Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A ANTONOMÁSIA E A PERÍFRASE

___________________________________________________

Figuras de Linguagem Aparentadas

 

1. A Antonomásia

É uma variante da metonímia, ou seja, uma substituição de um nome por outro que com ele tenha relação, isto é, designamos uma pessoa pelos seus atributos ou por uma qualidade, ou ainda por uma característica (ou fato) que a distingue. A antonomásia é muito utilizada nos textos escritos e falados. Veja alguns exemplos:

  O Divino Mestre passou pela vida praticando o bem.

  O Poeta dos Escravos morreu na flor dos anos.

Eis uma pequena lista de antonomásias:

O Poeta dos Escravos - Castro Alves.

O Patriarca da Independência - José Bonifácio.

O Águia de Haia - Rui Barbosa.

O Salvador, o Nazareno, o Redentor, O Divino Mestre - Jesus Cristo.

O Herói de Tróia - Aquiles.

O Berço dos Faraós - Egito.

O Herói das Termópilas - Leônidas.

O Pai da Medicina - Hipócrates.

Na linguagem popular, o apelido, a alcunha é uma forma de antonomásia.

2. Perífrase

Do grego perifrasis = em torno da frase, também conhecida por circunlóquio, rodeio; consiste em substituir uma palavra por uma série de outras, de modo que estas se refiram àquela indiretamente:

  A dama do teatro brasileiro foi indicada para um Oscar.

Em lugar de nos referirmos diretamente a Fernanda Montenegro, criamos a perífrase "A dama do teatro brasileiro".

Outros exemplos:

  Visitamos a Cidade Eterna (= Roma).

  Ultima flor do Lácio (= língua portuguesa), inculta e bela. (Bilac)

  O astro rei (= sol) brilha intensamente.

  Aquele que tudo pode (= Deus) nos protege.

  O país do futebol (Brasil), é adorado por seus filhos.

  As pessoas que tudo querem (= os gananciosos) nada conseguem.

Tendo em vista os exemplos dados, é de se notar que a perífrase é muito parecida com a antonomásia; tanto é que muitos autores não fazem distinção entre essas duas figuras, ou mesmo confundem uma com a outra. Em termos práticos, a antonomásia refere-se somente a nomes próprios; e a perífrase serve para substituir qualquer palavra, seja ela um nome próprio ou não.

"No geral, a perífrase é utilizada como uma quebra de estilo para evitar a monotonia das frases feitas e criar novas relações metafóricas." (MOISÉS, Massaud. A Criação Literária; São Paulo: Cultrix, 1966.)

Cultivada desde a Antiguidade Clássica, a perífrase alcançou notoriedade durante o Barroco. Depois passou a ser menos apreciada; hoje aparece, na literatura, apenas esporadicamente. ®Sérgio.

Outras Figuras: (clique no link)

O Assíndeto e O Polissíndeto

O Pleonasmo e A Redundância

A Metáfora e suas Ramificações.

Aliteração, Assonância e Paronomásia.

A Onomatopeia.

Lítotes – Figuras de Linguagem.

________________________________________

Para maiores informações sobre o assunto ver: Rocha Lima, Gramática Normativa da Língua Portuguesa.

Se você encontrar omissões e/ou erros (inclusive de português), relate-me.

Agradeço a leitura e, antecipadamente, quaisquer críticas ou comentários. Volte Sempre!

Ricardo Sérgio
Enviado por Ricardo Sérgio em 26/11/2009
Reeditado em 20/05/2013
Código do texto: T1946173
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ricardo Sérgio
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil, 67 anos
1281 textos (14821342 leituras)
7 e-livros (6190 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/10/14 01:47)
Ricardo Sérgio



Rádio Poética