Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

COMPLEMENTO NOMINAL x ADJUNTO ADNOMINAL

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

≡ Há casos em que podemos confundir o complemento nominal e o adjunto adnominal, quando este é representado por uma locução adjetiva, ligada ao substantivo abstrato por uma preposição. Para demarcar as fronteiras, observe os seguintes casos:

1º. Tratando-se de adjetivo, ou advérbio, não há a menor dúvida: o termo que a eles se liga por preposição é, sempre complemento nominal: ofensivo à honra, prejudicial à saúde, contrariamente aos nossos desejos:

   Ele é perito (adjetivo) em cirurgia (c. nominal).

   Ela está longe (advérbio) da verdade (c. nominal).

2º. Tratando-se de substantivo concreto o termo que a ele se liga por preposição é, sempre Adjunto Adnominal: rádio de cabeceira, torre de marfim, sol da manhã, homem sem responsabilidade:

   Recebi o livro (subst. concreto) de literatura (adj. adnominal).

   homens (subst. concreto) sem responsabilidades (adj. adnominal).

3º. Quando o termo introduzido por preposição aparecer ligado a um substantivo abstrato pode, em princípio, ser adjunto adnominal ou  complemento nominal. Para distinguir um do outro, basta usar o seguinte raciocínio:

≡ Se esse termo estiver funcionando como o alvo, o destino da ação, ou seja, sobre quem recai o fato, classificamos como complemento nominal, caso contrário, se for o agente do fato será adjunto adnominal. Veja os exemplos:

   A resposta ao público (alvo da resposta = c.n.) foi satisfatória.

≡ Observe neste exemplo que "a resposta" tem como alvo "o público" (destina-se ao público), portanto, complemento nominal.

   A resposta do patrão (emissor da resposta) foi insatisfatória.

≡ Nesta frase, "a resposta" não tem como alvo "o patrão", ou seja, não se destina a ele. O patrão é o agente, o emissor da resposta. Portanto, Adjunto Adnominal.

4º. O adjunto adnominal indica tipo, matéria, posse. Observe a diferença:

   Ele tem amor de mãe => indica o tipo de amor: materno. Ou seja: Ele tem amor materno.

   Ele tem amor à mãe => à mãe é o alvo do amor => C. Nominal.

Exemplos:

01. O fumo é prejudicial (adjetivo) à saúde (c. nominal).

02. A oposição votou favoravelmente (advérbio) ao governo (c. nominal).

03. Aumentei a estante (subst. concreto) de livros (adj. adnominal).

04. As árvores (subst. concreto) da praça (adj. adn.) estão cheias de flores.

05. Nosso time está confiante (adjetivo) na vitória (c. nominal).

06. Nós chegamos perto (advérbio) dos gorilas (c. nominal).

07. Vou comprar um anel (subst. concreto) de noivado (adj. adn.).

08. Sempre desejou viver longe (advérbio) dos parentes (c. nominal).

09. Fiquei indiferente (adjetivo) a sua desculpa (c. nominal).

10. As casas (subst. concreto.) de madeira (Adj. Adn.) são ótimas no inverno.

11. Ele é igual (adj.) ao pai (c. nominal).

 

Exemplos com Substantivos Abstratos:

01. O torcedor tinha em seu time (o time é o alvo da fé = c. nominal).

02. O elogio do professor foi injusto (o professor não é o alvo do elogio, é o agente, o emissor do elogio = adj. Adnominal)

03. O elogio ao professor foi injusto (o professor é o alvo do elogio = c. nominal).

04. Ele sentiu saudades da família (família é o alvo da saudade).

05. Nós gostamos muito da leitura do colega (colega não é o alvo da leitura, e sim o agente, quem a fez = adj. adnominal).

06. A crítica ao aluno não tinha fundamento (o aluno é o alvo da crítica = c. nominal).

07. A crítica do jornalista não tinha fundamento (o jornalista não é o alvo da crítica, e sim o agente, quem a fez = adj. adnominal).

08. A resposta do aluno ao professor foi satisfatória (do aluno - agente da resposta, quem a fez = adj. adnominal) (ao professor – alvo da resposta do aluno = c. nominal). ®Sérgio.

____________________

Informações foram retiradas e adaptadas ao texto de: Cegalla, Domingos Paschoal, Novíssima Gramática da Língua Portuguesa; Editora Nacional, 2005.

Prof. Sérgio Nogueira, O Português do Dia a dia – Rio de Janeiro: Rocco, 2004.

Se vocêencontraromissões e/ou erros (inclusive de português), relate-me.

Agradeço a leitura e, antecipadamente, qualquercomentário. Volte Sempre!

Ricardo Sérgio
Enviado por Ricardo Sérgio em 27/05/2010
Reeditado em 23/05/2011
Código do texto: T2282323
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ricardo Sérgio
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil, 67 anos
1281 textos (14862628 leituras)
7 e-livros (6203 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/10/14 16:59)
Ricardo Sérgio



Rádio Poética