.

Imaginei-me morto passeando pelo céu – ou inferno - quando fui indagado por Deus ou Satanás – se conhecia você. Acordei assustado.

Se tudo é carnaval – vamos embora pessoal.

Aonde ir, ficar e permanecer – se meu “habeas corpus” foi indeferido.

A alta corte não julga crime - bagatela – se espelha – no político da caverna.

Marx – mandou trabalhar na economia informal.

Hermínio – se intitulou cara de pau.

Pouco estudo. Não trabalha. Muito estudo não trabalha. Analfabeto espalha.

Silvio fechou o Baú.

O céu não é mais azul.

Raul – perdeu o medo da chuva.

Roberto foi para o inferno (sem querer) e esqueceu de levar o Erasmo.

A novela continua nua.

Dirceu e Ateneu – nova dupla sertaneja.

Lava o teu e eu lavo o meu. (Com relação ao dinheiro).

Hebe morre e bebe.

Fantástico qualquer coisa de plástico.

Interessante notícia maçante.


atanazio mario fernandes Lameira
Enviado por atanazio mario fernandes Lameira em 24/02/2006
Código do texto: T115617
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
atanazio mario fernandes Lameira
Laguna - Santa Catarina - Brasil
364 textos (12407 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 10:49)
atanazio mario fernandes Lameira