Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

EU A FELICITO ou EU LHE FELICITO?

______________________________________________________

Dúvidas Gramaticais

 

De acordo com as regras do registro culto, o verbo felicitar é transitivo direto. Transitivo, porque a ação verbal transita pelo verbo e se dirige ou termina no objeto. Portanto, este verbo pede um complemento, isto é, um objeto direto (quem felicita, felicita alguém) e, como objeto direto, nós só podemos empregar, neste verbo e nos verbos transitivos diretos, os pronomes oblíquos [o, a, os, as]:

   Eu a felicito (= eu felicito você).

   Eu o felicito (= eu felicito você).

   Convido-os (= convido vocês ou os amigos).

   Deixa-o brincar (= deixa o menino brincar).

   Não o encontrei (= não encontrei o livro).

O [lhe, lhes] só quando o verbo reclamar objeto indireto. Foge a regra quem, por exemplo, diz ou escreve [eu o obedeço], porque o verbo obedecer é transitivo indireto, já que quem obedece, obedece [a alguém]. Os verbos transitivos indiretos prendem-se aos complementos verbais (objetos indiretos) por meio de uma preposição:

   Eu lhe obedeço (= eu obedeço a alguém).

   Não lhe bata (= não bata no menino).

   O rei perdoou-lhe (= o rei perdoou ao servo)

   Eu não lhe pago porque não lhe devo.

Entretanto, no padrão popular a historia é bem diferente. O uso desses pronomes foi alterado. No Português falado no Brasil, seja por falta de conhecimento sintático, seja pela espontaneidade da fala, o pronome obliquo [o] foi eliminado. Em seu lugar, exercendo a função de objeto direto, passou-se a usar [ele, eles, ela, elas], prática ainda inaceitável na linguagem culta:

   Eu procurei ele o dia todo (culto: eu o procurei o dia todo).

   Eu vi ela no baile (culto: eu a vi no baile).

   Nunca cumprimentei eles (culto: nunca os cumprimentei)

Cuide de sua escrita, pois esse "costume popular", como já salientei, é inadmissível no padrão culto. ®Sérgio.

____________________

Ajudou na elaboração do texto: SILVA, Sérgio Nogueira Duarte da. O Português do dia-a-dia. Rocco, Rio de Janeiro, 2003.

Se vocêencontrar omissões e/ou erros (inclusive de português), relate-me.

Agradeço a leitura e, antecipadamente, qualquercomentário. Volte Sempre!

Ricardo Sérgio
Enviado por Ricardo Sérgio em 30/01/2009
Reeditado em 21/05/2011
Código do texto: T1413999
Enviar por e-mail
Denunciar

Sobre o autor
Ricardo Sérgio
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil, 67 anos
1281 textos (15346070 leituras)
7 e-livros (6392 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/12/14 22:35)
Ricardo Sérgio



Rádio Poética