CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto
VERBO HAVER

 

          O  verbo haver, conforme o seu significado, pode empregar-se em todas as pessoas ou apenas na 3ª pessoa do singular.

     1. Emprega-se em todas as pessoas:

a) Quando é auxiliar (com sentido equivalente a ter) verbo pessoal, quer junto a particípio, quer junto a infinitivo antecedido da preposição de.

"O tempo que hei sonhado/ Quantos anos foi de vida!" (Fernando Pessoa)
"Deixe: amanhã hei de acordá-lo a pau de vassoura!" (Machado de Assis)

b) quando é verbo principal, com os significações de "conseguir", "obter", "alcançar", "adquirir".

"Donde houveste, ó pélago revolto,/Esse rugido teu?" (Gonçalves Dias)
"Tão nobre és, como os melhores, e rico; porque a ninguém mais que a ti devem de pertencer as terras que teu avô Diogo Álvares conquistou ao gentio para El-Rei, de quem as houvemos nós e nossos pais." (José de Alencar)

c) quando é verbo principal, com a forma reflexa, nas acepções de "portar-se", "proceder", "comportar-se", "conduzir-se". Exemplos

"Soares houve-se como pôde na singular situação em que se achava." (Machado de Assis)
"Não vão crer que era pesar nem dor; por ocasião do casamento, houve-se com grande discrição, cuidou do enxoval da noiva e despediu-se dela com muitos beijos chorados." (Machado de Assis)

d) quando é verbo principal, também com a forma reflexa, no sentido de "entender-se", "ajustar contas":

"Dava Belmiro passagem de graça a gente pobre, e se por acaso aparecia valentão no seu trem, teria que se haver com ele." (José Lins do Rego)

e) quando é verbo principal, acompanhado de infinitivo sem preposição, com sentido equivalente a "ser possível":

"Não há negá-lo, o apito é de uso geral e comum." (Machado de Assis)
"Não havia contê-los," (Euclides da Cunha)

     2. É raro nos escritores modernos, mas muito freqüente nos do português antigo e médio, o uso pessoal do verbo haver, como verbo principal, na acepção de:

a) "ter", "possuir":

"Hei medo de deixar nome de injusto." (A. Ferreira)

b) "julgar", "pensar", "considerar", "ter para si":

"Por bom hei guardar o gado." (C. Falcão)


3. Comparem-se as expressões:

a) haver por bem = dignar-se, resolver assentar, julgar oportuno ou conveniente:

"Havemos por bem liberar o uso de camisas de mangas curtas."

b) haver mister = precisar, necessitar:

"Ora, o soldado, entre nós, há mister de três benefícios urgentes."

     4. Emprega-se como impessoal, isto é, sem sujeito, quando significa "existir", ou quando indica tempo decorrido. Nesses casos, em qualquer tempo, conjuga-se tão-somente na 3ª pessoa do singular:

     "Havia pitangueiras na praia." (A. F., Schimidt)

     "Há três anos vivemos uma vida horrível." (Graciliano Ramos) 
     
     "Haverá apenas quatro aulas amanhã."

     5. Quando o verbo haver exprime existência e vem acompanhado dos auxiliares ir, dever, poder, etc., a locução assim formada é, naturalmente, impessoal:

     "Lá e acolá devia haver terríveis cabeças humanas apontando da água, como repolhos de um canteiro, como moscas grudadas no papel-de-cola." (Guimarães Rosa)

   -----

     O verbo haver, quando sinônimo de existir, constrói-se de modo diverso deste. Nesta acepção, haver não tem sujeito e é transitivo direto, sendo o seu objeto o nome da coisa existente ou, a substituí-lo, o pronome pessoal o (a, os, as). Existir, ao contrário, é intransitivo e possui sujeito, expresso pelo nome da coisa existente. 

     Outrora, havia amendoeiras no parque.

     Outrora, existiam amendoeiras no parque.

     Construção do tipo:

     "Houveram muitas lágrimas de alegria." (Camilo Castelo Branco)

     "Ali haviam vários deputados que conversavam de política, e os quais se reuniram a Meneses." (Machado de Assis)

     não devem ser hoje imitadas, segundo a gramática tradicional. 

     "Há que se votar para presidente."

     Essa frase não traz nenhum impedimento – ao menos do ponto de vista lingüístico. Muitos evitam o uso do verbo haver com QUE, por considerarem espanholismo. O uso é correto, segundo Luiz Antonio Sacconi.

     "Há que se promover com urgência o retorno do reitor."

     "Há que se retomar urgentemente o caminho da justiça.

     "Há que se voltar rapidamente para a repartição." 



Fontes de pesquisa para este apontamento:

__Luiz Antonio Sacconi

Não erre mais!

__Celso Cunha
Nova Gramática do Português Comtemporâneo

__Alô Escola - Nossa Língua Portuguesa 
(
http://www.tvcultura.com.br/aloescola/linguaportuguesa/ )

__Vestibulares - Folha de São Paulo 
(
http://www.uol.com.br/vestibuol )

__Hélio Consolaro 
(
www.portrasdasletras.com )

KATHLEEN LESSA
Enviado por KATHLEEN LESSA em 15/08/2006
Reeditado em 19/09/2013
Código do texto: T217410
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (http://www.kathleenlessa.prosaeverso.net/). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Obras à venda

Sobre a autora
KATHLEEN LESSA
São Paulo - São Paulo - Brasil
3221 textos (1756441 leituras)
12 áudios (6491 audições)
35 e-livros (40977 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 30/07/14 01:59)

Site do Escritor